Maxïmo Park – The National Health

Não quero soar filosófico demais. Meus 26 anos, felizmente, não me pedem nenhuma postura ou pensamento profundo que tenha coesão com minhas ideias ou meus princípios (se deveriam, eu ainda não percebi). Mas há algo que essa idade realmente me mostra e que não consigo compreender: o tempo passando mais rápido.  Tem algo a ver com a ansiedade? Tem algo a ver com expectativas? O fato é que realmente o natal parece chegar mais rápido do que quando eu era criança. Os aniversários voam e, às vezes, eu esqueço até com que idade estou (tive que calcular pra lembrar que eram 26, no momento).

2005 foi um grande ano pra mim e não me parece muito distante – mas veja bem: lá se foram sete anos. Sete anos do furacão Katrina, por exemplo. Tão devastador quanto o Katrina, eram as informações que recebia naquele ano. Sendo mais específico sobre música, estamos aqui pra isso, foi o ano dos álbuns de estreia do Art Brut, Editors, Wolf Parade, Bravery, Rakes, Babyshambles, Kaiser Chiefs, LCD Soundsystem, Bloc Party, We Are Scientists e, ufa, Maxïmo Park. Obviamente, muitos outros (até mais interessantes) surgiram na época com seu primeiro disquinho. Mas quero exaltar aqui só a certa evidência e atenção que dava pra esses aí na época. Quantas dessas bandas aí já acabaram (algumas até já voltaram)? Ou quantas já deveriam ter acabado?

Veloz como um furacão, o Maxïmo Park surgia como uma surpresa boa. Se você viveu esse ano da maneira como eu vivi, vai lembrar dos hits como “Apply Some Pressure”, “Graffiti”, “Limassol”, entre outros (por incrível que pareça), com muito carinho. E, como algumas das bandas citadas aí em cima – não todas – o Maxïmo Park não conseguiu manter o mesmo ritmo em seu segundo disco, apesar de não ser um álbum ruim, e a coisa piorou no seu terceiro lançamento. A banda parecia não querer se entregar àquela sonoridade específica que fazia um bem tão grande a eles. As canções que funcionavam como uma sequência de golpes no nosso cérebro, e golpes velozes e certeiros, por algum momento deve ter parado de fazer sentido na cabeça de  Paul Smith e seus companheiros. Paul ainda pareceu querer deixar isso mais claro com o lançamento do seu insosso disco solo.

Não sendo contra a evolução de uma banda, mas sendo totalmente desconfiado daquelas que parecem negar algo de seu passado, fui ouvir o quarto disco do Maxïmo Park, The National Health. Sem esperar nada, posso dizer até que fui surpreendido.

 “The National Health”, a segunda faixa do disco, dribla a primeira, que funciona como uma introdução, e já explode nas caixas de som. Sim, o Maxïmo Park está soando exatamente como esperamos. Apesar de sua letra politizada, a música empolga e se apega mesmo pelo apelo emocional. É como ouvir um disco do AC/DC, tendo exatamente aquilo que esperava. Ouvir um Futureheads, pra soar um contemporâneo da banda em questão, ou ouvir um Hives. É ouvir o Maxïmo Park que eu desejava ouvir.

Ótimo: os sintetizadores, a guitarraria e a urgência também continuam em “Hips And Lips”, “Until The Earth Would Open” e “Wolf Among Men”, e quando a velocidade se ausenta, como em “The Undercurrents”, “Reluctant Love” e “Take Me Home”,  eu consigo lembrar dos bons momentos que vivi ouvindo “I Want You to Stay” nos velhos tempos de sete anos atrás. Mas fica a sensação de que algo não está certo. E nem são as faixas realmente ruins (falo da xarope “This Is What Becomes Of The Broken Hearted” e da acústica “Unfamiliar Places”) que incomodam. É a sensação de que realmente esse tempo todo que são sete anos se passou.

Eu envelheci demais? Sendo sete anos mais novo, seria capaz de achar este disco realmente bom? Ou a banda que não envelheceu tão bem assim a ponto de me convencer que há algo realmente relevante aí além de uma ou duas faixas?

Não adianta eu ouvir novamente o LP de estreia da banda, pois ele ainda me soará ótimo, e talvez seja a nostalgia que desfoque essa linha tênue criada pelo tempo entre a saudade e a qualidade. Não adianta negar a influência do tempo em nossas decisões e opções. A escolha da banda foi não dar sequência àquilo que funcionou em 2005 (ou não conseguir fazer isso) – e a minha escolha foi aprender a ser mais exigente com aquilo que ouço, ou foi apenas uma consequência com a qual ainda estou aprendendo a lidar.

  • Vinicius

    Concordo com o que você disse, o terceiro album ficou bem fraquinho mesmo, a maioria das bandas tem feito isso, o Interpol, Bloc Party, The Strokes, acho que deve ser o espiríto dos tempos, rs
    Vou procurar pra baixar

  • Felipe

    Excelente Resenha!

  • marcão

    Rapaz, como um garôto (sim, com essa idade,26 anos, és ainda um guri ) escreve tão fácil assim ? Só me resta, lhe dar meus parabéns, e lhe dizer ainda que o velho aqui (sim,tenho 52 aninhos nas costas)vai encomendar este cd numa lojinha aqui de Belô, afinal, curto pacas o som do Maximo Park.Abs.