Três videoclipes para provar que representatividade importa e muito!

Antes de qualquer coisa, “Na Pele” é uma homenagem de Pitty a Elza Soares. Sim, a música de autoria da artista baiana fala claramente da importância de Elza para a  música nacional e também fala sobre ser mulher e envelhecer. Elza sempre foi criticada por se relacionar com homens mais novos ou ter sua sexualidade ativa depois de uma “certa idade”, como se a mulher depois dos 50 não tivesse mais desejo sexual. Até hoje no alto de seus 80 anos, a artista ainda explora este lado com roupas de couro e decotes. E qual o problema nisso?

O clipe dirigido por Daniel Ferro segue portanto nesta linha. Duas mulheres poderosas e que sim, carregam marcas do tempo em seu corpo e não tem vergonha disso, mas orgulho! Com imagens antigas de Elza Soares e muitas sombras.

 

“Papo Reto” é uma das melhores, senão a melhor canção de Craca e Dani Nega e o Dispositivo Tralha, álbum desse dois artistas maravilhosos lançado ano passado. Na letra, Dani fala do poder da mulher, de como a liberdade sexual das mulheres incomoda e claro, isso só é parte do machismo nosso de cada dia, e de como as mulheres devem se unir contra essas marras. Além de citar várias mulheres marcantes na história.

É muito claro, que por ser negra, Dani explora também o lado racial da coisa. Vale lembrar que o homício da mulher negra aumentou em 30 %, enquanto o da mulher branca diminuiu. Ou seja, sim, nós precisamos discutir o racismo neste país com urgência! Por isso, o clipe exalta muito da beleza negra, que é tão diversa em seus cabelos afros, os turbantes, trancinhas e muito mais. Mas antes de qualquer coisa, pede união e respeito! MUITO respeito!

Dirigido por Day Rodrigues, o clipe tem participação de atrizes e ativistas negras como Roberta Estrela D’alva e Adriana Couto, a modelo e performer, Aisha Mbikila, as atrizes dos coletivos negros de teatro de SP (Crespos, Clarianas, Capulanas e Coletivo Negro), a colunista Joice Berth, a rapper Preta Rara, a artista Ana Paula Xongani, além do cantor Rico Dalasam.

Detalhe, o disco de Dani Nega e Craca acaba de ser premiado no 28º Prêmio da Música Brasileira, como melhor álbum de Música Eletrônica, onde fazem a fusão do rap e hip hop com o eletrônico multiétnico.

Seguindo uma linha parecida de empoderamento, Rico Dalasam acaba de lançar o clipe da bombástica “Fogo em Mim” e tá um tiro! Dirigido pela dupla João Monteiro e Fernando Moraes – responsáveis por videoclipes de Glória Groove, Pablo Vittar, Banda Uó e Jaloo -, o clipe mostra uma série de belezas negras dançando e se divertindo numa noite (podemos contar que estava super fria, o que nos deixa ainda mais de cara) em qualquer cidade do país.

A gente já tinha adiantado dez segundos do clipe lá no nosso Instagram, porque ele foi mostrado com exclusividade no festival m-v-f, que rolou há poucos dias no Museu da Imagem e do Som. A griatria inclusive foi enorme, enquanto o clipe era projeto na tela. Muito bonito foi ver a empolgação da plateia diante da música, que sgeundo Rico, não é apenas uma música sobre dançar e se divertir, mas uma canção sobre não desistir: “Isso é o fogo no cu”.

Ah! “Fogo em Mim” está no recém laçado Ep do Rico Dalasam, Balanga Raba.