[Especial mês do Rock] Dez grandes covers feitas pelo Oasis

Aproveitando a série de posts em homenagem ao mês do rock – e a quebra de silêncio de Noel Gallagher, peguei dez covers feitas pelo antigo Oasis e postei aqui pra vocês curtirem – ou conhecerem, se for o caso. Diretamente da minha coleção particular, para o Mês do Rock:

01. “Cum On Feel the Noize” é um dos tantos clássicos do grupo britânico Slade. A canção foi lançada originalmente como single em fevereiro de 1973 e, sete meses depois, no álbum Sladest (recomendadíssimo). Já o Oasis lançou essa belíssima versão como lado b do single Don’t Look Back in Anger, de 1996, fazendo jús às suas origens skinhead.

02. Já “Heroes”, composta por David Bowie e Brian Eno, é um das mais belas canções do Camaleão do Rock. Lançada como single em outubro de 1977, marca um dos melhores momentos da trilogia berlinense de Bowie, contando a história de um casal apaixonado e separado pelo grande muro de Berlim. Curiosamente, a inspiração para a criação do casal da música foi Tony Visconti (produtor do disco homônimo) e sua namorada, Antonia Maas. Bowie só foi revelar esse detalhe em 2003, para a surpresa de Visconti – que não sabia da história. A versão do Oasis apareceu como lado b do single D’You Know What I Mean, de 1997. Os vocais de Noel não são tão angustiantes como os de Bowie, mas é legal ver que uma de suas bandas preferidas curte o mesmo som que você.

03. Originalmente chamada “Did Everyone Pay Their Dues?”, esse clássico da melhor banda de rock do mundo, The Rolling Stones, teve um Mick Jagger altamente inspirado após presenciar uma manifestação operária e estudantil que agitou Paris em maio de 1968. Há quem diga que a inspiração da letra foi um ato anti-guerra organizado por Tariq Ali, em Londres, também em maio de 1968. Fato é que “Street Fighting Man” é uma das canções mais politizadas dos Stones. O Oasis lançou apresentou a sua versão no EP All Around the World, lançado em janeiro de 1998.

04. “Hey Hey, My My (Into The Black)”, é uma das faixas acústicas do álbum Rust Never Sleeps, lançado em 1976 por Neil Young e a banda do cavalo louco. Trata-se de um dos melhores discos do deus canadense, que seguiu o jeito “Bringing It All Back Home” de se fazer um disco (metade elétrico, metade acústico – não necessariamente nessa mesma ordem). A versão do Oasis vem do petardo Familiar to Millions, primeiro disco ao vivo dos irmãos Gallagher.

05. “I Am the Walrus” é uma composição de John Lennon e Paul McCartney, e foi lançada no álbum Magical Mystery Tour, dos Beatles – uma banda lá de Liverpool que os irmãos Gallagher endeusam. Eu prefiro os Stones, mas tudo bem – ainda vamos falar mais dos fab four aqui. A versão do Oasis é ao vivo, e consta no single Cigarettes & Alcohol, de outubro de 1994.

06. “Helter Skelter” faz parte do álbum branco dos Beatles, marcado como uma das influências de Charles Manson e sua seita do mundo da lua. Uma dica cinematográfica pouco difundida por aí é o longa que leva o nome da música, dirigido por John Gray e financiado pela tv estadunidense. A versão do Oasis apareceu como lado B do single Who Feels Love, de 2000.

07. “My Generation”, um dos hinos Mod. Um dos hinos da rebeldia sessentista, ao lado de “Satisfaction”, dos Stones. Essa sonzeira do The Who foi merecidamente homenageada pelo Oasis no single Little by Little, de 2002.

08. “You’ve Got To Hide Your Love Away”, mais uma versão de Beatles. Conta como lado B do single Some Might Say, de 1995.

09. “Help”, dos Beatles (eu juro que é a última). Essa aqui saiu de um dos volumes da série de três bootlegs acústicos que eu tenho da banda – intitulada Ultimate Acoustic Collection.

10. Bem, aqui vão duas exceções à lista, mas que merecem ter uma breve história contada. Noel Gallagher conhecia o som de Tom Rowlands e Ed Simons de longa data, e ficou sabendo que a dupla que formava o Chemical Brothers queria gravar algo com ele, até que pelos bastidores do festival Glastonbury de 1995 acontece o encontro entre os músicos citados. De imediato, Noel topa a gravação com os caras, e já adiantou que a sonzeira teria que ser algo no estilo de “Tomorrow Never Knows”, dos Beatles. O resultado deu tão certo que o título inicial do fruto da parceria acabou sendo “Tomorrow Never Noels” (entendeu o trocadilho???). Fato é que, lançado em setembro e 1996, “Setting Sun” foi o primeiro single dos irmãos químicos a alcançar o topo da parada britânica, e daí pra frente foi um hit atrás do outro. A parceria voltaria a se repetir três anos depois, com “Let Forever Be”, outra faixa no estilo-tomorrow-never-knows-de-se-fazer-música-eletrônica.



  • Wilson Farina

    Massa! Melhor versão de Cum On Feel The Noize! Mas vou falar que meu cover favorito dos Beatles q eles fizeram é o de Within You Without You, naquele Sgt. Peppers comemorativo da BBC.

  • @fernahh

    My Generation ficou melhor do que com o The Who hauahuaha.

  • @rafaelaregina

    download do chemical brothers, tem?

  • Assim que conseguir algo te dou um toque, Rafaela. E obrigado pela visita 🙂

  • É uma bela cover mesmo, Wilsera. Na verdade, eu tinha tantas opções que, infelizmente, tive que descartar essa.

  • Leocádia Garibaldi

    Em entrevista gentilmente concedida ao kerido Fábio Massari-o reverendo, o ordinário do Noel afirmou que seria lançado um álbum só de b-sides! Pois bem, se o citado objeto tivesse pelo menos metade dessas pérolas!!!…
    Ai, que ódio daquele feiosinho! (rs)

  • chris oliva

    muito bom…

  • Pingback: 10 Grandes covers feitas por Evan Dando e The Lemonheads | Move That Jukebox()

  • Miguel

    Não dá pra dar play nas músicas. o.-