Happy Birthday: Morrissey (22/05/1959)

Degenerando Neurônios

Morrissey lançou seu primeiro álbum solo em 1988, mas ainda é (e talvez sempre seja) lembrado como ex-vocalista do antigo The Smiths. O grupo continua sendo uma das principais referências do rock inglês, influenciando toda uma geração que ressuscitaria o Britpop no início dos anos 1990. Clássicos como The Smiths e The Queen Is Dead figuram em qualquer lista com os melhores álbuns de todos os tempos. Mas vamos ao que interessa. Para homenagear o cantor, separamos 8 canções consagradas pela sua voz.

Degenerando Neurônios

Suedehead, por Raul Ramone

Por mais que o título tenha saído de um romance escrito por Richard Allen, a letra de “Suedehead” segue outro caminho. No livro, Allen fala sobre gangues formadas por skinheads. Na canção, Morrissey descreve algum fato obscuro de sua vida ocorrido em 1972. De qualquer maneira, foi o primeiro lançamento solo do cantor após o fim dos Smiths, chegando a figurar no Top 10 de singles britânicos na época (1988). Um belo recomeço.

Something Is Squeezing My Skull, por Gregório Fonseca

Sou fã tardio dos Smiths. Minha primeira lembrança de verdade da banda é de quando o t.A.T.u. gravou “How Soon Is Now?”, o que despertou meu interesse pelos britânicos. Acompanhei de longe a carreira de Morrissey até 2009 (ano de lançamento de Years of Refusal), quando parei para ouvi-lo novamente – mais atento dessa vez. A primeira faixa, “Something Is Squeezing My Skull” foi o suficiente para que de imediato eu me apaixonasse pelas músicas do cantor e me aprofundasse mais na carreira dele e dos Smiths.

Morrissey ainda é um dos tios do rock cuja performance ao vivo vale a pena ser vista, e que ainda compõe e grava material relevante. Mesmo conhecendo toda a discografia do cantor, Years of Refusal, de 2009, permanece como o meu favorito.

I Know It’s Over, por Raul Ramone

A verdade é que conheci “I Know It’s Over” através de Jeff Buckley, outro fã declarado de Smiths. A versão original, lançada no álbum The Queen Is Dead, foi escrita em um dia chuvoso e escuro, com pouca luz natural, na hora do tradicional chá inglês.

“[A canção] Era muito bonita e refletia como eu me sentia em grande parte da minha vida, especialmente naquele período. Mas eu não via desânimo nisso, há uma aceitação da melancolia ser uma parte da vida, por isso eu não acho que ela seja deprimente”, declarou Johnny Marr.

Interpretada sob o ponto de vista de um homem solitário, refletindo sobre sua vida que estava sendo desperdiçada, a música possui outro mérito lembrado por Marr: o melhor take já gravado pelo vocalista dos Smiths.

“Os vocais de Morrissey em ‘I Know It’s Over’… Eu nunca vou esquecer quando ele fez aquilo. É um dos pontos altos da minha vida. Foi tão bom, tão forte”. – Johnny Marr

Morrissey e Johnny Marr costumavam compor juntos, ao mesmo tempo. Enquanto Johnny tocava violão e passava os acordes para o gravador portátil, Morrissey escrevia as letras. Foi desse jeito que, durante alguma tarde do final do verão de 1985, nasceram “Frankly, Mr Shankly”, “There Is a Light That Never Goes Out” e “I Know It’s Over”.

There Is A Light That Never Goes Out, por Neto Rodrigues

Mais que um dos hits de rock mais massivos dos anos 80, é a música dos Smiths que agrada até quem não conhece ou não gosta da banda. É a música que clama por uma saída noturna sem rumo, sem hora pra voltar, sem gente careta e chata no caminho. É a música que faz você comprar um capotraste pra colocar na guitarra, depois de ter enchido o saco de tocar os clássicos do The Cure. É a música da balada, ou dos momentos introspectivos. De ambos, por que não? É a música que te faz esperar quase quatro minutos até mostrar seu nome – que fica ecoando na cabeça ad infinitum. É a música que faz ficar tudo bem caso ela seja a trilha de um encontro fatal com ônibus de dois andares ou caminhões de dez toneladas. Que o grande Mozz nunca precise encarar esse ‘jeito divino de morrer’.”

Panic, por Débora Cassolatto

Eu, como qualquer DJ, sempre me sinto muito ameaçada no refrão.

Heaven Knows I’m Miserable Now, por Raul Ramone

A letra faz referência ao imperador romano Calígula, famoso por escândalos sexuais que envolviam até com as próprias irmãs. Já o título da música faz uma homenagem a “Heaven Knows I’m Missing Him Now”, de Sandie Shaw (os integrantes dos Smiths eram tão fãs da cantora que chegaram a gravar “Hand in Glove”, uma das músicas de Sandie). Curiosidade: apesar do sucesso, a canção nunca fez parte da discografia oficial do grupo, sendo lançada apenas como single.

Last Night I Dreamt That Somebody Loved Me, por Raul Ramone

O trecho inicial da música em sua versão original é um dos momentos mais épicos da cultura pop, com dois minutos de piano e muitos gritos. Em março de 1984, os mineiros ingleses deram início a uma greve histórica que duraria um ano. O motivo era o pacote de reformas neo-liberais lideradas por Margareth Thatcher, que praticamente extinguiu os sindicatos do país. Os tais gritos na canção são dos mineiros, que acabaram perdendo a luta contra a “Dama de Ferro”. De lá pra cá, o movimento sindical inglês – até então considerado um dos mais fortes do mundo – nunca mais foi o mesmo.

Black Cloud, por Raul Ramone

Outro ponto alto do álbum Years of Refusal, lançado em 2009. A guitarra de “Black Cloud” foi gravada por ninguém menos que Jeff Beck, que explicou à Mojo Magazine como  sua participação tornou-se possível:

“O boato era que Morrissey só conversava com vegetarianos. Bem, eu mesmo tenho sido vegetariano há muito mais tempo do que o próprio Morrissey. Chrissie Hynde foi a catalisadora entre nós. Eu o conheci no bar Sunset Marquis. Os dois [Morrissey e Chrissie Hynd] não pareciam muito contentes. Chrissie virou para mim e disse ‘Ele é tímido demais para dizer isso, mas gostaria que você tocasse em uma faixa de seu álbum’. No dia seguinte, encontrei um CD com um recado de Morrissey, que dizia: “Foi muito legal te conhecer, você gostaria de tocar nesta canção?” Nos encontramos algumas horas depois. Ele foi encantador [ao dizer]: ‘eu nunca pensei que ele poderia me dar a luz do dia’.” (tradução: Bia Bem)

  • Ele merece este especial, é um dos mais elegantes vocalistas do post punk inglês além de ter ajudado a um New York Doll a ter sua ultima oportunidade de tocar (anos depois) novamente na banda antes de partir. Ele não é apenas bom, mas também sabe valorizar o que é bom Morrissey é o máximo!

  • Leocádia Garibaldi

    “Suedehead” ouvi exaustivamente!
    Quando eu era menina-moça, meu irmão comprou o álbum azul e eu ouvi mais do que ele, principalmente as faixas 1, 2, 3, 10, 12, 13.
    The Queen is Dead foi outro LP que me marcou demais, especialmente as faixas 1,6,8,9,10.
    Eles gostavam de dar show em pequenos pubs p/ poderem olhar bem as caras dos fãs – nem toda banda quer ser o próximo U’2: palavras de J.Marr!!!