Ana Cañas, Marcelo Jeneci, SILVA e outras estrelas ascendentes se reúnem em festival

Há cinco anos a Som Livre mantém o selo Slap, dedicado a lançar novos artistas. Pra comemorar o quinto aniversário, a gravadora preparou um mini festival reunindo sete desses artistas que passou pelo Cine Joia, em São Paulo, no último fim de semana e desembarca no Rio no próximo sábado no Circo Voador.

Encabeçado por Ana Cañas e Marcelo Jeneci, o festival teve SILVA, Jesuton, Thaís Gulin, Thiago Iorc e Dani Black que se revezaram no palco sozinhos ou em parceria uns com os outros. A banda que acompanhou os cantores era a de Maria Gadú, que teve que cancelar sua participação de última hora por motivos pessoais.

Cada um pôde tocar três músicas – duas sozinho e uma em parceria com algum dos colegas. Dois nomes acabaram participando mais que os outros: SILVA e Jesuton que fizeram um dueto juntos. SILVA (talvez o violino mais requisitado da música popular brasileira) também tocou com Thaís Gulin e Dani Black, enquanto Jesuton se apresentou com Tiago Iorc e Thaís Gulin.

Um dos momentos mais belos da noite foi quando Jesuton soltou seu vozeirão em sua primeira música e foi ovacionada pela plateia. Aparentemente desconhecida pela maior parte do público, a cantora que foi descoberta se apresentando nas ruas do Rio de Janeiro cativou os espectadores e arrebanhou novos fãs.

Ana Cañas executou suas três músicas apenas com os instrumentistas, todas elas de seu álbum mais recente, Volta. Um dos grandes momentos foi o cover “Rock and Roll”, do Led Zeppelin, presente há alguns anos no repertório da artista e finalmente gravado oficialmente em 2012.

 

O show foi finalizado com seis cantores no palco (Marcelo Jeneci não apareceu no fim) cantando uma versão meio embolada de “Come Together”, dos Beatles. Um pouco clichê, mas um bom encerramento.

No fim das contas, Maria Gadú não fez tanta falta assim: ainda tínhamos sete artistas super talentosos que, se não eram conhecidos do público, conseguiram conquistar a plateia. Pensar que cada músico só tinha direito a três músicas dá a impressão que o tempo foi curto, mas no total foram 22 canções – o suficiente para que todos mostrassem seu potencial e juntos fizessem um dos melhores shows nacionais de 2012.