Kings Of Leon – Come Around Sundown

Certos discos parecem ter sido feitos por obrigações contratuais. A preguiça é escancarada aos ouvidos em cada refrão e melodia, que acentuam a sensação de déjà vu e não despertam entusiasmo algum. Infelizmente, esse parece ser o caso de Come Around Sundown, lançamento mais recente do Kings Of Leon.

Não chega a ser um desastre, mas pra quem já entregou ao mundo um disco praticamente irretocável como Because Of The Times, o clã Followill parece ter gostado do comodismo alcançado com as baladinhas de Only By The Night, de 2008. “Radioactive”, primeiro música de trabalho do álbum, a balada sulista ao violão “Back Down South”, melhor faixa de Come Around Sundown, e a não-tão-boa-assim-mas-que-se-destaca-entre-as-outras “Birthday” até que tentam, mas não conseguem tirar suas companheiras de tracklist do marasmo profundo. Apático e abusando de vários momentos arrastados, o Kings Of Leon parece ter dado tanta atenção à sua nova cria quanto a seus shows mais recentes, feitos no piloto automático, com uma frieza que contradiz com todo o espírito efervescente e inquieto vindo lá do sul estadunidense que Caleb, Nathan, Jared e Matthew outrora mostraram.

Lotar arenas e entoar grandes corais com seu público parecem ter ganhado a preferência do quarteto de Nashville – que, em seus áureos tempos, em vez de sair correndo por causa de pombos defecando em locais não apropriados, honrariam seus bigodes e os espantariam (as aves, não os bigodes) com os riffs cruéis e certeiros de “California Waiting”, “King Of The Rodeo” e “Charmer”. E a questão passa longe da famigerada “síndrome do underground”. Todos têm o direito de querer buscar um som mais elaborado e de fácil acesso, mas isso não quer dizer que a criatividade e o potencial para ousar – já mostrados com propriedade pelo KOL – tenham que ser substituído por fórmulas preguiçosas e que deixam o trabalho apenas como “mais um na pilha de CDs”. E tudo o que menos precisamos no momento é de mais um disco descartável.

  • Putz, eu achei esse o melhor disco do ano ao lado de Bradon Flowers…sou doido!?

  • Guilherme

    isso já tava na cara desde o Only by the Night.
    mais uma banda pra lista de vendidas. e querem falar de Arcade Fire…

  • Saymom

    Quando chego na faixa 6 eu já tava doido p deletar com Shift……

  • Eu curti Come Around Sundowd, até. Esperava um disco bem pior depois de Only By The Night, e todo o modismo que seguia por ele.
    E Because Of The Times nem é o melhor do Kings Of Leon, apesar ter ter várias músicas que figuram entre as melhores da banda, como On Call, Arizona, Knocked Up e Charmer.

  • Ricardo Brun

    “A preguiça é escancarada aos ouvidos em cada refrão e melodia, que acentuam a sensação de déjà vu…”
    É exatamente o que eu achei, cara.
    Até comentei isso em outro post. Disse que achava as faixas muito parecidas, e algumas pessoas disseram pra continuar ouvindo que acabaria gostando.
    Errr…
    Parece uma extensão interminável da mesma música.

  • felippe

    então.. eu so ouvi uma evz o cd e confesso que fiquei com preguiça de ouvir de novo… mais como costumo dizer, graças a maldiçao do terceiro ( pq todas bandas que fizeram ate o segundo cd, foram ótimos chega no terceiro erra tudo ) ( claro que existe exessoes) mais nao esperava muita coisa mesmo nao

  • Eu gostei. Claro, não é o melhor do KOL. Nem de LONGE. Mas eu gostei.
    Mas confesso que esperava a volta triunfante dos garotos sulistas com toque rápido…um som ácido. Não foi dessa vez.
    KOL e o Muse, as arenas não fizeram bem pra vocês. Voltem a tocar nos inferninhos e fazer um som sujo, please.
    hehe

  • Guilherme

    “Certos discos parecem ter sido feitos por obrigações contratuais. A preguiça é escancarada aos ouvidos em cada refrão e melodia, que acentuam a sensação de déjà vu e não despertam entusiasmo algum”

    Desculpem, parei de ler por aqui. É ridículo acharem que Come Around Sundown se resume a isso. Coloquem um crítico de música decente para fazer reviews, que realmente conheça a banda e não fique esperando um “Only By The Night” volume II com mega hits chicletes. Um bom CD vai além disso, não precisa disso para ser bom.

    Preguiça escancarada? Nem em cem anos vocês conseguem desenvolver argumentos que justifiquem dizer que o disco é preguiçoso. Não entusiasmou vocês? Então fiquem escurando “Sex On Fire” para o resto da vida, achando que aquele é o único ritmo de sucesso possível para o KOL…

  • Guilherme Magalhães

    Enjoativo, essa é a verdade, é triste mas o KOL jamais será o mesmo

  • Josué C.

    Because of the times não é o melhor álbum deles. Fico em dúvida entre o primeiro e o segundo… mas uma banda precisa, sim mudar seu som, isso mostra evolução e foi isso o que houve com eles. Além do mais acho que eles não queriam ficar conhecidos como uma banda de uma nota só.
    Na frieza deles eu concordo. Pra quem tocava músicas super animadas como Tapper Jean girl eles mudaram bastante. É impossível dizer que Closer e California Waiting, por exemplo, são
    E o Come Around Sundown não é ruim. Algumas músicas aliás lembram bastante o começo de carreira deles (Back down South é Aha Shake total).

  • Esse álbum falha duas vezes, não chega a ter hits comerciais grudentos e também não chega nem perto da qualidade do melhor disco da banda na minha opinião: o Aha Shake Heartbreak.

    Come Around Sundown é bem medíocre mesmo… Não há variações musicais, como antes havia; parece que KOL escolheu copiar totalmente o estilo de tocar do U2, inclusive os riffs de guitarra, que toda hora me remetiam ao The Edge. Não que eu ache U2 ruim, muito pelo contrário; mas isso demonstra a falta de originalidade do disco, que só pode ser justificada por pura preguiça mesmo, como o Neto escreveu. E, ao contrário do que o Guilherme disse, ele não é o único crítico com essa opinião, basta dar uma olhada em outras resenhas por aí que encontrará poucas elogiando esse álbum.

    KOL não criou nenhum mega hit mas também nenhuma canção interessante… É como se tivessem perdido a identidade. Como se estivessem levando ao pé da letra o que diz a faixa de abertura: “…this could be the end”

  • Eu

    Muintos falão da sindrome do underground , mais é a sindrome da arena a sindrome do dinheiro , concordo com a resenha e um disco tipo vamo aproveita a crista da onda e fazer qualquer lixo que vai vende.

  • Carol

    KOL É descartável, desculpa aê.

  • Realmente foi um disco bem fraco. O Only By The Night foi muito, mas muito melhor que esse daí.

  • Jader Santos

    Pessoas, sorry, mas o cd está muito bonito. Um trabalho que não é o Because of the times, até pq se eles ou qualquer ser humano soubessem a fórmula desbancariam todas as bandas do mundo. Mas é uma perspectiva suave do Kings, vejo q mais introspectivo, menos junkie. Isso deve ter chegado por um moneto legal. Eu sou fã, velho. Não vou ficar dizendo que é ruim, aidna mais porque eu não estou perto de fazer um trabalho como esse. O negócio da MTV é passar Justin Biba e meter o malho nos artistas coms eus momentos… Entra na vibe dos caras, po!

  • Jader Santos

    Pyro é coisa linda de Deus!!!! vcs estão loucos!!!!

  • Luisa

    Acho que vocês não chegaram a ouvir até o final do álbum (ou não prestaram mais tanta atenção.. hah) por que a última “Pickup Truck” é muito boa… Sério.

  • Alexandre

    “Eu sou hipster e gosto de bandas underground. Agora kol é famoso e eu acho um lixo.”

    Não, não é o melhor disco do KOL, pra mim nem o BotT é, Gosto muito mais dos dois primeiros. Sim, eles são uma banda de arena agora e é uma pena eles não terem feito mais músicas como holy roller novocaine, mas isso é normal numa banda, chama-se evolução. Os caras vão testando sons e fazendo o que eles sentem no momento. O Only by the night, apesar de ter seus hitzinhos de rádio Use Somebody e Sex on Fire teve musicas muito boas mesmo, como Closer, Manhattan e Be Somebody, que sim, são mais lentas, mas são de uma qualidade fodida.

    Ainda sim o cd é melhor que os dessas porcarias de Two door cinema clubs da vida, que me soam todas iguais e tudo da mesma fórmula. Ainda bem que o Foals conseguiu sair desse mar de lixo e fez um àlbum sensacional.

  • Ana

    Poxa, agora me senti estranha pq eu realmente gostei do albúm.

    Achei THE END maravilhosa, apesar do refrao meloso.

    Mi Amigo é legal também, ficou meio que uma mistura do “velho” KOL com o “novo”.

    agora, sobre o show, concordo plenamente… muito fraco.

    Sou muito fã de KOL e tambem sinto falta do estilo antigo da banda.

    Mas não adianta ficar se lamentando, não tem como querer que eles sejam pra sempre os mesmos

  • Duque

    O álbum é legal, mas eles podem fazer BEM melhor.

  • Eu fico sempre revoltado com as resenhas do neto…

  • Eu curto KOL e gostei desse CD. Mas nem de longe é o melhor deles. Eu fico em dúvida entre o Because of The Times e o Aha Shake Heartbreak. E odeio essa síndrome underground do pessoal parar de gostar de uma banda, porque tá virando modinha. Isso pra mim é besteira. Porra, vão catar coquinho.

  • Julia

    Ridículo comentário. Come Around Sundown foi um dos melhores discos já lançados pelo KOL. É orginal, tem melodias incríveis, retoma de forma ousada e moderna as raízes sulistas que estão nos primeiros albúns. O probelma de vocês é que esperam por discos comerciais criados por uma indústria cultural que tem um só objetivo:vender; criando sempre obras descartáveis e passíveis de esquecimento em um curto período.

  • Come Around Sundown, pra mim, é um marco. Poderia ser facilmente o 2º álbum deles (tanto que Radioactive, por exemplo, veio sendo trabalhada desde Aha Shake Heartbreak), mas é ainda melhor porque foi lançado agora, juntando o ar sulista do começo com a maturidade de 2008, ou seja, o que eles têm de melhor. Isso é evidente e essa é a minha opinião. Os shows mudaram, sim, mas não acho que isso seja o reflexo de alguma coisa ruim. Respeito quem não gostou, mas falar também que “A preguiça é escancarada aos ouvidos em cada refrão e melodia, que acentuam a sensação de déjà vu e não despertam entusiasmo algum” chega a ser desrespeitoso.

  • O tal do Guilherme que não gostou da resenha deve ser um fã cego, que não aceita críticas do seu artista favorito (coisa de fã do restart).
    A resenha crítica é uma opnião e deve ser respeitada.
    “Coloquem um crítico de música decente” o que é um bom critico de musica? quem tem picas de Diplomas na parece? muitos dos melhores ditos músicos, bandas com NOME na história do rock não tinham/tem diploma.
    Acredito que ninguém estava esperando Only By The Night II, mas não dá pra negar que não foi o melhor disco da banda.
    Come around sundown está no mesmo nível da apresentação do KOL no SWU, fraco.
    sem mais 🙂

  • Pedro

    Concodo plenamente com a resenha do Neto; O disco me deixou muito decepcionado, porque simplesmente não apresentou a qualidade e a originalidade dos discos anteriores, como o Only By The Night ou o Aha Shake Heartbrake. Mas não é para tanto. Acho que tu exageraste um pouco Neto. Não é possível sempre fazer um álbum 5 estrelas como o Only By The Night.

  • Fernando

    Vcs falam muita merd@. Nao têm capacidade de criar – nem em pensamento – sequer um trecho dessas músicas que estão criticando, vcs não sabem nada. Aprendam a compor, a tocar, façam melhor do que eles, que ja estão podres de ricos e nao têm nada a provar p/ vcs. Eu ficaria orgulhoso se fosse dessa banda…

  • Flavia

    Gostaria de saber se vc é músico e se sim com qual formação, só por curiosidade.

  • O Cd é bom, parem de frescura, nao é todo ano que se cria um Because of The Times, os caras vão crescendo, amuderecendo, as musicas são provas disto! Ótimo álbum!