De cara: Lana Del Rey – Born To Die

A seção mais querida (e odiada) do Move That Jukebox estreia em 2012! Na pauta, o polêmico primeiro disco de Lana Del Rey, que vazou hoje.

Não lembra qual é o esquema do “De Cara”? Vamos relembrar. Um disco inédito (e que acabou de vazar) e sua primeira audição sendo avaliada de cara. Sem segunda chance para o artista, nem para o escritor. Quando der o play no disco de Lana Del Rey, já saio escrevendo minhas impressões. O tempo que tenho para escrever sobre cada música é a sua duração. E você, que já deve ter baixado o disco, vai acompanhando juntinho.

Vamos? Começa agora!

1 –“Born to Die” – Quanta pompa nessa introdução, né? “Born To Die”, segundo single e faixa-título, já é conhecida do público, foi lançada no fim do ano passado. Legalzinha e de refrão choroso. Sou mais o remix  do Damon Albarn…

2 – “Off The Races” – Essa já era conhecida de vocês? Acompanhei o fenômeno bem de longe, não sei de tudo. Lana começa rimando pesado, é divertido. O refrão não deve nada para qualquer cantora pop do naipe da Beyoncé. Ela manda melhor mais soltinha e sem pretensão. “Off The Races” agrada, até o finzinho orquestrado dá para tolerar.

3 – “Blue Jeans” – Lembram quando a Lana apareceu cantando “Blue Jeans” de shortinho numa versão voz e guitarra? Foi ali que o som dela me pegou. A versão toda produzida não me convence muito, mas gosto quando a música acelera. E o refrão “I will love you till the end of time/ I would wait a million years”? Laninha exagera.

4 – “Video Games” – Outra que não é novidade e esteve presente em muitas listas de melhores do ano. A letra mais uma vez é pra lá de exagerada. “It’s you, it’s you, it’s all for you”. A produção podia ser mais limpa. De exagero bastam as letras. Piano e voz davam contam sozinho.

5 – “Diet Mountain Dew” – Lana ensaiando mais um rap? Gosto dela assim. O refrão é dos bons. Boa batida e uma linha de piano massa. Na letra, o carinha que ela curte é não é bom para ela, mas ela quer mesmo assim. Vai ver isso fala um pouco sobre o hype em torno dela.

6 – “National Anthem” – “Cause it’s a bittersweet symphony, this life…”. Opa, e essa introdução, aí? Mais uma vez o ritmo do vocal da Lana é quase de um rap, enquanto o refrão é pop de rádio. Uma crítica ao culto do dinheiro? Uma letra menos exagerada. Ponto positivo.

7 – “Dark Paradise” – Os refrões da Lana Del Rey são bem semelhantes em algumas música, repare nessa. “Dark Paraside” chama pouca atenção.

8 – “Radio” – Batida eletrônica e orquestrações leves. A fórmula cansa um pouco. Especialmente porque nada surpreende. Engraçado que na letra ela avisa: “Baby, me ama porque estou tocando no rádio”. Lana está desatualizada, isso aí chama Hype Machine hoje em dia.

9 – “Carmen” – Haja fôlego. Esse tanto de semelhança deixa difícil comentar algo. Mas “Carmen” não é ruim, não.

10 – “Million Dollar Man” – Legal, uma faixa com um clima diferente. É uma guitarra que destoa ali na introdução? Gostei. O piano da faixa também é bacana. Gosto de como ela canta a música, bem diferente das últimas faixas. Tava ficando maçante. E o refrão é delicioso, com uma referência esperta: “One for the money, two for the show”.

11 – “Summertime Sadness” – Essa indecisão da Lana Del Rey entre o pop e o indie tem reflexo nessa música. Uma confusão de referências. Complicado de entender.

12 – “This Is What Makes Us Girls” – Lana Del Rey é para as meninas choronas? Olha o hino aí. Música boba pra caramba.

13 – “Without You” – Na teoria, o disco acabou na última faixa que escutamos, mas estamos na versão bônus que vazou, então ainda tem mais. Gostei do começo. É algo que esperava mais no disco – mais piano e voz da Lana e menos coisas eletrônicas. Mas isso é só o começo, logo a faixa entra no clima das outras. Batida eletrônica super cansativa e uma voz ecoando no fundo. De novo? É. Perto do final ela emula a Beyoncé de um jeito meio hilário.

14 – “Lolita” – Já falei da indecisão da Lana Del Rey em que estilo caminhar, né? Em “Lolita” só faltou a participação da Rihanna. Não vejo mal nisso, mas o disco dela não conversa entre si. Isso é chato. Lembra de “Video Games” lá no começo? Nem parece a mesma. Mas até que o refrão é bom, depende do seu nível de tolerância.

15 – “Lucky Ones” – Algum sortudo ainda está me acompanhando? E esse comecinho perfeito para tocar no fim da balada? Ouçam o chamado de Lana! É a última faixa do disco. Vamos arrematar essa história?

O disco é ruim? Não. Tem bons singles e Lana Del Rey não é das piores cantoras. O que cansa é a produção carregada, a orquestração repetitiva, uns clichês e a indecisão entre soar descolada ou pop. Na suposta pretensão de ser a  futura musa indie, prefiro ver Lana tentando fazer músicas mais parecidas com “Off The Races” do que com “Born To Die”.

Os hits “Video Games” e “Blue Jeans” são os destaques, mas ficam completamente deslocados na bagunça de referências e idéias que estão lá pro meio do disco. Mestre de marketing, ela podia ter cortado muita coisa e montando algo mais compacto e menos cansativo. Ou vai ver, pelo mesmo motivo, ela sabe que ninguém dá tanta bola para um disco completo hoje. Azar o dela.

  • Renan

    o link para download está com problemas… tem como providenciar outro?

  • Marcelo F.

    De primeira é bom,mas um pouco repetitivo.A primeira metade são só de músicas já lançadas e a segunda parecer ser um remake dela.Alguns momentos dão uma sensação de deja vu,tipo a intro de Nacional Anthem (com certeza vão falar que rolou plágio de Bittersweet Symphony) e Lucky Ones,que dá a impressão de já ter sido cantada por alguma dupla sertaneja no fim dos anos 90.
    Escutando melhor acredito que essas impressões mudem.

  • Leonardo Ferlin

    Decepção do ano. Mexeram na “This is what makes us girls”. A versão demo era ótima! A versão do álbum é uma porcaria.

  • Nao posso baixar o album porque estou no estágio mas estou acompanhando por aqui. A resenha deve estar mais divertida que o album… mas nao deixarei de conferi-lo quando chegar em casa 😉

  • Patrícia Pimenta

    Logo no começo nenhuma surpresa, só a confirmação que gosto muito da Lana de Off to the Races, e a decepção com Diet Mtn Dew, que tinha uma versão demo bem mais interessante!
    Acho que This Is What Make Us Girls e Nation Anthem perderam um pouco da espontaneidade das demos tbm, mas ainda sim são legais.
    Me senti um pouco saturada no final, Lolita não desceu bem, mas há grandes acertos como Summertime Sadness e Dark Paradise.

  • Tô acompanhando Vinícius. Terminei de ouvir as músicas, achei cansativo e muito confuso, gostei de umas três músicas(entre elas, duas já tinha ouvido antes) Provavelmente só irei escutar essas futuramente, mas o CD em sí é chatinho. 😛

  • Liza

    nuss…nao consigo achar um link sequer valido…aff

  • Diego

    Quiseram hypar as demos que soavam muito pop aí pesaram a mão na pós-produção o álbum inteiro só pra cair no filão do darkpop.
    Esse som podrinho de boutique não ME GUSTA.

  • Ju

    maçante é com ç.

  • bem obÇervado, ju! haha valeu pela correção =)

  • “Eu já sabia galvão!” q naum era tudo isso mesmo. Pela apresentação dela no SNL já deu uma cansada sem contar o esforço q ela fazia pra naum desmanchar akele cabelo dela de comercial de shampoo, q porre!

  • Anna

    respeito sua opinião claro, afinal gosto é que nem **
    Mas só concordo com a comparação com “Cause it’s a bittersweet symphony, this life…” … realmente ficou bem parecido o inicio de national com bittersweet symphony…

    Eu AMEIIII o cd, acho sexy, suave, com um pop diferente do que ouvimos, letras mais inteligentes que “I´m born this way cause god don´t make mistakes…” e a voz da lana, que no estudio ela manda mtooo bem! Aposto que treinando ela melhora ao vivo alias!

    Dificil dizer um destaque num cd com faixas tão boas… mas até agora amei + without you, dark paradise, national anthem e Carmen. Já é um dos meus favoritos de 2012.

  • Concordo como você, Anna. As letras da Lana ganham fácil da auto-ajuda pop da Lady Gaga.

  • Little Monster

    iaharaharahrahrarha…faz-me rir!!!

  • DanieW

    To ouvindo o CD e acompanhando o Vinícius.
    Off the Races é a que mais me interessou, não sei se posso dizer mas achei o CD um blasé forçado.
    E como muitos ja falaram as músicas ficaram carregadas demais. Penso que tem tanto de tudo que faltou um pouco de singularidade na maioria das faixas.
    Esse será um CD que vou ouvir por alguns meses, e logo logo vai se perder na minha biblioteca, pra daqui um ano eu achar e falar: “Lana quem?”
    Espero estar errado.

  • Soniasf

    Adoreeeei, sério mesmo! acho que á muito tempo não gostava tanto de uma artista com ela.. é versátil, têm algo diferente, carisma sem ser estranha como a Lady Gaga, sem medo de arriscar mas sempre dentro do estilo dela pop/rap/indie, o que não torna as música tão boring.
    E obrigadinha pelo link de download 😛

  • Só eu achei q fizeram tanto furor e burburinho p/ Lana del Rey e que na verdade esse disco não tem nada demais?
    Achei uma coisa meio Cat power revisitada? Achei as eltras até bem escritas mas nada demais um album normal p/ um nova artista do pop.

  • Arthur Costa

    Talvez as versões demo eram menos cansativas do que essas super produzidas e desnecessárias que jogaram no cd. Sem contar que deixaram VÁRIASS músicas muitoo melhores de fora.
    É um bom cd, mas para quem já conhecia as antigas músicas, fica um pouco complicado de aceitar a mudança sonora evidente

  • Arthur Costa

    Aliás, apesar de tudo, temos que dar aqueleee super crédito para:

    Lucky Ones
    Off The Races
    Born to die
    Dark Paradise
    e Blue Jeans

  • Arthur Costa

    Se você ouvir NESSA exata ordem, tudo vira outra coisa FANTÁSTICA:

    1) Blue Jeans
    2) Dark Paradise
    3) Lucky Ones
    4) National Anthem (Versão Antiga)
    5) Hey Lolita (Versão Antiga)
    6) This is what Makes us Girls
    7) Off to the Races
    8) Born to Die
    9) Video Games
    10) You can be the Boss
    11) Diet Mtn Dew (Versão Antiga)
    12) Without You
    13) Summertime Sadness
    (Bônus Track) Put me in a Movie

    FIM! Cd do ano! Pena que só os bons ouvirão o cd nessa ordem. Os milhões que comprarão o cd ouvirão a versão cagada e mal escolhida dos produtores. CLAPS

  • Fã da Monstra

    Num sei por que cargas d’água neguinho compara essa desafinada cáGaGa! Pelo menos a freak mamma tem o nariz sincero!
    PRONTODIGITEI

  • Alexandre

    Também acho que mecheram no que tava bom, apesar de que estava MUITO diferente do resto do cd, This is what makes us girls e National Anthem estavam OTIMAS!!! Só Lolita tava +ou-, prefiro a nova. E eu discordo do comentario de Dark Paradise, ela é ótima e no meio de tanta confusão no disco eu ouvi muito ela, melodia 10, letra 8. Agora já acostumei e ouço tudo, menos a chatíssima Million Dollar Man.

  • Anderson

    Bom, como eu não ouvi as versões anteriores dessas mesmas músicas, posso dizer que o que eu ouço (e estou ouvindo toda hora) é muito bom, apesar de achá-la meio forçada a querer ser uma coisa que não é. Concordo quando disseram que as músicas não se encaixam, não tem um estilo único, mas vindo de uma artista nova, que quer ganhar seu espaço, tenta jogar em todas as direções, acho (meio) certo. Dou nota 9.

  • NoboDee

    Eu esperava um pouco mais do cd, Born To Die continua sendo a melhor do álbum pra mim. Não entendo pq essas comparações com a Gaga,o estilo de letra e sonoridade das duas é bem diferente, o cd Born To Die fica mto centrado nos sentimentos dela, enquanto Born This Way aborda vários temas sociais, seria mais convincente comparar Lana Del Rey com Adele, aliás, nenhum artista deve q ser comparado a outro, cada um tem seu estilo, assim como quem ouve. Para quem gosta de ouvir o mesmo estilo em todas as músicas o cd está ótimo, ñ existem mtas alterações de uma canção para outra,somente acho q ela pecou em misturar o q não deve ser misturado, porém, eu gostei do modo como ela colocou batida pop com o tom meloso de Dark Paradise.
    Minhas Favoritas do cd :

    Born To Die
    Dark Paradise
    Radio
    Off To The Races
    Video Games

  • Rafael

    Na minha opi­nião, só o fato de uma jovem ame­ri­cana bonita enve­re­dar de contra-mão a tudo q é feito no pop, já merece um ponto. seria bem facil pra ela com a voz e o dinheiro que tem ape­nas con­tra­tar um Timbaland ou David Guetta da vida, fazer uma musica pop-dançante chi­clete, rea­li­zar um clipe ft algum rap­per besta , usar uma roupa sexy (leia-se vul­gar) e ven­der milhões.Qto ao CD, é bom, mas repetitivo. Na minha opinião se ela lançasse um CD com apenas 11 musicas estaria otimo, guardava o resto só para o album Deluxe ou um lado B.

  • Uma coisa que eu escutei o CD inteiro: Sooooooo. . . (uma voz autunada de homem gritando lá no fundo)! Hahahahaha
    Mas falando sério, o Cd é confuso, é repetitivo, mas é legal. Não enjoa, mas reconhecemos vários elementos em quase todas as músicas.
    Eu curti o álbum, entrou para os melhores de 2012 já. Ela é uma cantora pra ouvir à noite, antes de dormir e nã opra dançar o noite inteira. É por isso que não estamos tão acostumados.

  • Link

    falou muito bem o rafael.quando a galera q tá acostumada com esse pop escandaloso,em q as cantoras não vestidas gritam(ou vomitam pela boca)remixadamente tratam com muita hostilidade e intoleramcia,se não gostou,IGNORA!deixem a menina cantar!

  • Pingback: Deandrea Lyng()