Incubus – If Not Now, When?

Parece que esses últimos anos de espera bateram forte no som do Incubus. A leve suspeita levantada com o single “Adolescents” se confirma agora com o lançamento de If Not Now, When?.

O som está mais calmo, e em cada faixa do álbum isso fica bem evidente. Não que isso seja ruim, pois a alta qualidade dos arranjos é o que faz com que If Not valha a pena. Talvez o momento mais entusiasmante seja “Switchblade”. De resto, “If Not Now, When”, “Promises, Promises”, “Friends And Lovers”, “Thieves”, “Isadore”, “The Original”, “Defiance”, “In The Company Of Wolves”, “Adolescents” e “Tomorrow’s Food” – nenhuma das faixas surpreende muito, a não ser pelo fato de serem novidades e estarem reunidas em um disco de inéditas do grupo primeira vez em cinco anos.

A arte da capa, que remete à famosa aventura de Philippe Petit, talvez mereça mais estrelas do que o conteúdo do disco.

  • Juliana Piesco

    Puxa, que pena. Sou muito fã do Incubus, e estava criando bastante expectativa sobre esse CD…

    Aliás, não sei quanto a vocês, mas estou achando os CDs desse ano bastante decepcionantes (ok, exagero, admito que gostei bastante MESMO do Wasting Lights e também curti o Suck it and See… mas o Angles em compensação, achei medíocre).

  • Maria Vai Caoutra

    Tô de pleno acordo, Juliana!

  • Heleno Puccini

    Eu gostei bastante desse cd. Com exceção de suas músicas “defiance” e “tomorrow’s food”, achei o cd sincero e a cara do incubus.

  • Julio Prado

    O disco é muito bom, mostra maturidade e uma suavidade antes não contida no som da banda, quem dera as bandas nacionais chegassem aos pés das gringas tanto na qualidade doas arranjos, na qualidade vocal de Brandon, qualidade dos musicos ou até nas composições.

  • Luís Corrêa

    Acho que o Raul Ramone ouviu o Cd só uma vez antes de fazer essa resenha.

  • O Raul Ramone é fã de Incubus. Ele ouviu bastante o play antes de escrever esse textículo.

  • Nadyne Ribeiro

    Acho que foi uma resenha muito rápida e as informações são extremamente reservadas, acho que o cd não é bem uma só totalidade, cada música tem seu feeling e destaque… Acho que a capa só ficou como paralelo ao cd.. não leva merecimento maior ou menor ao resto… Eu gostei muito, pra mim foi uma mistura entra mornig view e light grenades… 😀

  • Gustavo Agostinho

    Gostei como gosto dos outros cd’s da banda. “Está mais calmo?” Está, mas não é isso que interfere na qualidade de um som. Se fosse o caso, coitada da Bjork (que por sua vez é super talentosa).
    “Promises promises” é uma canção que entrará pros clássicos, como “dig”, “drive”, “stellar”, entre outras.
    “Switchblade” Tem uma pegada incrível, que me lembra muito o “red hot” e tem potencial para ser lembrada junto à “ana molly” e “megalomaniac”. É mais uma vertente do próprio incubus.
    Aproveitaram para explorar mais uma musicalidade que já tinham, devido à situação do mercado da indústria fonográfica atual.

    O cd me agradou, e falo como admirador dessa e das outras obras já lançadas por eles.