5 perguntas para… Wem

Wem. Foto: Paula Perrier/Divulgação

No dia 6 de maio, o cantor e compositor Wem se apresenta de graça na Sala Olido, no centro de São Paulo e vai mostrar as canções que estão no disco Conectar, lançado ano passado.
O artista sobe ao palco acompanhado Ricardo Prado (teclado e sanfona), Meno Del Picchia (baixo) e Rodrigo Fuji (bateria), Wem (voz, guitarra e violão).
O belo álbum de Wem traz canções leves e sinceras e nasceu de uma total interação com os fãs. Acontece que Wem soltou no seu Facebook e Youtube 20 canções e pediu que o público escolhesse as que mais gostava. Acabou que de lá saíram de canções que estão em Conectar. Abaixo, você confere um deles, “Se eu te encontrar”.

Parte da comunicação também foi feita via e-mail, o que levou o artista ter o trabalho de enviar cerca de 5.200 e-mails para lembrar o pessoal de votar.
Cotando tudo isso, acabamos fazendo uma entrevista rapidinha por e-mail (também!) com o artista para ajudá-los a conhecer um pouco mais do trabalho dele. Espia só!

Move That Jukebox: Wem foi um trabalhão fazer este novo disco hein? 5.200 respostas de e-mails na caixa. Como que foi essa experiêcia para você?
Wem: Fazer um disco é sempre uma alegria imensa! É um risco que me alimenta. É como se você partisse pra uma viagem sem saber muito bem qual é o destino. Adoro esse percurso incerto que vai se construindo ao longo dos dias. É preciso estar atento, vivo e isso é muito bom! Nesse disco, resolvi convidar mais pessoas pra entrar nessa viagem comigo… compartilhei desde o início esse trajeto nas redes sociais e a cada semana mandava 2 músicas novas por email, para um mailing de 2.600 pessoas. Foram 20 músicas no total, e no final selecionamos as 10 que gravei no álbum Conectar. O risco valeu muito a pena.

Move That Jukebox: Suas músicas são bem tranquilas, todas ficariam lindas apenas com violão. Me fala então como elas nasceram, qual foi o teu processo de composição?
Wem: Passado pouco mais de um ano do lançamento do meu primeiro disco Começo (2014), eu me ví com um material grande de composição. Eram quase 20 músicas prontas e algumas pra terminar. Olhando agora pra trás, acho que foi um período que fiquei muito em casa, vivendo esse “meu” mundo, compartilhando os momentos com pessoas que eu amo muito. As canções foram surgindo naturalmente nesse ambiente…. e muito das temáticas falam de micro mundo das relações.

Move That Jukebox: Você contou com uma participação bem especial, do Marcelo Jeneci no piano. Como rolou essa parceria?
Wem: Já conhecia o Jeneci, e desde que compus a música “antes” eu já imaginava ele tocando e cantando comigo essa faixa. Sou fã do trabalho dele, mandei a música via Wathsapp junto com um áudio fazendo o convite. Ele se identificou com a música. Daí aproveitamos uma vinda dele pra São Paulo e passamos o dia muito especial no estúdio, todo o arranjo foi criado e gravado nesse mesmo dia!

Move That Jukebox: No clipe que abre teu site, a imagem é da sua família, as filhas e mulher, “Solidão Jamais”. Me fala então como foi virar músico. Rolou algum “preconceito” da sua família, quando você resolveu virar cantor? Hoje você vive apenas de música ou tem outras ocupações?
Wem: Me interessei por música desde muito cedo. Aos 7 anos comecei a tocar saxofone, depois na adolescência fiquei apaixonado pelo violão/guitarra e logo comecei a compor. Tive muita sorte, sempre tive muito incentivo dentro de casa, quando me mudei pra São Paulo, foi pra fazer faculdade de música. Sempre vivi de música, atacando em várias frentes, atualmente em paralelo a este trabalho, faço trilhas sonoras, sou integrante do Tiquequê e toco com a Palavra Cantada.

Move That Jukebox: Wem, me fala também sobre suas influências.
Wem: As influências na música são muitas. Vou falar das principais influências do Conectar. Este disco tem um espaço bem grande pros coros, que foram lindamente arranjados pelo Fê Stok e interpretados por ele, pela Marina Pittier e pela Lu Lopes. Essa ideia do coro bem presente, foi influencia de alguns grupos sessentistas (Beach Boys e Mamma and the Pappas) e muito pelo disco do Little Joy.

Escute abaixo “Conectar”: