Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 6: a história sobre o “vazamento” do disco

ventura parte 2

Arte: Priscila Barker

Texto: Iberê Borges

“…Isso foi algo do qual não gostamos. Tentaram nos imputar um pioneirismo de algo do qual não tínhamos nem o controle, não tínhamos influência sobre isso. Mas eu me senti invadido, afinal aquilo foi um ensaio interno que fizemos pra nós mesmos, pra ouvir como ficava, não era pra mais ninguém ouvir. Senti uma certa fragilidade nessa situação. É como se lessem um bilhete que você escreveu pra um amigo ou pra uma namorada. Por isso eu nem quero saber se alguém achou esse disco melhor ou pior pelo que ouviu nestas gravações. Não dou ouvidos a essa comparação. É como se elas não existissem.”

Claro, esse é Marcelo Camelo falando sobre o vazamento de Ventura para Alexandre Matias, em entrevista pro site da Somlivre, lá em 2003. Marcelo Camelo sendo Marcelo Camelo, que também chegou a dizer que ficou desapontado e triste com o caso e que o álbum sendo vazado em estágio de pré-produção deu uma sensação de “desperdício de força”. Mas a verdade é que esse vazamento, provavelmente o primeiro vazamento de disco brasileiro da história, só deu mais gás ao álbum – ao menos aos fãs que já ficaram ouriçados e acompanharam, aguardaram ansiosamente pelo lançamento oficial e fizeram de Ventura um marco na história do Los Hermanos, na história do indie rock nacional, na história da música brasileira.

A história era boa: você lia por todo canto (havia uma infinidade de blogs especializados em Los Hermanos em 2003) que o disco estava disponível por aí. Logo, os fãs (eu incluso) correram para o Soulseek (saudade?) e foram procurar aquilo que não parecia tão possível assim. Mas ele estava ali e tinha todo um suspense no ar: seria aquele realmente o disco do Los Hermanos? Com gravações cruas não sabíamos o que soubemos depois: se tratava apenas da gravação de um ensaio que vazou pelas mãos de alguém que não conhecemos até hoje. Seria a própria banda com alguma estratégia para chamar atenção devido ao fim da gravadora Abril? Ou seria aquele o material que enviaram para outras gravadoras para finalizar o trabalho assinando com uma delas? Não sabíamos, não sabemos. Só sabíamos que, de alguma forma, aquilo já parecia mais que o suficiente pra gente, os fãs.

Estava aberta a caçada a mais informações sobre Ventura, na época ainda conhecido como Bonança – nome que a banda preferiu alterar e justificou dizendo que não queriam que o O Bloco do Eu Sozinho se tornasse “a tempestade” (isso é sério). E para completar a série de vazamentos, o site da banda, especialmente planejado para o Ventura, também chegou a vazar antes da hora. Assumo uma parcela de culpa nisso, já que passei bons momentos tentando encontrar esse site testando URLs prováveis (no caso, era “/ventura2003”). Ok, a culpa é minha, que encontrei e fui divulgar por aí nessas centenas de blogs e sites especializados que existiam (mas divido a culpa com o desenvolvedor que podia ter sido menos óbvio na criação do link).

Hoje, é possível perceber que toda a caça, todo vazamento e reações também ajudaram na criação do mito que rodeia Ventura. Essa gravação tosca vazada, ainda com arranjos interminados e letras diferentes do que foram ao fim publicadas, se tornou uma peça integrante desse quebra-cabeça que envolve uma banda inspirada, uma grande geração de fãs, barbas, confusões, entrevistas irônicas, pose blasé, gravadoras falindo, etc. Desafiando a dificuldade de se criar raridades em tempos digitais, aproveite essa que é uma das últimas do cenário alternativo do rock nacional. Ouça abaixo Bonança, o primeiro vazamento de disco brasileiro que ganhou esse sincero apelido.

Leia também: Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 1: o impacto do terceiro disco do Los Hermanos

Leia também: Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 2: “O Vencedor”

Leia também: Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 3: da bonança à ventura, o processo criativo e de produção

Leia também: Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 4: entrevistas da época e a reação da crítica em 2003

Leia também: Especial 10 Anos de “Ventura” – Parte 5: o longo eco do terceiro ato do Los Hermanos