Chuck Hipolitho’s Jukebox (Love Bazucas e Estúdio Costella)

Ele já dirigiu programas na MTV, tocou baixo e guitarra no Forgotten Boys por muitos anos e, com a banda, excursionou com o Backyard Babies, abriu shows de New York Dolls e dividiu o palco com outros figurões do rock. No momento, Chuck Hipolitho (@chuckhipolitho) se dedica a produzir e tocar com bandas em seu estúdio em São Paulo, o Costella. Entre tais bandas está o Love Bazucas, sensacional projeto que o multi-instrumentista engatou com os goianos do Black Drawing Chalks. Já lançaram até um EP, caso você não saiba. No meio disso tudo, Chuck arrumou um tempinho pra bater um rápido papo com a gente:

E o hype? O que você tem escutado de novidade?
O hype é o hype, né? Esses dias ouvi uma banda hypada nova, Vampire Weekend. Fiquei até com vergonha. Ando escutando de tudo, muita coisa nova. Como estou metido com produção e gravação agora, tenho escutado tudo, estudando esses aspectos. Para relaxar tenho escutado muito Wilco, Jayhawks, Run DMC e rocksteady.

Good Times Bad Times – qual banda/artista sempre esteve ao seu lado, fazendo, por mais piegas que isso possa soar, a “trilha sonora de sua vida”?
Os Ramones.

Do the D.A.N.C.E. – o que não pode faltar na hora de soltar a franga na pista?
Tudo que for clássico e clichê.

Como um bom “pai de família que mexe com música”, com qual disco você pretende ingressar sua filhinha no mundo musical? Ela já dá indícios de gostar de alguma coisa que você coloca pra tocar?
Nas primeiras semana ela se acalmava muito quando ouvíamos Uprising, do Bob Marley. Aqui em casa rola rocksteady e Johnny Cash antigo direto, para acalmar. Funciona. Quando for a hora, ela vai ouvir comigo o Rocket To Russia [do Ramones], depois disso vai depender dela.

Você não vale nada mas eu gosto de você – todo mundo tem um guilty pleasure, vai. Aquela banda que, quando começa a tocar no computador, você desabilita o last.fm o mais rápido que pode.
Eu nem sei o que acontece quando se “desabilita o last.fm”… Eu gosto disso aqui pra caralho. Serve?!

  • case

    O chuck Hipolitho, que já foi meu maior orgulho caiu direto pra minha maior vergonha. Não acho que foi o casamento ou a paternidade (até porque se fosse, seria risível), mas de uns tempos pra cá ele virou um tiozão chatíssimo e entediante do rock. eu, na condição de “tiozão do rock”, sinto vergonha alheia por esse sujeito que se acha “evoluidíssimo musicalmente’. Quando ele era mais novo, eu me identificava demais com ele dizendo sobre gostar de rock, criticar o que ele mesmo chamava de “rock mochilinha” e não depender de coisas novas porque a verdadeira face do rock estava naquilo que ouvíamos sempre.

    Fiquei sabendo que ele agora ouve vive la fête, uma banda de electro da pior qualidade. E Vampire Weekend? Preferia que fosse NX zero.

    Sem contar que, depois de todas as formas, tentar tirar o Forgotten Boys do buraco (incluindo fazer músicas em português, coisa que o próprio abominava em entrevistas), ele caiu fora pra tentar com um novo Forgotten, o Black Drawling Chalks, só que com meninos novinhos e amiguinhos das garotinhas. Deprimente.

    Assim como muita gente tem me falado, eu repito aqui e com muito mais que convicção: CHUCK HIPOLITHO, VOCÊ É UMA VERGONHA. Não tente fazer papel de roqueiro pra sua filha, porque nenhuma filha quer um “roqueiro” como você.

  • Excelente matéria… realmente o “Rocket to Russia” deveria ser apresentado a todo ser humano, para que à partir daí cada um seguisse o lado Fxxx da música!

    O Chuck é uma figura de destaque da cena do Rock, seja em qual função for (guitarrista, produção, etc…), algumas bandas recém saídas do Costella são muito boas: Midnight Sisters, Suéteres… e Love Bazukas é covardia, pena o EP ter apenas 4 músicas, porém, as 4 do Love Bazukas valem muito mais que qualquer disco com 20 músicas de algumas bandas por aí!!!

  • Natália Chvarts

    Tem gente com ódio no coraçãozinho..uhauhauha
    Chuck sempre me pareceu a pessoa que ele é agora,tem gente que não enxergava talvez,mas a única coisa que mudou é que agora ele é ‘pai de familia que mexe com música’ como ele mesmo se define ….
    Sempre vou admirá-lo pois ele sempre vai ser competente no que quer que faça. E TENHO DITO

  • Amigo, vou me dar o trabalho de responder… nem devia. Acabei caindo aqui nessa página de novo e vi seu comentário. Pode achar o que quiser de mim, por mais que não me importe mais com opiniões inflamadas de ninguém e a respeito de nada. Coisa de quem já tem filho para criar e educar. A única coisa que eu espero que esperem de mim, é que eu continue assinando o meu nome em baixo de qualquer coisa que eu faça ou escreva. Seja sobre algo ou sobre alguém.

    Você deveria fazer o mesmo, por mais que provavelmente eu não fizesse a mínima idéia de quem você seja.

    Blé…

    Chuck H.

    O chuck Hipolitho, que já foi meu maior orgulho caiu direto pra minha maior vergonha. Não acho que foi o casamento ou a paternidade (até porque se fosse, seria risível), mas de uns tempos pra cá ele virou um tiozão chatíssimo e entediante do rock. eu, na condição de “tiozão do rock”, sinto vergonha alheia por esse sujeito que se acha “evoluidíssimo musicalmente’. Quando ele era mais novo, eu me identificava demais com ele dizendo sobre gostar de rock, criticar o que ele mesmo chamava de “rock mochilinha” e não depender de coisas novas porque a verdadeira face do rock estava naquilo que ouvíamos sempre.Fiquei sabendo que ele agora ouve vive la fête, uma banda de electro da pior qualidade. E Vampire Weekend? Preferia que fosse NX zero.
    Sem contar que, depois de todas as formas, tentar tirar o Forgotten Boys do buraco (incluindo fazer músicas em português, coisa que o próprio abominava em entrevistas), ele caiu fora pra tentar com um novo Forgotten, o Black Drawling Chalks, só que com meninos novinhos e amiguinhos das garotinhas. Deprimente.Assim como muita gente tem me falado, eu repito aqui e com muito mais que convicção: CHUCK HIPOLITHO, VOCÊ É UMA VERGONHA. Não tente fazer papel de roqueiro pra sua filha, porque nenhuma filha quer um “roqueiro” como você.