BRITs 2010: Os vencedores e o balanço da noite

Nessa semana, mais exatamente na terça-feira, o Reino Unido recebeu a 30ª edição de sua mais relevante premiação musical: O Brit Awards – ou, como é mais conhecido, simplesmente BRITs. A transmissão foi feita ao vivo, mas contando com um curto atraso para que imprevistos, como palavrões, pudessem ser cortados. A noite foi quente – principalmente pro Kasabian (com Tom Meighan de cabelo cortado, finalmente), que surpreendeu tocando “Fire”, de seu último disco, sobre um palco em chamas. Mais empolgante que a apresentação, só ver o grupo desbancando Muse, Arctic Monkeys, Dove s e JLS no prêmio de Melhor Banda Britânica. Merecido, achei:

Embora nada supere a apresentação tripla de Mark Ronson com Daniel Merriweather, Adele e Amy Winehouse no ano passado, os palcos do BRITs 2010 agradaram, com destaque para o estilo de musical da Broadway que soterrou “The Fear”, da Lily Allen. A cantora, que trocou de cabelo no mínimo três vezes (1, 2, 3) durante a noite (nenhum deles ficou realmente bom) e não esperava ganhar nenhum prêmio, ainda teve a honra de desbancar a provável vencedora Leona Lewis na categoria de Melhor Cantora Britânica – e falou que vai comemorar bebendo, como de costume.

Florence and the Machine, uma das minhas queridinhas do BRITs 2010, não saiu de mãos abanando: Indicada em três categorias, Florence, de surpresa, ganhou o prêmio de Melhor Álbum Britânico – e quase chorou nos agradecimentos. Lungs era o único álbum de estréia do grupo de indicados, que também carregava Kasabian, Paolo Nutini (blergh), Lily Allen e Dizzee Rascal. Esse último, vale notar,  brilhou MUITO com Florence em “You’ve Got The Dirtee Love”, um mash-up ao vivo de “You’ve Got The Love”, da garota, com “Dirtee Cash”, do rapper. O palco da dupla, constituído por uma série de harpas, um globo espelhado gigante e uma iluminação perfeita, foi uma das coisas mais bonitas da noite:

Apesar disso, a moça de maior destaque na premiação não foi Lily, Florence e muito menos uma britânica. Lady Gaga, atual super star do mundo pop, provou que merece ser valorizada – mesmo se estiver parecendo uma tortinha de chantilly (compare) – saindo vitoriosa nas TRÊS categorias em que concorria (Melhor Álbum Internacional, por The Fame, Melhor Cantora Internacional e Revelação Internacional). A apresentação da cantora também surpreendeu: Principalmente se você, assim como eu, não dava a mínima pra ela. Homenageando Alexander McQueen, estilista que se suicidou no início de fevereiro, Gaga apareceu com uma belíssima e inédita versão de “Telephone” – que, ao lado de “Dance In The Dark”, integrou um medley perfeito.

Quem sentiu falta do The XX tocando com a Florence no live mash-up supracitado, não deixou de reparar a ausência da criançada na premiação. Apesar de ser considerado o maior hype inglês de 2009, o grupo não teve uma indicação sequer. Mas nem tudo está perdido: É provável que a banda seja citada na próxima edição do evento, da mesma forma que aconteceu com o Friendly Fires nesse ano. E, por falar em FF, os críticos também ficaram devendo alguma coisa para o Franz Ferdinand, que passaram 2010 sem qualquer indicação nos BRITs.

E essa não foi a única decepção do dia. A JLS, nova boyband britânica de dar nos nervos, arrematou duas estatuetas e desqualificou um bocado de gente boa. Mais vergonhoso que isso, só Liam Gallagher recebendo o prêmio de Melhor Álbum dos Últimos 30 Anos por (What’s The Story) Morning Glory? em nome Oasis, e lembrando de agradecer a todos os integrantes da banda – menos ao irmão, Noel, em forma de provocação. Ainda parecendo um adolescente retardado de 15 anos, o cara simplesmente jogou o microfone E O TROFÉU para o público, sem dar a mínima.

Vale comentar, ainda, sobre a patética seleção dos supostos “melhores álbuns dos últimos 30 anos”. Nomes como Duffy e Dido aparecem enquanto grandes clássicos britânicos, como os discos do Radiohead (sempre ignorados pelos BRITs), Muse ou Blur, passam despercebidos. A escolha final, pelo menos, não foi tão injusta.

Poupando comentários sobre a sonolenta apresentação de Robbie Williams, o homenageado da noite, boto, na sequência, a lista completa de indicados e ganhadores:

Melhor Cantor Britânico
Calvin Harris
Dizzee Rascal
Mika
Paolo Nutini
Robbie Williams

Melhor Cantora Britânica
Bat for Lashes
Florence And The Machine
Leona Lewis
Lily Allen
Pixie Lott

Revelação Britânica
Florence And The Machine
Friendly Fires
JLS
La Roux
Pixie Lott

Melhor Grupo Britânico
Doves
Friendly Fires
JLS
Kasabian
Muse

Melhor Álbum Britânico
Dizzee Rascal – “Tongue ‘n’ Cheek”
Florence And The Machine – “Lungs”
Kasabian – “West Ryder Pauper Lunatic Asylum”
Lily Allen – “It’s Not Me, It’s You”
Paolo Nutini – “Sunny Side Up”

Melhor Single Britânico
Alesha Dixon, “Breathe”
Alexandra Burke featuring Flo Rida, “Bad Boys”
Cheryl Cole, “Fight For This Love”
Joe McElderry, “The Climb”
JLS, “Beat Again”
La Roux, “In For The Kill”
Lily Allen, “The Fear”
Pixie Lott, “Mama Do”
Taio Cruz, “Break Your Heart”
Tinchy Stryder featuring N-Dubz, “Number 1″

Melhor Cantor Internacional
Bruce Springsteen
Eminem
Jay-Z
Michael Bublé
Seasick Steve

Melhor Cantora Internacional
Lady Gaga
Ladyhawke
Norah Jones
Rihanna
Shakira

Revelação Internacional
Animal Collective
Daniel Merriweather
Empire of the Sun
Lady Gaga
Taylor Swift

Melhor Álbum Internacional
Animal Collective, Merriweather Post Pavilion
Black Eyed Peas, The E.N.D.
Empire of the Sun, Walking on a Dream
Jay-Z, The Blueprint 3
Lady Gaga, The Fame

Escolha dos Críticos
Ellie Goulding
Delphic
Marina and the Diamonds

Melhor Álbum Britânico dos Últimos 30 Anos
Coldplay – “A Rush of Blood to the Head”
Dido – “No Angel”
Dire Straits – “Brothers in Arms”
Duffy – “Rockferry”
Keane – “Hopes & Fears”
Oasis – “(What’s the Story) Morning Glory?”
Phil Collins – “No Jacket Required”
Sade – “Diamond Life”
The Verve – “Urban Hymns”
Travis – “The Man Who”

Melhor Performance Britânica dos Últimos 30 anos
Bee Gees – “Stayin’ Alive/How Deep is Your Love”
Bros. – “I Owe you Nothing”
Coldplay – “Clocks”
Eurythmics & Stevie Wonder – “Angel”
Girls Aloud – “The Promise”
Kanye West – “Gold Digger”
Kylie Minogue – “Can’t Get You Out of my Head”
Michael Jackson – “Earth Song”
Paul McCartney – “Live & Let Die”
Pet Shop Boys – “Go West”
Robbie Williams & Tom Jones – “The Full Monty Medley”
Scissor Sisters – “Take Your Mama”
Spice Girls – “Wannabe/Who Do You Think You Are”
Take That – “Beatles Medley”
The Who – “Who Are You”

Prêmio de Contribuição à Música
Robbie Williams

  • Nat

    Ai, gente, que papelão. Nem fodendo que Morning Glory é o melhor álbum dos últimos 30 anos. É bom, mas não pra tanto, hein

  • Mateus

    Acho o Mercury Prize mais relevante.

  • Lilia

    Sonolenta apresentação de Robbie Williams ? Vc está de brincadeira né? Vc gosta do que ??? Axé ???

    Robbie Williams é BRILHANTE… a apresentação foi maravilhosa, para de dizer injustiças…

  • VOCÊ GOSTA DE AXÉ, ALEX CORREA? =O

  • Stee

    hahaha, acho que ele curte um funk, falei hein.

  • não curte o Paolo Nutini?

  • Duque

    ô dona prancha, cuidado, tubarão vai te pegar!(tun tun tun tun tun tun)

  • HAHAHAHAHA!

  • Vou comentar aqui só porque eu num aguento as besteiras que vocês se propõem a escrever. Quem se incomoda com as atitudes do Liam Gallagher é um coitado que não tem nada o que fazer. Ele não fez nada ali que não tenha feito antes. Ele foi o Liam de sempre, e pra começo de conversa ele tava bem calminho ai em relação a outras premiações.
    Os discos que foram indicados podem não ter sido de grandes bandas como Blur e Radiohead, mas foram de artistas que marcaram o povo britânico. E The Verve com seu álbum representou muito bem quem não foi indicado.
    Agora é realmente patético uma pessoa que mora no Brasil se incomodar com uma premiação inglesa, que só engloba os artistas de lá. Trazer a notícia é uma coisa, mas comentar esculachando é melhor deixar pra quem realmente entende da música inglesa, que convive e respira a música britânica.

  • Se quem se incomoda com as atitudes do Liam Gallagher é um coitado que não tem nada pra fazer, imaginem quem se incomoda com quem se incomoda com as atitudes dele… #reflita

    (e eu não gosto de axé, abs)

  • Pingback: Move That Jukebox! » “Romance Is Running Out”, mashup de Lady Gaga e Muse()