Sofia Vaz do Baleia dá depoimento sobre ser mulher na música

Sofia Vaz, vocal e guitarra no Baleia, banda que toca hoje em SP. Foto: Google Images/Folha

O Baleia toca hoje no Sesc 24 de Maio em duas sessões, uma às 18h e outra às 21h. Pois é! O novo SESC do centrão está testando novos horários de shows e este é especial para quem está saindo do trabalho. E o Baleia é uma das bandas coraçõeszinhos do MOVE como já fizemos uma big entrevista logo que o disco Atlas saiu, resolvemos pegar uma vertente diferente e perguntar para a única integrante mulher do grupo como é ser mulher na música em 2018. Com vocês, Sofia Vaz:

Move That Jukebox: Como é ser mulher no meio da música? Que desafios você encara ou já teve que enfrentar por ser mulher?

Acho que ser mulher é uma condição por si de batalha constante. As situações são cotidianas, seja pra ser ouvida a sério dentro de cada pequena situação de trabalho, seja pra não ser encarada como um enfeite no palco, seja pra que uma equipe técnica entenda que eu sou a pessoa que vai responder à respeito do meu próprio equipamento e por aí vai. Em geral, as perguntas sobre música, sobre criação, construção de arranjo, sobre parte técnica… são sempre direcionadas aos colegas homens dentro da banda. À nós, hoje, é aceito o papel de vocalista e/ou letrista. As mulheres instrumentistas tem uma luta ainda maior, eu penso – e isso sem comentar todo o trabalho enorme na música fora do palco, na produção e na técnica. Temos que nos provar constantemente pra que se abra qualquer espaço no meio.

Mais do que sermos respeitadas como mulher, ainda engatinhamos no processo de sermos vistas como indivíduos criativos por si. Desejaria que nos fossem colocados os mesmos questionamentos sobre trabalho da forma que são feitos à eles e às nossas respostas e colocações fossem dada o mesmo peso e valor.

Move That Jukebox: Você pode indicar cinco artistas mulheres para indicar para os nossos leitores?

Sim! Como no Baleia, existem bandas com mulheres maravilhosas como Francisco, el hombre, Carne Doce, Far from Alaska, Tuyo, e tem a Letrux, tem a Mahmundi, a Luiza Lian… Nossa são muitas! <3 Existe o selo Pwr Records que tem um trabalho foda tb, vale procurar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *