Heitor’s Jukebox (Banda Gentileza)

Depois da inspirada resenha da Thaís para o disco da Banda Gentileza (@bandagentileza), resolvemos falar com o vocalista do sexteto, Heitor Humberto, para sabermos de onde surge tanta inspiração para criar a salada musical presente no som da banda – e desse divertido papo surgiu mais uma edição da Jukebox Weekly:

Heitor Humberto
Heitor Humberto, em apresentação com o Conjunto Seleções

Good Times Bad Times – qual banda sempre esteve ao seu lado, como trilha sonora de sua vida, tanto nos momentos ruins quanto nos bons?
Desde que eu me conheço por gente, lembro de ouvir uma fita K7 que era do meu pai e que tinha várias músicas d’Os Mutantes. Depois fui atrás dos vinis e há alguns anos comprei tudo em CD. Acho que foi a banda que sempre esteve por ali.

E o hype? – o que você tem escutado de novidade?
R: Putz, ando meio em déficit com as novidades. O lançamento mais recente que ando ouvindo é o “Vagarosa” da Céu, que é daqueles que melhora a cada audição.

Do the D.A.N.C.E. – o que não pode faltar na hora de soltar a franga na pista?
Atualmente, algum balkan beat.

Toca Raul – não importa a hora nem o lugar, clássico é classico (e vice-versa).
Ando ouvindo bastante o Fela Kuti, nigeriano que é um dos precursores do afrobeat.

Você não vale nada mas eu gosto de você – todo mundo tem um guilty pleasure, vai. Aquela banda que você só escuta quando não tem absolutamente NINGUÉM por perto e, por garantia, só com fones de ouvido.
Hahaha, cara, há uns anos eu comprei, pelo Mercado Livre, o CD daquela dupla de meninas chamada Shampoo. Queria ter o original.