Excêntrica, MØ faz shows-baladas em São Paulo e no Rio de Janeiro

momomo

Foto: Natasha Hollinger

@ São Paulo

Confesso, não conhecia profundamente a MØ até me pegar ouvindo algumas músicas aleatórias na minha playlist, do disco No Mythologies To Follow, do ano passado. Vinda dessa safra pop de cantoras nórdicas dos últimos anos, Karen Marie Ørsted tem seu som classificado como uma mistura de “electro-synth-indie-pop”, mas aproximando-se muito mais da melancolia amorosa nas letras e um pouco da voz da norte-americana Lana Del Rey e da pegada canadense de Grimes. Grande parte do seu trabalho tem as mãos de um velho conhecido (e fã!), o produtor e DJ Diplo, com o qual colaborou também em “Lean On”, do Major Lazer, aquela da dancinha asiática mais famosa dos últimos tempos da última semana.

Nessa última sexta-feira (29), a aguardada apresentação de Karen Ørsted na primeira turnê oficial pelo país começou bem na Audio Club, em São Paulo – tirando o fato de um som abafado nas primeiras músicas. MØ entra em uma excentricidade que a torna original à sua maneira, juntando referências musicais (como Spice Girls e da atual Lorde) e o estilo visual mais provocativo de uma rapper como a M.I.A. Todas esses nomes parece de alguma forma inspirar e ajuda-la a conduzir a performance. Por alguns momentos, era possível até suspeitar de certa dublagem – sua voz torna-se realmente muito boa ao vivo, sem cansar os ouvintes em nenhum momento.

O público que lotou a casa correspondeu bem, deixando a cantora espantada: “Como assim vocês sabem todas as músicas?” No show, MØ mostrou uma energia surpreendente que não deixava sua trança cair nem mesmo quando a balançava demais. Um dos momentos inusitados veio com a dinamarquesa surgindo no camarote ao lado de vários fãs para cantar uma de suas músicas mais tranquilas do repertório, “Never Wanna Know” – escolha certa, na hora certa. Houve ainda tempo pra algumas invasões de palco (contei 5 pessoas, pelo menos) e tentativas frustadas de selfie da galera gerando risos da carismática Karen. O destaque do show-balada sem dúvidas ficou para o maior hit, “Lean On” levando todo mundo pra dançar, com direito a um rápido stage diving na grade de MØ.

Confira o setlist da apresentação em SP:

The Sea
Walk This Way
Fire Rides
One More
Waste Of Time
Freedom #1
Never Wanna Know
Red In The Grey
Slow Love
Say You´ll Be There
Pilgrim
New Year´s Eve
Don’t Wanna Dance

Glass
Lean On

A cantora ainda se apresentou no Rio (30), em show que também teve a cobertura do Move, como você pode ler logo abaixo. Quem esteve por lá foi a colaboradora Thaís Cristina.

MØ

@Rio de Janeiro

No último sábado (30), em uma noite fria (no Rio de Janeiro, temperaturas abaixo de 20º já permitem o uso de jaqueta de couro), uma pequena multidão aguardava ansiosamente o show da dinamarquesa MØ (pronuncia-se “Mu” mas com aquele “u” meio francês, misturado com “i”, sabe qual é?), queridinha do Diplo e bombada em tudo quanto é festival pelo mundo. O show foi no Sacadura 154, um lugar bem lindo na zona portuária do Rio (mas meio difícil de chegar, se você resolver ir de carro).

Depois de algum tempo ouvindo música boa e vendo aquele tanto de gente descoladíssima desfilar, chegava a hora, quase que pontualmente (pros padrões cariocas, 20 minutos de atraso é nada). Fã de Spice Girls que é, Karen Marie Ørsted subiu ao palco vestida de Sporty Spice (calça da Adidas, topzinho de ginástica e rabo de cavalo) e começou mandando “The Sea”. E fácil assim ela já tinha ganhado o público. Todos sabiam as todas letras de cor. Sempre penso como isso deve ser louco pra um artista inciante. Ela lançou o seu primeiro álbum em 2014 e, um ano depois, pessoas de outro continente estavam lá, pulando loucamente e cantando todas suas músicas.

MØ é muito carismática, apesar de não ter conversado tanto com o público (nem ter falado aquelas manjadas palavras aprendidas pelos artistas gringos). O tempo todo sorrindo, curtindo e fazendo aquelas dancinhas desengonçadas que já são marca registrada. Como o show foi num lugar pequeno, era possível vê-la de perto e perceber que ela estava realmente se divertindo. Entre os sucessos tocados estavam “Walk This Way”, “Waste of Time”, “Red in the Grey”, “Pilgrim” e até o dueto que ela fez com a Elliphant, “One More”. O já conhecido e amado cover de “Say You’ll Be There”, das Spice Girls, também estava no set (e foi maravilhoso).

A voz da MØ soa muito parecida com o que estamos acostumados a ouvir em seu disco, mas como se trata de música eletrônica, foi preciso apelar para alguns artifícios, como coros e bases pré-gravadas. Mesmo assim, ela tem uma banda composta por um baterista, um guitarrista, e uma espécie de DJ que toca bateria eletrônica, além do controlar o computador. Ao vivo, a gente percebe que a adolescência punk de Karen não ficou totalmente para trás: as músicas soam mais pesadas que nas gravações, mas igualmente dançantes.

Pra encerrar, MØ cantou “Lean On”, causando comoção geral, com direito a fã subindo no palco pra fazer a coreografia do clipe, e a própria cantora se jogando na galera. Temi por sua integridade física por alguns minutos, mas deu tudo certo. O show terminou com a cantora rindo agradecida e os fãs encantados pedindo por mais (mas sem aquele trocadilho infame de “mais aMØ, por favor”).

  • Pra mim, o melhor show do ano até agora. MØ é extremamente energética, carismática e talentosa. Na espera pelo segundo álbum e pelo próximo show.