Conheça o Strausz e ouça a sua mixtape de férias

A música eletrônica produzida no Brasil tem proporcionado algumas gratas surpresas no começo deste século. Sucedendo MIXHELL, Edu K, Killer on the Dancefloor e uma série de outros projetos bem-sucedidos aqui e lá fora, novos jovens DJs e produtores nacionais começam a despontar como futuras promessas, munidos de uma autenticidade sonora, assinatura artística e preocupação estética raramente vista com tanta personalidade na cena. É aí que, a exemplo de conterrâneos como The Twelves e Os Ritmos Digitais, aparecem Strausz e o talento carioca.


Game over for the monster lover

Strausz lançou o seu primeiro EP em abril. “Zombies are making love” é uma ópera rock de vinte e quatro minutos, que mescla as referências em música eletrônica e preferências videogamísticas do rapaz – “um encontro entre o Daft Punk e o Resident Evil”, como sinaliza o release. O lançamento levou o jovem a ser comparado com, veja só você, o Justice e o Front 242 pelo produtor inglês de mashups The Kleptones. Ouça você o EP acessando strausz.org.

A novidade da vez é a primeira mixtape do cara. Escancarando mais uma vez suas inspirações musicais, o Strausz lança uma reunião divertida de beats e faixas tão compatíveis com a pista quanto agradáveis pra se ouvir no aconchego do lar. O lançamento, em primeira mão no Move That Jukebox, reforça uma característica louvável desses novos produtores de música eletrônica: venerar a novidade dando espaço equivalente aos clássicos, explorando o hype e o roots em perfeita harmonia. Exemplo disso na mixtape de Strausz é um remix que ele mesmo produziu para o lendário tema do Rocky Balboa sendo sucedido pelo frescor de uma produção do Database ou do The Count & Sinden. Curtindo funky ou disco-house, taí a trilha sonora pra coroar as suas férias e uma entrevista rápida com o jovem Strausz na sequência:

Clique aqui e confira a tracklista completa.

Como você chegou aos artistas que inclui na sua mixtape?

Strausz: Eu tenho passado muitas das minhas tardes fazendo trades na bmf&bovespa, como passatempo para poder escutar música. Dessa forma tenho ouvido mixtapes, tracks de produtores que comentam nas minhas tracks e artistas que os artistas que gosto seguem no soundcloud.

Como você avalia a cena de música eletrônica autoral do Rio de Janeiro?

Strausz: Ainda uma criança, o Rio tem muitos DJs bons e conhecidos, mas sinto que um ímpeto forte na produção tem vindo de um ano pra cá. Talvez por eu ser novo não conheça tudo que deveria, mas é a minha impressão.

Quais são seus produtores de música eletrônica brasileiros preferidos?

Strausz: Dos nacionais eu curto muito o Daniel Lucas, que inclusive eu acabei de remixar, o Larski também. Sem contar com meus companheiros no selo que estamos formando, Leo Justi, So&So e Camara.

E na gringa?

Strausz: Dos gringos, gosto muito de vários mas citaria agora o Stickybuds, Mr. Oizo e Canblaster.

Finalizando, pra ter uma noção de como é Strausz ao vivo (confira a agenda de gigs no site), o vídeo do primeiro live P.A. do rapaz: