Estudo analisa consumo virtual de músicas

A Nielsen Music, empresa de estatísticas sobre consumo de músicas, liberou um novo estudo no qual indica que aproximadamente metade dos usuários de internet da América Latina afirmam ter baixado músicas da internet sem pagar seus direitos nos últimos três meses.

A pesquisa indica que a prática é menos comum na Europa e nos Estados Unidos. Áreas como Ásia e Oriente Médio, no entanto, juntam-se à América Latina quando o assunto é download ilegal de músicas.

Um ponto interessante sobre o consumo virtual, que a pesquisa aponta, é que cada vez mais internautas consumem música assistindo a vídeos na web e em celulares.

Finalmente, o estudo ainda aponta que enquanto quase 60% dos entrevistados afirma ter assistido vídeos musicais no computador nos últimos três meses, menos de 20% diz ter comprado uma música digital e menos de 10% afirma ter efetuado a compra de um álbum inteiro.

Os números devem chamar fortemente a atenção das gravadoras e talvez fortificar o combate a uploads de músicas para sites de vídeo como o YouTube.

  • Sei q essa pesquisa é séria, mas acredito q mt mais gente baixou música na internet, sem pagar nada.
    E é claro q em países mais pobres o índice de não pagantes seja maior. Preço mais alto por música, aliado a poder de compra mais baixo e facilidade de baixar sem pagar, é igual a download “ilegal”.

  • Interessante a pesquisa! Acho que é mais uma cutucada nas gravadoras, talvez fosse melhor encontrar uma forma de investir no download – ou stream – gratuitos ou com um preço beeeeem camarada e ainda assim ganhar, como fazem no trama virtual ou esses sites de stream em que se paga por mês, mesmo porque ainda parece bem difícil deter o download de mp3 “ilícito”

    como diz vovó, se não pode vencê-los, junte-se a eles! huauha

  • Pingback: Aconteceu e a gente perdeu | Itubaína Retrô - Rádio()

  • A solução apontada pela Nielsen quanto ao youtube vai no mínimo na contramão do bom senso internético.

    Seria mais inteligente reverter a renda gerada pelas propagandas que aparecem nas músicas no youtube para o proprietário do conteúdo (gravadora ou músico).