5 artistas que influenciaram o novo disco de Meno Del Picchia

Meno_crédito_Amanda Amaral 5

Pirincipal infuência do disco foi Nick Drake. Foto: Amanda Amaral/Divulgação

Já com seu terceiro disco na roda, Meno Del Picchia topou participar da nossa coluna que mostra as influências que tomaram conta da cabeça dos artistas para fazer seu novo álbum. Em Barriga de 7 Janta o principal deles foi Nick Drake, o que faz todo o sentido, já que Drake é conhecido por ser um artista de melodias bonitas, violão em primeiro plano e voz marcante, nada muito diferente pode se dizer do belo novo álbum de Meno.

O tema central de Barriga de 7 Janta é o tio Dico, sapateiro respeitado, que um dia deixou a família na pequena Ipaussú (SP) e sumiu no mundo. A única informação que eles tinham era que Dico virara andarilho. Essa história, contada pelo avós nunca saiu de sua cabeça e finalmente virou música nas mãos do artista. O disco também tem participação de Rômulo Fróes, Thiago França, Saulo Duarte e Lu Horta.

Confira tudo abaixo e escute o disco ao final da coluna:

 

Nick Drake – “Place to Be”

Uma grande influência pra mim no Barriga de 7 Janta foi o Nick Drake. Acho o som de violão dele muito lindo; o jeito dele tocar e cantar, meio melancólico, mas ao mesmo tempo muito forte, muito verdadeiro. Essa canção, “Place to Be”, foi lançada no disco Pink Moon de 1972 e revela toda beleza e crueza do violão e voz de Nick Drake.

 

Canções Velhas para Embrulhar Peixes – “Note”

O Canções Velhas para Embrulhar Peixes, projeto encabeçado pelo Peri Pane e pelo poeta Arruda, foi outro trabalho que me influenciou muito. A simplicidade acústica dos arranjos valoriza toda beleza das melodias e da poesia, que nesse trabalho se encontram num equilíbrio perfeito. Poderia ter escolhido qualquer canção deles, mas trouxe a “Note”, que ganhou um clipe lindo.

Father John Misty – “Chateau Lobby lobby #4 (in C for two Virgins)”


Outro cara onde o som do violão é muito forte e presente, e que influenciou o disco foi o Father John Misty. Ex-baterista da banda Fleet Foxes, Father John Misty iniciou sua carreira solo em 2012 e seu último álbum, chamado I Love You Honey Bear (2015), foi trilha sonora pra mim estes últimos tempos. Gosto muito da segunda faixa, “Chateau Lobby lobby #4 (in C for two Virgins)”.

Shugo Tokumaru – “Katachi”


Outro som que tenho ouvido muito é o japonês Shugo Tokumaru. Quem me apresentou ele foi o Gustavo Ruiz, irmão da Tulipa. Acho os arranjos muito bons, o trabalho melódico, os timbres, tudo muito legal. Pena que não entendo a letra (risos), mas essa canção “Katachi” me emociona pela melodia e pelo arranjo da banda. O Shugo Tokumaru, além de tudo, é um super instrumentista, toca vários instrumentos de corda. Sou muito fã.

Rodrigo Campos – “Princesa do Mar”


Pra finalizar em grande estilo, trago um som que adoro do Rodrigo Campos: “Princesa do Mar”, lançada no disco Bahia Fantástica (2012). Difícil falar de um cara tão profundo e genial quanto o Rodrigo. Ele é uma influência pra mim pelo jeito que pensa cada disco. Todo disco do Rodrigo é feito para ser ouvido inteiro, ele sempre traz uma narrativa que só quem ouve todas as faixas é capaz de perceber. Tentei fazer algo parecido no Barriga de 7 Janta.

Escute Barriga de 7 Janta no Spotify

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *