Claudinha Bukowski’s Jukebox (Copacabana Club)

Baterista de uma das bandas nacionais mais promissoras do momento, Claudinha Bukowski (@claubukowski)- a mulher por trás das baquetas que conduzem o Copacabana Club – nos contou como começou a tocar bateria, as bandas de sua vida, os guilty pleasures e muito mais:

E o hype? – o que você tem escutado de novidade?
Tenho escutado muito o Two Door Cinema Club, acho que foi uma das bandas mais legais que apareceu nos últimos tempos. Eles e o Little Comets. Também gostei bastante do último do Hot Chip, One Life Stand, e do Transference, do Spoon.

Good Times Bad Times – qual banda/artista sempre esteve ao seu lado, fazendo, por mais piegas que isso possa soar, a “trilha sonora de sua vida”?
Durante um bom tempo, o The Jesus & Mary Chain foi minha banda favorita de todos os tempos. Infelizmente, depois do show do Radiohead eles caíram pro segundo lugar, hahaha. Mas de qualquer maneira, acho que essas são as duas bandas que sempre fazem parte da “trilha sonora da minha vida”.

Do the D.A.N.C.E. – o que não pode faltar na hora de soltar a franga na pista?
Acho que minhas músicas favoritas pra pista nesses ultimos tempos são: Julian Casablancas – 11th Dimension, The Gossip – Love Long Distance, Hot Chip – One Life Stand, Phoenix – Lisztomania e Peter Bjorn & John – It Don’t Move Me.

Meg White, do The White Stripes, Hannah Billie, do Gossip, Sandy West, do The Runaways e por aí vai: mesmo com fortes exemplos como estes, a bateria ainda é um campo dominado quase que exclusivamente por homens. No entanto, você é hoje uma das bateristas mais cool do país. O que te levou até isso?
Livre e espontânea pressão do meu melhor amigo, hahaha. Quando eu estava na faculdade, eu tocava violão e um pouco de guitarra. O Rafael Dal-Ri, guitarrista do White Strippers, minha primeira banda – dá pra adivinhar pelo nome que era uma banda cover do White Stripes, hahaha -, um dia veio e me disse que eu tocava terrivelmente mal e que eu deveria aprender a tocar bateria pra gente montar uma banda. Na semana seguinte, ele marcou uma aula de bateria pra mim. No mês seguinte, ele achou uma bateria por um preço legal e a “reservou” pra mim. Eu não sabia nem segurar a baqueta direito quando ele resolveu que tava na hora da gente começar a ensaiar. Mas, como não conseguimos convencer ninguém de tocar com a gente, resolvemos montar uma banda cover do White Stripes, assim poderia ser só nós dois. Minha primeira banda com músicas próprias só veio algum tempo depois, que foi o Constanza. Também tive uma banda que cantava em alemão, o Autobahn (eu fazia backing, e até hoje não faço a menor idéia do que eu estava cantando). E finalmente o Copacabana Club.

Você não vale nada mas eu gosto de você – todo mundo tem um guilty pleasure, vai. Aquela banda que, quando começa a tocar no computador, você desabilita o last.fm o mais rápido que pode.
Ultimamente eu não tenho me entregado muito aos guilty pleasures. Mas tem algumas coisas no meu passado que definitivamente me condenam. Acho que a pior delas é que eu gostava de Bon Jovi, hahahaha. Fui no show e tudo. Mas tudo bem, já superei isso. Eu também gosto de uma ou outra música da Kylie Minogue. E minha coleção de CDs do Red Hot Chili Peppers é bem mais extensa do que o recomendado.

9 Comentários para "Claudinha Bukowski’s Jukebox (Copacabana Club)"

  1. Bukowski é o sobrenome dela mesmo ou um tributo ao escritor americano? Se for uma homenagem ao velho Buk, falem pra ela que alguém a pede em casamento! hahahaha

  2. hahaha, todo mundo tem um Bon Jovi no passado…

    o post só me chamou atenção por causa desse Bukowski aí no nome também. 😛

  3. mas o red hot chilli peppers é uma excelente banda , só porque não é indie a banda é um guilty pleasure ?

  4. hahahahahaha, vou postar minha identidade aqui daqui a pouco. é bukowski sim… infelizmente nenhum parentesco comprovado com o “tio” charles… o melhor é o meu pai: CARLOS bukowski. total versão tupiniquim… com uma redução significativa de fama e alcool em relação ao charles bukowski original, hehe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *