Leo Dias’ Jukebox (Urbanaque e Rolling Stone Brasil)

Em 6 meses de Jukebox Weekly, ainda não tinha passado ninguém do Urbanaque (@urbanaque) pela nossa coluninha semanal. Pois bem. Consertamos essa ausência imperdoável e chamamos o grande Leonardo Dias Pereira (@leodiaspereira) – que, em suas próprias palavras, é “Advogado nas horas muito ocupadas e jornalista nas horas ocupadas.” Além disso, é colaborador da Rolling Stone Brasil desde sua terceira edição e, obviamente, editor do Urbanaque. Não perde, hein:

E o hype? O que você tem escutado de novidade?
Eu já fui bem mais “hyposo”. Até 2005, meu dia não começava se eu não desse uma espiada na NME e na CMJ. Hoje, procuro acompanhar os lançamentos, mas não dou muito mais bola pro hype em si. Minhas pesquisas musicais ficam mais restritas a coisas antigas, principalmente country music, country rock e soul music. Então, se leio que alguém atualmente está revisitando esses estilos, corro pra ouvir. O que saiu de interessante nessa tríade, foi o segundo solo do Jakob Dylan, Women + Country, um disco lindo produzido pelo mestre T. Bone Burnett, e também o bacanudo I Learned The Hard Way, da Sharon Jones and The Dap Kings. Mas claro que eu não fiquei imune a algumas modernices, como o novo do LCD Soundsystem (razoável) e do MGMT (instigante). Fora as coisas nacionais que eu ouço bastante pelo trampo no Urbanaque e na Rolling Stone. O terceiro do Superguidis e do Pata de Elefante, a estreia do Nevilton e do Apanhador Só são minhas coqueluches do momento. Ah, e gostei muito do Beeshop, projeto solo do Lucas Silveira, do Fresno.

Good Times Bad Times – qual banda/artista sempre esteve ao seu lado, fazendo, por mais piegas que isso possa soar, a “trilha sonora de sua vida”?
Pode falar mais de um artista? Ouço tanta coisa diferente desde pequeno que não dá pra restringir num só nome. Meu pai ouvia muito Bee Gees e Queen. Ele tem quase tudo dessas duas bandas, então tenho memórias fortes dele colocando isso pra mim e meus irmãos ouvirem – e até hoje sempre que me dá uns acessos, paro pra ouví-los. Como sou cria do grunge também – eu tinha 12 anos quando o movimento explodiu e morava no interior de São Paulo com uma antena parabólica que transmitia a MTV Brasil – Pearl Jam, Alice In Chains e Soundgarden sempre tiveram um lugar especial na minha coleção de discos.

Do the D.A.N.C.E. – o que não pode faltar na hora de soltar a franga na pista?
Funk carioca e música pop radiofônica. Incrível o poder que o funk carioca e uma boa baba pop exercem na cabeça das pessoas. Sempre que dá, a gente rola uns funks pra enganar os indies da Funhouse e a moçada se lembra que São Paulo fica no Brasil e libera geral.

E aquele show inesquecível? Qual foi?
Dois shows foram inesquecíveis pra mim. U2 em 98, no Morumbi: era a primeira vez que eles tocaram no Brasil e a ansiedade de vê-los era palpável no ar. Sem contar que foi na incrível “Pop Mart Tour”. Chegar no estádio e ver aquele arco amarelo gigantesco envolvendo o palco foi impactante. Dá até um arrepio de lembrar do The Edge mandando aquele riff nervoso de “Mofo”, a primeira música do show. O outro foi o Pearl Jam no Pacaembu, em 2005. Aquilo foi um sonho de adolescência realizado.

Você não vale nada mas eu gosto de você – todo mundo tem um guilty pleasure, vai. Aquela banda que você só escuta quando não tem ninguém por perto e, por garantia, com fones de ouvido.
Eu tenho uma atração inexplicável por aquilo que as pessoas convencionam chamar de “hits do povão”. Uns troços tipo o “Rebolation”, do Parangolé, “Festa no Apê”, do Latino e “Ela Só Pensa em Beijar (Se Ela Dança Eu Danço)”, do MC Leozinho – quase me mataram quando eu tasquei essa música no Top do Urbanaque, em 2006. Gosto muito também dessa onda de melodys e tecnobrega, que chegou no sudeste de uns 5 anos pra cá. Fico pasmo como essa galera do melody se apropria de hits na maior cara dura e transforma numa coisa dançante e engraçada. Mas olha, não tenho vergonha alguma de ouvir essas podreiras. Claro que não vou comprar o disco e tal, mas canto junto se estiver tocando numa boa!

2 Comentários para "Leo Dias’ Jukebox (Urbanaque e Rolling Stone Brasil)"

  1. Vai começar a parecer perseguição com o Neto depois da história do The National, mas… “desde sua 3ª terceira”, não era pra ser 3ª edição ou alguma coisa assim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *