The Dead Weather – Horehound

Já surgido com o (merecido) status de supergrupo, o The Dead Weather lança o esperadíssimo álbum de estréia, matando a curiosidade e ansiedade dos inúmeros fãs do The Kills, The Raconteurs, The White Stripes e Queens of the Stone Age. Isso porque, pros desavisados que ainda não sabem, o The Dead Weather é formado justamente pela junção de integrantes das bandas citadas.

The Dead Weather

Como fã-quase-xiita dos 4 grupos, minha expectativa pra escutar o trabalho inteiro do quarteto não poderia ser maior. E é justamente aí que se deve ter um maior cuidado, pois ter integrantes cuja competência em suas bandas principais raramente é questionada não signifca, necessariamente, o surgimento de um disco impecável e que tenha só hits certeiros e músicas poderosas. Jack White (bateria, na maioria do tempo), Alisson Mosshart (vocais), Jack Lawrence (baixo) e Dean Fertita (guitarra) fazem um bom trabalho em Horehound, mas nada que supere os trabalhos de suas bandas.

Em praticamente todas as suas 11 faixas, Horehound carrega um clima cadenciado, quase preguiçoso. Fato que já pode ser observado logo em “60 feet tall”, música que abre o álbum e que tem, em seus quase 6 minutos de duração, Alisson cantando arrastadamente enquanto Dean toca tímidos acordes blueseiros (além de um solo bem competente no meio da música –  ponto alto dela, aliás). Logo depois vem o primeiro single, “Hang you from the Heavens”, conhecida do público por ter vazado antes do lançamento e que tem como destaque a bateria cheia de ritmos quebrados de White. A metade principal do The White Stripes também é o destaque de “I cut like buffalo”, faixa que poderia muito bem fazer parte de qualquer disco do The Raconteurs.

TDW

Enquanto músicas como “So far from your weapon”, “Rocking horse”, “60 feet tall” e “No hassle night” aparentam ser meras figurantes ocupando espaço no disco, 3 ótimas faixas chamam a atenção: “Bone house”, guiada por um pesado riff de guitarra e que tem uma sonoridade que lembra muito o The Kills, além do solo à la Tom Morello no meio da música; “Treat me like your mother”, segundo single de Horehound e que acaba de ganhar um ótimo vídeo, cuja fotografia lembra muito Deathproof, de Quentin Tarantino e o vídeo da música “3’s & 7’s”, do Queens of the Stone Age; “Will there be enough water?”, última faixa do álbum e que conta com os ótimos vocais de White e Mosshart se revezando enquanto guitarra, piano, violão e a cozinha da banda desenvolvem um blues climático com mais de 6 minutos e que fecha com muita competência o debut do The Dead Weather.

Horehound não chega a ser um disco decepcionante. Tem ótimos momentos, até. Mas, no meu caso especificamente, o erro foi levantar muita expectativa esperando um trabalho na proporção de qualidade que seria o encontro dos quatro integrantes citados e esquecer que, este encontro, pras partes envolvidas, poderia ser apenas uma jam session com os amigos, com a intenção de se divertirem e se revezarem nos instrumentos, sem a pretensão de fazer o melhor disco de rock do ano.

Nota: 3.0/5.0