Coluna Miojo Indie #6: Big Deal, Tycho e Real Estate

E aí, o que tão achando da aparição semanal do Miojo Indie por aqui, na forma de coluna com pequenas resenhas de lançamentos interessantes pela internet afora? A coluna já chega em sua sexta edição, que traz como destaques os trabalhos mais recentes do Big Deal, Tycho e Real Estate. Boa leitura.

Big Deal

Lights Out (2011, Mute)


Um dicotômico encontro de vozes e duas guitarras. aAenas isso foi necessário para que a dupla Alice Costelloe e Kacey Underwood pudesse desenvolver um dos trabalhos mais encantadores de 2011. Denominado Lights Out, o álbum de estreia do casal britânico Big Deal é um composto de 12 simples, porém caprichadas composições. Uma dúzia de faixas que parecem encontrar suas referências na sensualidade esbanjada pelos conterrâneos do The XX, na melancolia de Cat Power, além de toda a sujeira de sons desenvolvidos pelo Sonic Youth. Até algumas incursões pelo romantismo doloroso do Yo La Tengo podem ser encontradas ao longo do trabalho. Entre pérolas depressivas como “PI” aos versos fáceis e pegajosos de “Cool Like Kurt”, todo o registro se projeta de maneira surpreendentemente extasiante, com o duo nos sugando para junto de seus lamentos, existencialismos e pequenos casos cotidianos.

Ouça: Distant Neighborhood

Tycho

Dive (2011, Independente)


Existe algo de quase místico nas composições montadas por Scott Hansen, respeitado designer californiano e produtor responsável pelo projeto Tycho. Seguindo fielmente os ensinamentos mestrados pela dupla escocesa Boards Of Canada, o norte-americano faz de suas canções um sublime passeio pela IDM que inundou a década de 1990, sem em nenhum momento abandonar sua forte ligação com o presente. Reproduzindo um tipo de som que parece pensado para o final de tarde – se você imaginou algo próximo da chillwave, enganou-se -, Hansen transforma cada uma das faixas de seu etéreo Dive em um jogo de sensações variadas, transportando o ouvinte para um mundo onde tudo pare flutuar na mais perfeita harmonia. No condensado de canções que dão formas ao álbum é possível encontrar tanto canções puramente eletrônicas, como “Ascencion”, até músicas delimitadas por certa dose de instrumentos acústicos, como “Hours”. Aperte o play e deixe que o álbum te faça levitar.

Ouça: Ascencion

Real Estate

Days (2011, Domino)


Longe das experiências lisérgicas de outrora e cada vez mais distanciados das exaltações ao lo-fi que inundaram seu elogiado trabalho de estreia, os norte-americanos do Real Estate fazem de seu novo álbum um projeto que mesmo simplista esconde grande beleza. Felizemente presos aos sons praieiros que lavaram seu primeiro álbum, a banda de Ridgewood, New Jersey transforma o recente Days em um caminho para se aproximar do grande público, delimitando um álbum mais fácil, menos viajado e ainda assim tão interessante quanto seu homônimo debut. É possível encontrar tanto composições que fizeram deles conhecidos, como a preguiçosa “All The Same”, até músicas delimitadas por um ritmo mais leve, descontraído e incrivelmente pop, algo que os versos de “It’s Real” conseguem assumir com distinção.

Ouça: It’s Real

Textos: Cleber Facchi

  • Thiago Kronig

    décima vez que a escuto hoje…