Nada Surf @ Webster Hall – New York (07/04/2012)

Com shows marcados em sete cidades brasileiras no fim do mês, a banda dos anos 90 voltou à sua cidade natal no último sábado, na turnê americana de The Stars are Indifferent to Astronomy, seu álbum mais recente.

Ao subir ao palco, o vocalista Mathew Caws foi recebido por calorosos gritos de boas vindas do público, misturado com fãs de longa data, novos ouvintes e parentes dos integrantes (teve até o clássico “oi, mãe!”). Por ser cedo (eram 20h30), a combinação proposta era adiantar as horas, fingir que ja passara da meia-noite, pedir mais bebidas e aproveitar ao máximo.

Com vinte anos de estrada, a banda estava muito à vontade no palco do Webster Hall. Na verdade, logo no inicio do show, Caws começou a contar histórias de quando o local ainda se chamava The Ritz e de quando ele frequentava a casa para ver seus ídolos. Após abrir com as duas primeiras faixas do último disco (que, diga-se de passagem, soa muito bem ao vivo) em sequência, o carismático baixista Daniel Lorca amarrou seus dreads gigantes e pediu a palavra para também contar como foi expulso do Ritz apos entrar sem ingressos na adolescência.

Em seguida, tocaram “Happy Kid”, do disco Let Go, de 2002. A casa veio abaixo. O setlist de 23 músicas ainda teve composições de The Proximity Effect (1998), The Weight is a Gift (2005) e Lucky (2008).

A voz de Caws, que não perde a mistura de inocência e sabedoria tão marcante nas músicas do Nada Surf, esteve impecável todo show. A descontração de Lorca garante momentos de improvisação e força impressionantes, além da precisão absurda de Ira Elliot na bateria. Esse último, aliás, também entrou na onda de contar “causos” clássicos de shows da juventude e protagonizou um dos momentos mais divertidos da noite ao fazer sua performance intitulada “Mick Jagger playing drums”. Gênio.

Fica aqui o destaque para a participação do guitarrista Doug Gillard (Guided by Voices) que, discreto do lado esquerdo do palco, destrói nos solos. Amigo de Caws há anos, ele participou da gravação dos dois últimos álbuns de estúdio da banda. Também faz parte da formação ao vivo do Nada Surf nessa turnê o tecladista/trompetista Martin Wenk, que toca na Calexico.

No fim das contas, toda a conversa saudosista acaba fazendo muito sentido partindo de um disco que fala muito da relação com o tempo. Sete das suas dez músicas foram tocadas. Na volta pro bis, o público foi convocado a acompanhar a banda numa dancinha de dois passos na linda “Inside of Love”. Pedido feito e atendido por todos, que ainda fizeram coro a música inteira – como você pode ver no vídeo acima.

Pra fechar, tocaram “Blankest Year” com direito a berros de “fuck yeah!”, público pulando, instrumentos e microfones voando. No jogo de avançar as horas, acabou que todos voltaram um pouco no tempo, com os membros do Nada Surf tocando em casa para seu público, curtindo como moleques e relembrando as escapadas de shows e noites memoráveis.

Setlist:

Shows no Brasil:

22/04 – Recife – Abril Pro Rock
25/04 – São Paulo – Cine Jóia
28/04 – Curitiba – Music Hall
29/04 – Florianópolis – John Bull
02/05 – Rio de Janeiro – Circo Voador
04/05 – Belém – Se Rasgum Apresenta
05/05 – Fortaleza – Órbita Bar