Lorde - Melodrama

Lorde
Melodrama

Republic Records

Lançamento: 16/06/2017

A prodígio neozelandesa Lorde acaba de lançar seu segundo disco Melodrama, quatro das onze canções já haviam sido disponibilizadas antes do lançamento oficial no dia 16 de junho, “Green Light”, “Sober”, “Liability” e “Perfect Places”.

“Green Light” veio acompanhada de clipe que já teve mais de 73 milhões de visualizações no Youtube, a música no inicio lembra muito a Lorde de Pure Heroine, deságua em um pop de pista, com letra baseada em suas relações, o que é a tônica das composições do álbum.

“Sober” traz menos novidades, o que não é necessariamente ruim, um aviso de que sua essência de eletrônico e R&B está ali.“Homemade Dynamite” é tão pop e ao mesmo tempo diferente quanto “Green Light”, muito pela combinação de refrão marcante, letras fortes e maneira de cantar de Lorde.

“The Louvre”, “Liability” e “Writer in the Dark” são mostras do seu talento para compor e interpretar o que canta, além de trazer boas lembranças de Regina Spektor, Imogen Heap e Fiona Apple. A sequência mais emocional “Liability(reprise)” e o esmero eletrônico de “Sober II”, são melodicamente momentos mais introspectivos.

São muitos caminhos a seguir, canções que se conectam pelo conteúdo, mas não pela forma. A coprodução Frank Dukes e principalmente de Jack Antonoff ao lado da cantora, tornaram possíveis combinações eletro/ruidosas como “Hard Feelings/Loveless” e viagens pop como “Supercut”.

Na divulgação do álbum a cantora esteve no programa de Jimmy Fallon e além de revelar seu Instagram secreto “onionringsworldwiide” dedicado à sua paixão por Onion Rings, também tocou a bela e intensa “Perfect Places” canção que fecha o disco.

Mais maduro, Melodrama deve seguir o sucesso do seu antecessor Pure Heroine, muitos prêmios o esperam e a aceitação do público já é certa. Lorde parece não se incomodar quando causa estranheza, também não se incomoda em expor suas frustrações quando escreve, é a antítese do universo festivo e liquido que às vezes permeia o pop. Talvez represente uma mudança de pensamento, a não necessidade de parecer a caricatura da colegial ou da sexy symbol, essencialmente se busca a liberdade de ser as duas coisas, mas se preferir, de não ser nenhuma delas.

A antes adolescente multipremiada causou ansiedade quanto ao que viria do seu segundo trabalho, sua personalidade e singularidade musical talvez tenham ajudado a jovem a não cair em nenhuma fórmula ou comodismo.

Lorde recentemente tocou nos gigantes festivais Coachella e Bonnaroo, agora em junho toca no Glastonbury e em agosto no Lollapalooza Chicago, depois entra em turnê por Europa, Nova Zelândia, Austrália e Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *