Coala Festival @ Memorial da América Latina (São Paulo – 14/03/15)

coala

No último sábado (14), São Paulo recebeu a 2º edição do Coala Festival. O evento começava cedo, às 14h, e trazia as bandas Selton, Mustache e os Apaches, Otto, Saulo Duarte e a Unidade, Bixiga 70 e Marcelo D2. Os grupos se apresentariam nesta sequência, no palco e arena montados no Memorial da América Latina, o que não aconteceu. Como essas bandas, por mais que sejam muito legais, não trouxeram grande novidades, pela primeira vez na vida vou escrever menos sobre música e mais sobre o festival em si.

Local

O Memorial da América Latina é um ótimo espaço para eventos como este. O palco pode ser bem grande e de qualquer lugar você vê e escuta bem as bandas no palco. Tudo porque é um espaço bem amplo. Além disso, é muito fácil chegar, dependendo de onde se mora, tem ônibus, mas a melhor opção é o metrô, que te deixa praticamente na porta do local. A escolha foi perfeita!

Estrutura

Fazer um festival aberto em plena época de chuva é perigoso em São Paulo, porque a chuva às vezes é imprevisível. Pode vir fraquinha, como foi o caso, ou alagar tudo, como vimos há poucos dias na cidade. O espaço foi muito bem utilizado. Havia vários tipos de coisa para fazer. Dava para comer nos food trucks, andar de skate numa pequena rampa, ver dois artistas fazendo enormes painéis, tirar foto numa barraquinha da Ellus ou tomar sorvete de graça com o pessoal do Ben & Jerry’s. O espaço dos sorveteiros norte-americanos foi com certeza o mais cobiçado. Além dos sorvetes, dava para tirar foto e imprimir, além de sentar confortavelmente em pufes e cadeirinhas de praia. O Spotify espalhava óculos de graça e flyers para concorrer a assinaturas gratuitas.

Banheiros

Deixei os banheiros fora de estrutura, para deixar bem claro. Eram apenas químicos e não tinha como lavar a mão. No final da noite, faltou limpeza. Havia cabines insustentáveis, fedidas e imundas. E como choveu no dia anterior, havia uma poça de água na porta que atrapalhava a circulação. Um rodo resolvia a situação.

Preços

Já que a comida era de food truck, os preços não eram tão aprazíveis assim. Comer variava de R$15 a R$25. A cerveja era cara, mais uma vez: não dá para acreditar que a Skol quer mesmo que gastemos R$9 em uma lata. Não consigo entender. E água era R$5.

otto

Foto: Liliane Callegari

Shows e atrasos

Atrasou. Mas não atrasou pouco não – atrasou muito. Como tinha passado pelos shows do Odair José na quinta e do City and Colour na sexta, conseguir ir em um festival e passar o dia todo seria uma prova de amor, quase, mas se ele tivesse terminado no horário. Com certeza teria visto todos os shows. Infelizmente, cheguei atrasada, perdi o Selton e os Mutache e os Apaches entraram com 30 minutos de atraso. Depois disso, os atrasos foram aumentando a cada banda. O Otto entrou com uma hora de delay e fez um show ótimo, com músicas de The Moon 1111 e canções tipicamente pernambucanas. No palco, ainda chamou o produtor Ganjaman para uma participação especial. Saulo Duarte e a Unidade perdeu mais meia hora e em vez de tocar às 18h30, tocou às 20h! O atraso foi tanto, que percebi que os músicos estavam até meio chateados. Agora, imagine você como não ficaram os Bixiga 70. Desde às 19h, os vi circulando pelo Memorial. O show estava marcado para 19h45 e eles acabaram tocando depois do Marcelo D2. Acabei perdendo os dois, porque o corpo pediu descanso. Segundo a assessoria de imprensa, houve um “problema técnico.” Adicionado a isso está também o tamanho das bandas. Veja: os Mutaches são cinco; o Otto tem oito pessoas; Saulo Duarte e banda são seis; Bixiga, nove; e Marcelo D2, seis. Agora, imagine que três dessas bandas têm também percussão. Ficou complicado fazer com que tudo ficasse perfeito.

A atração surpresa, o bloco Amigos da Onça, foi muito legal, mas achei que foi mal colocado, já que entrou no meio de um set muito bacana do DJ convidado.

Resumo

O festival foi bem legal, mas os atrasos acabaram dando aquela brochada. Já o preço da cerveja, nem se fala. Que tal conversar com a Heineken, hein, pessoal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *