Veja o line-up completo da segunda edição do Festival Timbre e Arte Na Praça, em Uberlândia, MG

Festival Timbre e Arte Na Praça

Em setembro de 2012, o Festival Timbre fazia sua estreia nas terras mineiras de Uberlândia, que abrigou, durante um fim de semana barulhento, shows de bandas e artistas como Vanguart, UDR, The Baggios, Mundo Livre S/A, Vivendo do Ócio, Curumin e Flora Matos. Agora, em maio de 2014, chega a segunda edição do evento, com escalação diversificada e pronta pra fazer o público da cidade dançar, bater cabeça, cantar junto e aplaudir.

Novamente, o Timbre se une ao Arte na Praça para armar rodadas de shows marcadas para os dias 30 e 31 de maio e 1 de junho, sendo que no último dia, domingo, as apresentação serão com entrada gratuita na praça Sérgio Pacheco, com o paraense Felipe Cordeiro fechando os trabalhos do festival. Além disso, nos dias 28 e 29, Uberlândia recebe debates, bate papos e oficinas ligadas às áreas de teatro, produção cultural, dança, literatura e música.

Quanto aos dois primeiros dias de shows, o line-up se destaca por misturar nomes e estilos diversos. Alguns deles, inclusive, marcaram presença nas listas de melhores músicas e discos nacionais de 2013 publicadas aqui no Move, como Emicida (headliner do segundo dia de Timbre) e Bárbara Eugênia. A Nação Zumbi, que lança seu novo álbum em breve, volta à cidade para fechar a primeira maratona de shows. Durante o fim de semana, também se apresentarão Krow, Vespas Mandarinas, Muñoz, o gaúcho Projeto Ccoma, o DJ Boss In Drama e os punks-hardcore do Leptospirose, entre outros nomes.

O segundo Festival Timbre e Arte Na Praça terá ingressos disponíveis a partir do próximo dia 1, com vendas nas lojas Xiclé (Center Shopping e Terminal Central) e na Be Happy Tabacaria (R. Santos Dumont, 813) e Armazen Ateliê Pop (Rua Professor Pedro Bernardo, 3). Algumas informações adicionais, como preços das entradas, horários de cada apresentação e cronograma da programação cultural pré-shows, ainda serão divulgadas. Pra isso, basta ficar de olho na fanpage do evento.

Abaixo, você confere o line-up completo, seguido de uma rápida conversa com Gabriel Caixeta “Bibi” e Lu de Laurentiz, coordenadores do festival.

30/05 – Sexta-feira – Acrópole
Abertura dos portões: 19h
Início das apresentações: 20h
Nação Zumbi (PE)
Projeto Ccoma (RS)
Bárbara Eugenia (RJ)
Vespas Mandarinas (SP)
Muñoz (MG)
Space Truck (GO)
Palco Gabarito: Multus (MG)
Discotecagem: Flora Próspero
Performance Teatral: “Clowns” do Grupo Galhofas (MG)

31/05 – Sábado – Acrópole
Abertura dos portões: 19h
Início das apresentações: 20h
Emicida & Banda (SP)
Boss In Drama (SP)
Tiago Iorc (PR)
Krow (MG)
Leptospirose (SP)
Tarso Miller And The Wild Comets (MG)
Kicila (MG)
Palco Gabarito: Surreal (MG) Discotecagem: Ávner
Performance Teatral: “Tomatina” do Grupo Teatro No Mi

01/06 – Domingo – Arte na Praça (Praça Sérgio Pacheco)
Início das apresentações: 13h
Felipe Cordeiro (PA)
Porcas Borboletas (MG)
Julgamento (MG)
The Neves (DF)
Kainã Bragiola (MG)
Discotecagem: Thiagão Festa Sexta Básica
Espetáculo de Dança: “Carcaça” do Grupo Strondum

Move: Como é a parceria entre esses dois projetos, o Festival Timbre e o Arte na Praça?
Timbre: Já é tradicional os festivais de música independentes da cidade encerrarem suas edições no Arte Na Praça, que é o maior projeto cultural da cidade, realizado há mais de 11 anos pela Diretoria de Cultura/PROEX/UFU. Acreditamos que tem tudo a ver esta parceria – um projeto agrega conteúdo e conceito ao outro, além de proporcionar à cidade um espaço sociocultural de verdade.

Quais são as novidades e as expectativas para a segunda edição do Festival Timbre e Arte na Praça?
As novidades são que, além dos shows de artistas nacionais reconhecidos e bandas locais com trabalhos autorais independentes, nos dias em que as apresentações ocorrem na casa de shows Acrópole acontecerá também a Feira Mix, com produtos independentes, na qual haverá um palco onde uma banda por dia comandará jam sessions nos intervalos dos shows do palco principal, além de DJs tocando no salão e performances cênicas. Na praça Sérgio Pacheco, a novidade é o DJ Thiagão, da Festa Sexta Básica, direto de São Paulo, comandando os intervalos. As expectativas são as melhores possíveis, principalmente com um line-up que tem Nação Zumbi e Emicida & Banda voltando à cidade em momentos fantásticos de suas carreiras. Teremos também Felipe Cordeiro e Bárbara Eugênia estreando seus shows na cidade, a banda Krow voltando de uma longa turnê europeia, o Leptospirose, que é um dos melhores shows de hardcore da atualidade, Porcas Borboletas embalados com o lançamento do disco novo, projetos eletrônicos como Boss In Drama e Projeto Ccoma ocupando o palco principal da Acrópole, entre outros.

Qual foi o critério usado e como foi à pesquisa para fechar o line-up?
Fizemos uma pesquisa inicial nas redes sociais para saber o que nosso público estava querendo assistir. Depois, foi um trabalho de compor shows e atrações, analisando o momento dos artistas e como seria o impacto daqueles shows e artistas na cidade, dando também espaço para grupos regionais com trabalhos autorais independentes, diversificando ao máximo os gêneros musicais, tentando fazer com que todos os públicos se encontrem e se divirtam com a programação.

Em quais artistas vocês apostam que irão surpreender o público da cidade?
Acreditamos que o nome que vai surpreender é o Felipe Cordeiro, que tem uma sonoridade diferente de tudo que já circulou por aqui. Muitos falam que ele é um representante do tecnobrega paraense, quando na verdade ele é um legítimo representante da cultura local contemporânea do estado do Pará, fazendo a guitarrada tradicional com elementos atuais ao lado de uma das maiores lendas do gênero, que é seu próprio pai, Sr. Manoel Cordeiro. Além dele, shows como Boss In Drama e Projeto Ccoma e suas pegadas mais eletrônicas também são expectativas de boas surpresas para o público uberlandense.

  • Amy Lee

    “E ouvi uma voz, que diz: “não há razão
    Você sempre mudando, já não muda mais”
    E já que estou cada vez mais igual
    Não sei o que fazer comigo”

    “Quando a maré encher, quando a maré encher
    Tomar banho de canal quando a maré encher”

    “Não escolhi fazer Rap não, Na moral
    O Rap me escolheu por que eu agüento ser real
    Como se faz necessário, tiuzão
    Uns rima por ter talento, eu rimo porque eu tenho uma
    missão”

    Não sei nem qual é melhor! Impossível escolher!