Belle and Sebastian - The Third Eye Centre

Belle and Sebastian
The Third Eye Centre

Matador

Lançamento: 26/08/13

Nos primeiros anos de carreira do Belle and Sebastian, a banda abusava dos EPs. Os seus sete primeiros extended plays foram reunidos na coletânea Push Barman To Open Old Wounds, que representava o período de 1996 a 2001. Após esse período, a banda mudou de gravadora (foi da Jeepster para a Rough Trade) e a estratégia de lançamentos também foi alterada: em vez de EPs com músicas inéditas, o grupo passou a lançar singles que traziam uma música do seu LP do momento, uma ou outra inédita, covers e remixes. Os principais destaques dessa época foram agrupados na coleção The Third Eye Centre, lançada no final de agosto.

Apesar de não estarem organizadas em ordem cronológica, é possível identificar diferentes fases da banda. Naturalmente, o disco não tem uma “unidade” aparente e pode parecer uma colcha de retalhos – o que é absolutamente natural para uma coletânea de b-sides.

O disco traz faixas ensolaradas e dançantes (“Suicide Girl”, “Last Trip”, “Your Secrets”), instrumentais inspirados (“Passion Fruit”, “The Life Pursuit”) e até uns toques de brasilidades, como na bossa “Love On The March” e “Mr. Richard”, que se encaixaria perfeitamente em um trabalho d’Os Mutantes.

Há espaço para baladas, como a belíssima “Blue Eyes Of A Millionaire”, além de “Meat and Potatoes” e “I Took a Long Hard Look”. Mas nem tudo são flores, e algumas faixas estão no disco apenas para registro histórico, como “The Eighth Station Of The Cross Kebab House” e “(I Believe In) Travelin’ Light”, que não empolgam.


A única novidade é o remix de “Your Cover’s Blown” assinado por Miaoux Miaoux. Apesar da canção original ser de 2004, ela era um tanto quanto obscura. E, acredite, é uma das melhores faixas de toda a carreira do Belle and Sebastian, e dá vontade de ouvi-la em loop infinito. Outras faixas que ganharam remixes (e podem até tocar em baladinhas indie) são “I’m a Cuckoo” e “I Didn’t See It Coming”.

O único porém do álbum é que ele não trouxe todo o material lançado nos singles que compilou. Covers como “Whiskey In The Jar”, do Thin Lizzy, e “Baby Jane”, de Rod Stewart, ficaram de fora. Versões ao vivo e alguns remixes da própria banda também foram excluídos da coletânea, o que é uma pena. O ideal seria que The Third Eye Centre cumprisse o mesmo papel de Push Barman…, que era justamente compilar absolutamente tudo lançado além dos seus álbuns completos.

São 19 faixas no total, a maior parte delas com potencial para se destacarem nos álbuns da banda. É muito mais que um simples registro histórico, é material de altíssima qualidade. São músicas que anteriormente estavam restritas apenas àqueles fãs mais ferrenhos que acompanharam cada passo ao longo dos anos, mas que tiveram seu acesso democratizado pela coletânea.

Curiosidade: muita gente não sabe, mas boa parte desse material foi lançada num DVD exclusivo para o mercado brasileiro, lançado pela Trama em 2005, com o nome Step Into My Office, Baby / I’m a Cuckoo / Wrapped Up In Books, que ainda pode ser encontrado em algumas lojas.