Opinião: O furacão Lady Gaga atacou novamente!

Lady Gaga “gorda” durante o SuperBowl, durante o videoclipe de “John Wayne” e na terceira foto em apresentação no Grammy ao lado de James, do Metallica. Fotos: Divulgação/Reprodução do Youtube/GettyImages-Kevin Winter

Era 2008 e Lady Gaga sem medo nenhum resolveu cantar sobre o quanto gostaria de ser famosa. A fama veio e veio de sopetão, de repente ela era a “nova Madonna”, virou diva pop, estava nos tapetes vermelhos, passou a ser convidada para cantar em várias premiações importantes, chocou ao vestir-se de carne, chocou a usar sapatos desconfortáveis do Alexander McQueen, ousou e chocou de novo e de novo e de novo e de novo.

Agora a artista deixa grande parte da excentricidade que a deixou conhecida de lado para fazer um disco mais pessoal, mais melancólico. Algo com menos glitter, mas não menos poderoso. Joanne, disco que leva seu nome do meio, – Gaga é na verdade Stefani Joanne Angelina Germanotta – traz canções mais simples, como “Million Reasons”, mas com letra poderosa e não à toa foi escolhida logo de cara para ser o segundo single do álbum e portanto, entrar na lista de músicas cantadas durante a apresentação do SuperBowl. Que você vai conseguir assistir aqui.

Ela também cantou “God Bless America”, “This Land is Your Land”, “Poker Face”, “Born this Way”, “Telephone”, “Just Dance” e finalizou a apresentação com “Bad Romance”. Depois de se jogar no telhado, dançar e cantar todas as músicas sem desafinar, sem playback nenhum, fazer uma troca de roupa insana, fazer uma homenagem ao próprio evento, contar com a participação da plateia no campo e terminar com um belo “mic drop”, Lady Gaga ainda foi criticada por não ter feito “uma grande apresentação” e por estar magra, mas não com a barriga chapada. E o pior? Por pessoas que gostam do trabalho dela!

É verdade que quem conhece Lady Gaga esperava um algo a mais, mas isso não tira a credibilidade dela ter entrado para o hall de grandes artistas que tocaram no intervalo do que os americanos acreditam ser a coisa mais importante em termos de esporte, que é o futebol americano. A verdade é que o plus que faltou em sua apresentação foi um toque. Algo muito parecido com o que ela fez na apresentação do VMA, prêmio da MTV em 2009. O que chama atenção aqui, ou melhor, lá, é que ela com poucos elementos conseguiu fazer uma apresentação poderosa e impactante. Talvez esse fator emocional e um pouco exagerado tenha faltado no SuperBowl.

O fato é que depois de sua apresentação no SuperBowl, Gaga simplesmente disparou 60 posições na parada norte-americana da BillboardJoanne vendeu mais 74 mil discos nos dias seguintes ao show no halftime e hoje, ela está no segundo lugar! Eu disse, segundo lugar das paradas! Com mais um pequeno detalhe, o seu primeiro álbum, The Fame, figura na sexta posição. E agora? Qual seria o próximo passo da cantora? Lançar mais um videoclipe na calada da noite de seu álbum de trabalho. Daí, chegou “John Wayne”!

O vídeo saiu no dia 9 de fevereiro e já no dia seguinte, tinha 1 milhão de visualizações, hoje enquanto escrevo este texto, já conta com 8 milhões e subindo! Lady Gaga tem feito um trabalho muito interessante neste álbum e nos videoclipes. Tudo começou com “Perfect Illusion” que ela vem construindo uma narrativa, ou seja, os videoclipes são continuações e a historinha do álbum tem sido contada com “Million Reasons” e agora com “John Wayne”. Certeza que vem mais por aí! Nesta canção, ela se aproxima mais do universo que havia deixado para trás, com certeza, os fãs e os cri-críticos do Facebook, devem ter amado. O vídeo cheio de exageros, bem característico de Lady Gaga, não? E no refrão da música curtinha ela convoca: “Baby, let’s get high”.

Obviamente, não precisava de mais, né? Gaga já mostrou para o mundo que é uma força, um furacão, uma potência comercial, uma potência pop e uma grande artista. Mas para Lady Gaga o fim é sempre apenas o começo e veio a premiação do Grammy de 2017, em que ela dividiu o palco com o Metallica. Oi? É, e o que? “Dividiu opiniões”. Juntos, ela cantaram “Moth Into Flame”, do álbum Hardwired… to Self-Destruct, lançado pelo grupo americano no ano passado. E na verdade o grande problema para tirar um pouco da vibe foi o microfone de James Hetfield ter parado de funcionar, o que fez com que os dois cantassem juntos num clima mais camarada.

É claro que aqueles dançarinos batendo cabeça, mais Lady Gaga dançando a la Joelma, ex-Calypso, não tinha nada a ver e virou piada na internet. Mas daí, falar mal de Lady Gaga cantando… Hum… Não cola não!

Acho que a pergunta que fica é muito parecida com a que Adele fez no Grammy após ganhar o prêmio de “Álbum do Ano” e achar que Beyoncé foi a grande merecedora com seu Lemonade (nós também achamos!): “Que p***a ela precisa fazer para ganhar um prêmio de Álbumdo Ano?”. Então, fica aqui o questionamento. Gaga sabe muito bem e já falou sobre isso em 2015, quando deu uma palestra em Yale.

Sobre Beyoncé, falamos depois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *