Viva Brother – Famous First Words

O fim do Oasis em 2009 abriu espaço para especulações sobre quem seria a próxima grande banda do britrock. No ano passado surgiu na Inglaterra o Brother, que foi bastante disputado pelas gravadoras. Especula-se que o contrato deles com a Geffen Records tenha ultrapassado a cifra de 250 mil libras. Uma batalha judicial obrigou a banda a trocar de nome para Viva Brother e eles acabam de lançar seu álbum de estreia, Famous First Words.

A julgar pela postura da banda, eles tem potencial pra seguir o mesmo caminho dos irmãos Gallagher: já se proclamaram a melhor banda do mundo, dizem que inventaram um estilo musical, o gritrock (ou um britrock mais gritado) e intitularam seu primeiro disco com um nome assaz pretensioso. Mas se formos avaliar pelo lado musical, percebe-se que a banda ainda tem um longo caminho a trilhar.

Eles querem ser grandes, tocar nas rádios e encher estádios, mas isso acaba tirando um pouco da personalidade da banda. Canções como “David” e “High Street Low Lives” soam como o Weezer e “Electric Daydream” pode ser facilmente confundida como uma música do Oasis.

O forte do disco são as três faixas que já foram lançadas como single no decorrer do ano sob a antiga alcunha, Brother: “New Year’s Day”, “Still Here” e “Darling Buds of May” são hits instantâneos que podem jogar a banda pro alto das paradas de sucesso. Se bem que se isso não aconteceu ainda, já pode ser tarde demais.

Lá pela metade, o álbum já começa a ficar repetitivo. “Otherside”, “Fly by Nights” e “False Alarm” parecem músicas que você já ouviu antes, mesmo que seja sua primeira vez. O disco se encerra com a pequena pérola “Time Machine”, uma daquelas músicas que te faz querer voltar pro começo do disco e ouvir tudo de novo.

O álbum de estreia do Viva Brother é uma aula de britrock – mas não do lado do professor, e sim dos alunos. A banda reproduziu o que houve de melhor no rock britânico nos últimos anos e gravou um bom álbum, mas que carece de personalidade. Soa descartável – é daqueles discos que você vai ouvir repetidamente durante uns dois meses e depois vai esquecer que ele passou pela sua vida. Eu ainda estou nesses dois meses.

  • Claudio Pacheco

    Bom, valeu a dica, vou tirar minhas conclusões sobre o álbum.

  • Leocádia J.Garibaldi P.

    Jura que vc perdeu a apresentação e a audição gratuita deste album aqui mesmo, Pacheco? Na minha arrogante opinião, achei o disco do ano!!!