Ouça na íntegra o álbum de estreia de SBTRKT e veja o clipe de “Wildfire”

Uma máscara primitiva, um álbum de estreia oferecido pelo hypemachine e uma música que soa como se o XX e um vocal soul/funky investissem em um flerte profundo com o soft dubstep. O SBTRKT (lê-se substract – alguma alusão ao MSTRKRFT/masterkraft?) é a novidade mais legal da última semana e, sem fazer muito alarde, acaba de lançar um dos álbuns do ano.

Curioso tentar identificar todas as camadas sonoras que preenchem as onze faixas do disco. Hora ou outra, como em “Hold On”, a melodia vira do avesso com uma percussão que de longe lembra os sons de um ritual primitivo/indígena, mas ao mesmo tempo o caos urbano que caracteriza o dubstep. De vez em quando, como em “Wildfire”, o vocal masculino dramático abre espaço para a voz feminina sexy de Yukimi Nagano, do Little Dragon, quarteto de trip-hop que recentemente trabalhou com o Gorillaz – tudo a ver também. E aí, no meio de uma atmosfera densa, você ouve “Pharoahs”, faixa discretamente mais pop e easy-listening, mas bem coesa como a oitava do álbum. Em “SBTRKT”, tudo é imprevisível e bem arquitetado.

A única produção em vídeo do projeto até o momento é para a própria “Wildfire”. Decadente e bizarramente sexy. Se prepara e dá o play:

Muita gente anda dizendo que trata-se do alter-ego de algum notável da música eletrônica, mas nada de apresentação ao vivo ou afirmação polêmica pra comprovar qualquer boato. Seria mais sensato esperar para arriscar um palpite, mas eu diria que aí tem mão do Jamie xx ou do XXX ¢hange. Por enquanto, acompanhemos calados porque o mistério tá rendendo bons frutos.

  • Cética

    0 marcketing deles é o mistério. Sabor de déja vú define!! Som bom, afinal…

  • luanpc

    hold on é melhor que wildfire, fato