Álbum “Be Here Now”, do Oasis, completa 15 anos

Parece que foi ontem que eu fui na loja comprar o novo cd do Oasis, sucessor do aclamado (What’s the Story) Morning Glory?. No dia 21 de agosto de 1997, Be Here Now era lançado, desagradando a muitos, conquistando outros e ainda assim se tornando o álbum britânico de vendagem mais rápida até o momento, com 350.000 cópias só no dia de seu lançamento. Para homenagear esse belo disco, separei algumas historinhas e curiosidades sobre cinco das suas doze faixas. Vamos lá.

D’You Know What I Mean?

Uma das mais psicodélicas do grupo que, ao longo de muitos jogos de palavras, faz referências a alguns dos maiores ídolos dos irmãos Gallagher. Entre as menções, “The Fools on the hill” e “I feel fine”, dos Beatles (The fool on the hill and I feel fine), “Bring it on home”, do Led Zeppelin (Get on the bus and bring it on home to me) e talvez “Blood on the Tracks”, de Bob Dylan. As batidas eletrônicas ao fundo foram criadas por Mark Coyle, amigo de longa data de Noel Gallagher (ambos foram roadies do The Inspiral Carpets) que apesar de ter sido contratado como técnico de som do grupo, acabou tendo bastante participação na produção do álbum Definitely Maybe, chegando a ser considerado o sexto membro do Oasis.

Stand By Me

Diz a lenda que Noel Gallagher escreveu essa canção quando sofria de intoxicação alimentar causada por um jantar preparado por ele próprio, na tentativa de acalmar a mãe e seus vários telefonemas cobrando melhor alimentação (daí a frase inicial Made a meal and threw it up on Sunday / Gotta lot of things to learn). Já o título da música veio, obviamente, da famosa regravação de John Lennon lançada em 1975.

Don’t Go Away

Essa que aparenta ser uma das músicas mais românticas do Oasis foi composta por Noel Gallagher quando sua mãe se encontrava internada com suspeita de câncer, o que não foi o caso. A letra fala sobre a perda de alguém próximo, revelando um dos momentos mais sombrios do compositor. A frase inicial A Cold and Frosty Morning faz menção à faixa “Dead End Street”, um clássico do The Kinks – uma das grandes influências de Noel.

All Around The World

Apesar de ter sido lançada em 1997, “All Around The World” já existia nos setlists dos shows do Oasis em 1992. Sabendo da grandeza da canção, o compositor Noel Gallagher resolveu esperar até o orçamento da banda aumentar para poder realizar uma versão orquestrada, beirando o épico. Se isso deu certo, aí já é outra história. Fato é que “All Around The World”, com seus mais de nove minutos, ainda é a faixa de maior duração a figurar na parada de sucesso britânica, com muitos “na-na-na-na”. Nos backing vocals, Meg Matthews e Patsy Kensit, na época esposas de Noel e Liam, respectivamente. Outra notável participação especial é do gaitista Mark Feltham. O videoclipe é maaaaais uma homenagem aos Beatles e ao religioso “Yellow submarine”.

Fade In-Out

Com participação de Johnny Depp na guitarra slide, Noel Gallagher esataria tão bêbado na sessão de gravação que o ator acabou se encarregando da tarefa. Já pensou?

E para fechar com chave de ouro, além da audição completa de Be Here Now, recomendo a visita à outra homenagem ao disco feita pelos nossos amigos do Rock ‘n’ Beats. Divirtam-se:

1- D’You Know What I Mean?
2- Magic Pie
3- Stand by Me
4- I Hope, I Think, I Know
5- The Girl in the Dirty Shirt
6- Fade In-Out
7- Don’t Go Away
8- Be Here Now
9- All Around the World
10- It’s Gettin’ Better (Man!!)
11- All Around the World (Reprise)

  • …album este que foi renegado pelos próprios! Lembro que à época não existia a febre da internet e as pessoas compravam, tipo “encontro às escuras”; resumindo: nunca os sebos de Londres ficaram tão cheios de disco-usado-lançado-no-ano, dizem!
    Mas sabe que eu comprei e gostei do disquinho, menino!!!

  • leonardo

    Primeiro Cd que comprei na minha vida, tinha 9 anos e juntei minha mesada para comprar esse cd. Esse cd é o principal cd da minha coleção do Oasis, não é o melhor deles, mas é o que mais me traz boas recordações.

  • Gosto muito desse disco, é meu favorito, talvez eu seja fã de excessos (hahahahaha).

    Acho D’You Know What I Mean?, Stand by Me, All Around the World três das melhores músicas da carreira da banda, mesmo com todos os seus excessos.

    ps.: Don’t Go Away rolou muito nas minhas primeiras baladas no começo dos anos 2000, tanto em bandinhas covers quanto com djs… acho a música bem fraca, mas ficou na memória

  • ps2.: Magic Pie é linda

  • ps3.: me desculpem pelos vários post scriptum, mas estou escutando novamente o disco e me lembrei como adoro também The Girl in the Dirty Shirt