O Dia Mundial do Rock

Ao meio dia e um de 13 de julho de 1985, o Status Quo deu o pontapé inicial do Live Aid, no estádio Wembley, em Londres. Organizado por Bob Geldof, o megaevento foi realizado simultaneamente na capital inglesa e na Filadélfia, no palco do John F. Kennedy Stadium, com alguns dos maiores nomes da música pop da época. O dinheiro arrecadado (mais ou menos quarenta milhões de libras) foi doado para o combate à miséria na Etiópia.

A transmissão televisiva também foi um capítulo à parte na história da comunicação, aglutinando mais de um milhão e meio de espectadores em 160 países, com a BBC como principal geradora de imagens. As performances musicais mais lembradas continuam sendo do Queen, David Bowie, U2 (que começava a se firmar como fenômeno do rock de arena), Paul McCartney (que há anos não se apresentava ao vivo) e, claro, a primeira reunião do Led Zeppelin (que contou com suporte do popstar Phil Collins – o único artista a se apresentar nos dois continentes – na bateria).

O Brasil continua sendo um dos poucos países que “comemora” o Dia Mundial do Rock. Talvez pela imensa diversidade cultural que empurra o gênero para longe dos holofotes da mídia. Mas isso já é outra história. Separei alguns vídeos gravados nos dois palcos do Live Aid, para relembrarmos o evento que consagrou 13 de julho como o “Dia Mundial do Rock”. Enjoy.

Sobre a Etiópia, trinta anos depois do Live Aid:

Documentário: Live Aid Against All Odds / Rockin’ All Over The World:

Performances musicais:

Leia também

  • Eu nem sabia que o Brasil era um dos poucos a celebrar a data, Ramone!
    Assisti pela tv; estou velha??