Vigilante no SXSW: Head and the Heart, Yeasayer e Foo Fighters

Nossos chapas lá do Vigilante, o braço da Deckdisc voltado à nova música independente brasileira e americana, empacotaram suas coisas na semana passada e partiu com destino ao Texas. Na cidade de Austin, Fábio Silveira e Rafael Ramos desembarcaram para ver de perto tudo que South by Southwest, o provável maior festival do mundo, tinha a oferecer. O evento aborda não só música, mas também cinema, tendências, tecnologia e muitos outros temas. Mas como o assunto principal aqui é música, o Vigilante resolveu compartilhar conosco um pouco das experiências que a dupla de representantes está vivendo no SXSW. Abaixo, segue um resumo de shows do Yeasayer e da banda The Head And The Heart. Tem também um relato emocionado de um fã sobre o atual momento do Foo Fighters. Ê inveja.

Shows interessantes e simultâneos acontecem em todas as esquinas do centro da cidade nos próximos dias. Literalmente. A programação de música está oficialmente começando! Sabendo disso, alguns shows acontecem antes dessa programação oficial, numa tentativa de ganhar o máximo de atenção da platéia de filmes e interatividade, ávida por festas e open bars para extravasar a energia contida em dias de palestras e sessões de cinema.

E foi assim que paramos na festa de lançamento do Internet Explorer 9 que a Microsoft organizou com shows do Yeasayer e The Head and the Heart, um dos 35 shows que não podíamos perder segundo a Spin Magazine. Basta dizer que a promessa não foi falsa e abertura acabou sendo a principal atração da noite. Mesclando folk, doces e tortas melodias, ritmo quebrado, um grande tecladista (e guitarrista!), baixo pulsante e um trio de vocalistas com uma das mais bonitas harmonizações vocais ao vivo que já vimos, o The Head and the Heart convidou uma platéia doida para dançar, balançar a cabeça e rever questões de amor.

O mesmo, infelizmente, não pode ser dito da atração principal. O Yeasayer subiu no palco com um público entusiasmado por dançar ao som do hit “Ambling Alp”. E ele até veio. No final. Até então a execução apenas correta das músicas de um repertório ainda muito curto desinteressou grande parte do público, que não entendia se deveria se preparar para dançar, apenas balançar a cabeça ou viajar ao som errático que faziam. E não é que aquela história de banda de disco e banda de palco ainda vale? Afinal, o repertório do The Head and the Heart não era exatamente forte. Mas a magia no palco existia.

Texto publicado originalmente no site da Vigilante

Logo quando chegamos na fila do Paramount Theater, o principal da cidade na mostra de cinema do SXSW, algo estava diferente. Além dos habituais fãs de cinema, uma multidão de adolescentes se aglomerava, organizadamente, como tudo aqui, para assistir à premiere do documentário Foo Fighters – Back and Forth, dirigido pelo vencedor do Oscar James Moll. Sendo curto e grosso, o doc é uma viagem pelos 16 anos da “última grande banda de rock dos EUA”, como vende o cartaz. E que viagem.

Segue o relato de um fã:

“Na boa, amigo, você entra na fila pro filme do Foo Fighters, ganha uma pulseira, um par de calças da Levi’s, assiste a um filme fodasso, mega bem feito, mostrando os altos e baixos (baixos esses que nunca imaginei que existissem) da banda de forma totalmente bem humorada, dá um hi-five no Dave Grohl (que aparece totalmente emocionado no começo do filme falando sobre a morte do Kurt de uma forma que você nunca viu/ouviu) e ainda assiste à banda tocando num show surpresa de quase 2 horas para pouco mais de mil pessoas o disco novo na íntegra e ainda uma porrada de hits no final. Muitas vírgulas, muita coisa. Muita emoção pra um cara só. A banda está no seu melhor momento (esse é o terceiro show que assisto deles, mais especiais de TV, DVDs…). Pat Smear tá de volta e as 3 guitarras juntas formam uma parede que, pra mim, é quase inédita no rock. Harmonias perfeitas para canções de rock perfeitas. O que você quer que eu diga mais? Bem, foi lindo.”

Ah, sim: tem uma cena no filme que mostra, na mesma sala, durante a gravação do novo disco, Grohl, Butch Vig e Krist Novoselic. Arrepiô!

Texto publicado originalmente no site da Vigilante

  • Priscila Cloque Fagundes

    Arrepiei também. :~

  • Novoselic não é aquele que disse jamais voltar ao shw business depois do suicídio do Kurt?
    Coisas que só o maravilhoso Grohl consegue…