Produtora de Mariana Aydar une artistas independentes a trilhas sonoras

Marcio Arantes, Helô Aidar e Mariana Aydar durante o evento de lançamento da BRISA. Foto: Jose de Holanda/Divulgação

Mariana Aydar está lançando um novo projeto, junto com a amiga e a empresária Helô Aidar (dona da pomme_lo e empresária da Tulipa Ruiz) e o multi-instrumentista Marcio Arantes, uma produtora de áudio que vai fazer a união entre artistas independentes entre o mercado publicitário, cinema e TV. Mas como assim? Calma, a BRISA, nome da produtora quer abrir espaço para artistas que estejam interessados em trabalhar nas frentes que citamos e fazer músicas exclusivas. Entendeu?

Então, a ideia aqui é mesmo revolucionar o mercado musical nas áreas de TV, cinema e publicidade, que são bem conhecidos por sempre estarem trabalhando com músicas super conhecidas e suas versões. É verdade que temos algumas marcas que estão ligadas, como a Apple, que convidou o Bianasystem e a cantora Yzalú para fazer a propaganda do seu iPhone 7 Plus. Mas essa não é a regra.

Sim, tem uma mistura de músicas aí, mas vamos combinar que foi uma ousadia em um mercado que vive fazendo versões de músicas antigas que já estão no imaginário nacional. Pois, então, a ideia é justamente fazer com que bandas que tenham a ver com marcas possam compor músicas originais, sejam ” trilhas sonoras, jingles, sound design, vinhetas,  vídeos e filmes em formatos, plataformas e linguagens diversas. ou seja, para WEB, TV, cinema, rádio, cinema, peças publicitárias, fashion, documentais, longas, curtas, corporativas e mais”, como está escrito no site da BRISA. O mais legal é que elas ainda podem até ser usadas como single, como fez o Baiana.

A primeira empreitada da BRISA foi a trilha sonora da nova coleção da Farm, que faz um mix entre o carnaval e o Japão. “Sol e Lua” foi composta por Mariana Aydar e Marcio Arantes e foi inspirada na lenda nipônica Tanabata. A canção fala sobre um casal de namorados que, obrigados a viver em lados opostos da Via Láctea, consegue se reencontrar somente uma vez por ano, sempre no sétimo dia do mês do calendário lunar, como as estrelas vega e altair.

Outras marcas também fazem parte do casting da BRISA, como a Natura e T.Ishida, a segunda também ganhou música. Escute e confira abaixo ““Deep inside in my heart”.

Tá, aposto que você ficou tão animado quanto a gente quando ficou sabendo disso e esta aí se perguntando como participar deste projeto. Por isso, acalme-se! A gente fez uma entrevista com a Helô Aidar para explicar alguns detalhes para vocês:

Move That Jukebox: Como os artistas vão participar?
Helô Aidar: ​De acordo com cada projeto que a BRISA desenvolver, chamaremos artistas que tenham a ver e se identifiquem com as características e necessidades do cliente.

Move That Jukebox: Os artistas terão de pagar um fee mensal para a Brisa, por exemplo?
Helô Aidar: ​De forma alguma. Contrataremos, se necessário, artistas para comporem e gravarem trilhas. Mas será caso a caso.

Move That Jukebox: Haverá um site com um tipo de “book” dos artistas que podem ser contratados?
​Não. O nosso book é todo o mercado da música, formado por músicos, artistas, produtores, amigos e parceiros.​

Move That Jukebox: Como será a curadoria?
Helô Aidar: Mariana ​Aydar ​e Márcio​ Arantes​ compõe o núcleo criativo da BRISA e a curadoria virá por parte deles.​ ​Receberemos os projetos, en​tenderemos as necessidades dos clientes e faremos propostas com artistas que tenham a ver com cada projeto. O nosso foco é o mercado independente, mas não é uma regra nos restringirmos a ele.

Move That Jukebox: Como será essa ligação entre o artista e a marca?
Helô Aidar: ​Isto também será negociado caso a caso, uma vez que a produção de cada artista deve intervir nos contratos. Cabe a BRISA a tentativa de fazer esta ponte, entre marca e artista, mas de forma alguma ser a representante do artista.​

A BRISA foi lançada há cerca de duas semanas em festa para convidados no estúdio/casa da Mariana Aydar. Passaram por lá a jornalista Patrícia Palumbo e Roberta Martinelli, e vários artistas, como Otto, Lira, Tiê, André Whoong, Paulo Miklos, Camila Garófalo, e vários produtores, como os também músicos, Fióti e Zé Nigro, além da presença ilustre de Reinaldo Loureço e animação e discotecagem do DJ Zé Pedro (que diga-se de passagem, simpelsmente arrasou!).