Especial: 5 Álbuns nacionais que completam 10 anos em 2018 e você sem sabia!

De Marcelo Camelo a 3naMassa, discos que marcaram a vida dos artistas e a nossa também

A idade chega, né amigos?! Não tem o que fazer. E acontece que selecionamos aqui uma sequência de discos que copletam dez anos este ano e mais, você nem deveria lembrar disso. Esses discos foram marcantes na vida dos artistas e nas nosss também. Dá uma olhada nesta seleção e entenda a importância de cada um deles.

3naMassa – Na Confraria das Sedutoras

Na Confraria das Sedutoras foi o primeiro e único disco lançado pela banda formada por Dengue e Pupilo da Nação Zumbi e Rica Amabis, do Instituto, o 3NaMassa.

O projeto também tomou emprestado as vozes femininas de várias artistas como Céu, Pitty, Lurdes da Luz, Karine Carvalho, Alice Braga, Nina Becker e até Lenadra Leal.

Depois disso – Dengue e Pupilo estão em turnê com a Nação Zumbi divulgando o álbum “Radiola NZ Vol. 1”, com versões de Beatles, Bowie, Gil, Secos e Molhados e muitas outras músicas. Também vale destaque os lançamentos recentes de Lurdes da Luz (Acrux), Nina Becker(Acrilico) e Karine Carvalho que no seu novo projeto atende por “Galega” e assim como essas outras artistas também lançou trabalho na segunda metade de 2017.

Cansei de Ser Sexy – Donkey

Depois de um primeiro disco arrasador, em 2008 o CSS já era gigante, figura carimbada nos grandes festivais de música do mundo, Donkey era a afirmação da banda e um trabalho mais maduro e “sério”, também foi o período que a banda perdeu sua baixista Iracema Trevisan, substituída pelo onipresente Adriano Cintra que já era responsável por guitarras e produção dos discos do CSS.

Depois disso – Ainda foi lançado mais um disco (Lá Liberación, 2011) com a “supervisão” de Cintra, que logo após sairia da banda após de umas boas tretas envolvendo egos, direitos e por aí vai… Em 2017 ele lançou seu terceiro e ótimo disco solo chamado Nine Times, onde entre outras coisas, hasteia bandeira branca as suas antigas parceiras na faixa “So Sorry”.

O CSS ainda lançaria Plant”, bons para alguns, duvidoso para muitos, em 2015, LoveFoxxx e Britt Daniel do Spoon apareceram para um show no Popload Festival. A moça maio que largou a música foi morar no meio da floresta, é isso mesmo! Ela foi morar em Manaus e se dedicar à pintura.

Marcelo Camelo – SOU

Em 2007, o Los Hermanos anunciou hiato por tempo indeterminado e Marcelo Camelo começou a se dedicar por inteiro às suas composições, que em 2008 resultariam no disco SOU/NÓS”, com participação de Clara Sverner, Dominguinhos de sua ainda futura namorada (hoje esposa e mãe de seu primeiro filho) Mallu Magalhães e da banda Hurtmold. São 14 lindas e intimistas canções como “Doce Solidão”, “Liberdade”, “Santa Chuva” e “Janta”.

Depois disso – No mesmo ano seu parceiro de banda Rodrigo Amarante também lançou disco com seu projeto Little Joy, banda essa tocada com o amigo Fabrizio Moretti (baterista do Strokes). Enquanto, Camelo em 2010 lançou um ao vivo misturando canções do primeiro álbum e outras coisas dos Los Hermanos. Em 2011 veio o segundo trabalho intitulado Toque Dela, seguido de registro ao vivo 2 anos depois. Em 2014 em parceria com Mallu, formou a Banda do Mar que também contava com o baterista português Fred Ferreira.

Cérebro Eletrônico – Pareço Moderno

O segundo trabalho do Cérebro Eletrônico era genuinamente brasileiro, Pareço Moderno abraça a psicodelia e o rock pelo prisma de bandas como Mutantes e Cascavelletes. Lindamente arranjadas, as canções soam mais pop do que o primeiro registro da banda, Onda Híbrida Ressonante. Canções como “Mar Morro” e “Portal dos Sonhos” se misturam a críticas bem humoradas como “Bem Mais Bin Que Bush”. O disco tem muitas participações especiais, entre elas André Abujamra, Fernando Alves Pinto, Moisés Santana, Tulipa Ruiz, Alfredo Bello, Adalberto Rabello, Marcelo Monteiro, Gustavo Ruiz, Felipe Flip, Gui Cotonete e Zé Pi, além de composições de Jupiter Maçã e Peri Pane.

Depois disso – A banda ainda lançou mais 2 bons discos Deus e o Diabo no Liquidificador (2010) e Vamos pro Quarto (2013). O guitarrista Fernando Maranho lançou em 2016 seu disco solo Hipercubo. Fernando TRZ embarcou no jazz do TRZ Trio. Tatá Aeroplano, sempre ativo e incrível, não parou de criar, do seu último disco solo Step Psicodélico, passando pelo projeto com seu alter ego Frito Sampler e chegando ao lindo disco Vida Ventureira, nascido da parceria já antiga com a cantora Bárbara Eugênia. Já Dudu Tsuda (teclados) seguiu sua carreira solo e soltou ano passado o disco Bicicleta.

Curumim – Japan Pop Show

Curumim lançou em 2008 um disco que dialogava com seu tempo, com várias influências e possibilidades: soul, funk, hip hop, reggae e poesia urbana. Japan Pop Show foi o segundo disco do cantor e instrumentista Luciano Nakata, o Curumim. O trabalho tem participações de Blackalicious, Lateef the Truth Speaker, BNegão, Lucas Santana e Tommy King of Corn Guerrero, sem altos e baixos, o registro é uma obra prima, presente em todas as listas de melhores daquele ano, “Magrela Fever”, “Saída Bangu”, “Mistério Stereo”, são só alguns exemplos de composições únicas e fantásticas do álbum.

Depois disso – No último ano Curumim lançou mais um lindo álbum, Boca, permanecendo critico e urbano, porém temas urgentes e atuais como política e sexualidade tem um espaço mais destacado dentro da obra. Assim como já havia acontecido em outros momentos, o artista conseguiu ser relevante, e sua música está ótima, como sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *