2010 em um disco e uma música, por Fernando Corrêa

Disco: The Roots – How I Got Over

Não é nem meu preferido do ano, nem o que eu considero o melhor. Mas é o disco que conseguiu entrar entre os que mais me tocaram em 2010. E é um disco de hip hop. As duas últimas frases nunca haviam se somado nos anos anteriores de minha curta vida, e se muito disso tem a ver com a mistura de How I Got Over, que traz de volta pro hip hop um pouco do pop que o indie lhe tomou emprestado, grande parte se relaciona com o nome da banda: ROOTS. O Roots lançou um grande disco no mesmo ano em que a música negra de raiz (ou ao menos a que está na raiz do pop contemporâneo) invadiu o indie. Fez isso de forma completa, coesa, e o hip hop finalmente conquistou meus ouvidos, de mãos dadas com o “soul revival”. How I Got Over trata de soul, de groove, de beats, e me lembra que soul, groove e beat são metáforas para coisas do corpo.

Música: The Morning Benders – Promises

Para cá, o critério foi outro, mais simples: “Promises” é a música que, em 22 de dezembro de 2010, figura entra as mais executadas do iTunes, junto de faixas muito mais velhas por ali. Morning Benders tem melodias bonitas e instigantes, um vocalzinho levemente excêntrico e um quê de negritude motowniana. Mencionada pra não ser esquecida.

Se não for abusar do espaço, queria mencionar umas bandas da terrinha em um ano cheio de lançamentos nacionais brutais: Apanhador Só e Superguidis, cujos álbuns são excelentes e merecem mais essa menção. E a música “Frutos do Mar”, da Dingo Bells, que faz mais uma homenagem a “O Mar”, de Dorival Caymmi (a outra foi do Vanguart), para cair em um rock ‘n’ roll de primeiríssima e ensolarado de calor e originalidade – coisa rara pelas bandas do Rio Grande do Sul.

.

Fernando Corrêa (@nandoco) é jornalista e editor da revista Noize.

2 Comentários para "2010 em um disco e uma música, por Fernando Corrêa"

  1. Sem falar que nesse álbum os caras do The Roots deixaram um pouco de lado as críticas vorazes ao sistema americano e mergulharam de vez no groove. Wake Up, gravado em parceria com John Legend, também reflete os novos caminhos trilhados pelo The Roots.

    Discaço!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *