5 artistas que influenciaram “Fodido Demais”, novo álbum do Do Amor

Essa foto, só poderia ser do Do Amor. Foto: Daryan Dornelles/Divulgação

O conjunto musical Do Amor lançou no dia 15 de abril o seu quarto disco, Fodido Demais e o álbum vem um pouco mais lento do que o carimbó que deixou o grupo carioca conhecido. O show de lançamento em São Paulo foi no Sesc Pompeia e a noite acabou uma alegria só! Na plateia estavam dois integrantes da banda paulistana Coronel Pacheco, Luiz Hygino e Bruno Brandão, e como estávamos por lá, rolou de gravar o vídeo de uma das músicas. Sim, eles cantaram duas juntos!

Como o Do Amor é uma das bandas que está no coração do Move That Jukebox, convidamos a banda para falar um pouquinho de quem é que foram os artistas que passaram pelos ouvidos dos meninos e quem respondeu para gente foi o Marcelo Callado (baterista do grupo). Dá uma sacada e ao final, escute o disco novo!

Pixies

Essa sonoridade dessa música e do disco inteiro Surfer Rosa, foi algo que buscamos chegar perto em duas canções especialmente: “Fodido Demais” e “Peixe Voador”. Somos fãs dos Pixies principalmente pela maneira peculiar que eles tem de misturar num disco diferentes climas. Conseguem ser melódicos, barulhentos, experimentais e pop ao mesmo tempo, sem perder la ternura.

Originais do Samba


Escolhi essa nitidamente por ser uma influência na nossa gravação de “Minhas Vozes”. Além do fato da melodia do refrão ser parecida, acho que muito do clima de mesa de bar que há na gravação dos “Originais” conseguimos também captar (ou decapitar) no nosso partido alto.

Armandinho, Dodo e Osmar

“Frevo da Razão” é uma música da época do Piracema, que só terminamos pro “Fodido”. Já estava na hora de gravarmos um frevo, ritmo do qual somos muito admiradores. Assim como os discos do Trio Elétrico Tapajós; as bolachas de Armandinho, Dodô e Osmar (nessa gravação com Morais Moreira, nos vocais) já rodaram muito em nossas vitrolas, desde os tempos mais remotos, animando outros carnavais.

Kevin Ayers e Syd Barret

Dois mestres da canção folk-pscodélica inglesa do final dos anos 60. Acho que sempre carregamos um pouco da poesia desses dois figuras em nossos corações. No nosso álbum acho que podemos enxergar bem isso em faixas como “Make Songs” e “Não Leve”.

Rodrigo Amarante

Uma influência contemporânea, pra não sermos taxados de saudosistas! Rodrigo, nosso querido amigo e parceiro, fez o álbum Cavalo, cujo aspecto vazio nos preenche de intensas sensações. Suas melodias vocais principalmente nos coros, podem ser notadas como influencias, principalmente na nossa faixa “Eletricidade”.

Fodido Demais, clique e escute: