5 discos e artistas que influenciaram o novo disco da banda Maglore

Foto: Azevedo Lobo

III é o novo álbum do Maglore. Já demos a dica pra você ouvir o trabalho por aqui e por aqui. Mas agora, quem escreve é a própria banda – ou melhor, o vocalista Teago Oliveira. Convidamos o músico baiano para estrelar mais uma coluna sobre influências de lançamentos nacionais. Abaixo, portanto, você encontra 5 referências sonoras que ajudaram o trio na construção do disco.

Mas antes, um recado muy importante: no próximo domingo, dia 2 de agosto, o Maglore faz show de lançamento do álbum para o público paulistano. A apresentação, imperdível, rola no Auditório Ibirapuera, a partir das 19h, com Hélio Flanders (Vanguart) e Leonardo Marques (Transmissor) fazendo participações especiais durante a noite. Não deixe de ver.

 

Caetano Veloso — Jóia

Foi muito ouvido durante 2013 e 2014 pela banda. É um disco minimalista, de letras curtas, metafóricas e bem desprendidas. É um discaço. E é bem místico dentro da obra de Caetano.

 

Jorge Ben — A Tábua de Esmeralda

Esse é o meu disco de cabeceira. O melhor do mundo na minha opinião. São os takes mais espontâneos, letras simples e lindas, a cor dos delays e reverbs, a mão direita xamânica de Jorge Ben. É um tesouro que serve sempre de inspiração.

 

Dr Dog — B-Room

O Dr. Dog é uma das nossas bandas preferidas por vários motivos. São canções bonitas arranjadas com uma inteligência ímpar e as gravações são sempre impecáveis. Desempenha quase o mesmo papel que Wilco pra nós: algo classudo e cheio de verdade. Nesse último disco, acho o Dr. Dog mais genuíno que nunca.

 

Devendra Banhart

Pelo conjunto da obra. Qualquer disco serve, mas o Smokey Rolls Down Thunder Canyon foi um divisor de águas. É outro cara que está sempre renovando a estética de sua música com o maior bom gosto. Tem os reverbs mais bonitos do mundo nos discos dele.

 

Mac DeMarco

Os dois álbuns são ótimos e a espontaneidade dele no palco é de assombrar. Além do que, a banda é superdivertida. Mac DeMarco fez dois discos de canções maravilhosas, numa pegada muito tosca e muito original, o que nos fez reforçar o pensamento de que você precisa de muito pouco recurso pra executar suas ideias. Os discos são alegria pura. Sem falar nos clipes.