3 set 2011

Wannabe Jalva – Welcome to Jalva

Por  @3:04

A “falta de rumo” pode ser uma destruidora de discos. Encaixar vários riffs, viradas, estilos e ritmos numa mesma faixa ou álbum, sem muita ideia do que deve dar certo, é arriscado e pode deixar a banda sem identidade e com uma vibe esquizofrênica. Mas é justamente esse “desleixo às avessas” com os padrões que torna o som inclassificável do Wannabe Jalva tão vibrante e viciante.

Welcome To Jalva, mezzo disco de estreia, mezzo EP do quarteto gaúcho, contém 7 faixas produzidas pela própria banda, no esquema home studio, e masterizadas por Brian Lucey, responsável por algumas das músicas de Brothers, último álbum do The Black Keys. E dos 7 temas do disquinho, 3 já eram conhecidos pelos fãs: “Follow It”, “Come And Go” e “Phone Call”.

“Full Of Grace” dá início ao trabalho com guitarras agudas ditando o ritmo – que vira do avesso após poucos segundos e que muda novamente de rumo com pouco mais de um minuto de duração, quando vocais imponentes e ecoados enchem o espaço numa espécie de marcha encantadora. Um começo impressionante e pra deixar o ouvinte ligado até o último segundo.

“Something New”, uma das poucas com refrão definido – e altamente assoviável -, tem instrumental classudo, com bons duelos de guitarras, sintetizadores e vocais. Na sequência, a já conhecida “Follow It” faz bonito e suas variações rítmicas ajeitam o terreno para a chegada de “Come And Go”, uma pequena pérola moderna do indie rock nacional. Com seus 5 minutos e meio, a faixa passeia por, aproximadamente, numa contagem rápida, 18 mudanças diferentes de andamento – o que é um diferencial e tanto pra ela não se tornar enjoativa, já que a cada audição, pode-se perceber novos elementos e detalhes. Baita música.

“Phone Call” e “Superstar” dão uma relaxada providencial no ouvinte, que dificilmente conseguirá não balançar a cabeça e/ou bater o pé com os riffs da primeira e a linha de baixo cheio de groove da segunda.

Para o encerramento de sua estreia fonográfica, o Wannabe Jalva chamou os paulistanos do Holger para juntarem forças na incrível “You And I”, que conta com introdução misteriosa, seguida de alguns minutos de encher os olhos – e os ouvidos -, com versos repetidos à exaustão por muitas vozes, ao longe, guitarras agudas e bateria que devem ter deixado os autores de Sunga com inveja.

Ou, mais precisamente, com orgulho. Orgulho de ter feito parte da provável estreia nacional mais interessante do ano. Estreia que, se às vezes exala uma vontade quase exagerada de tocar “tudo-ao-mesmo-tempo-agora”, também mostra que criatividade, ousadia e o descarte de fórmulas como “intro+verso+refrão” podem resultar em um trabalho com frescor primoroso, cheio de vitalidade, de bons momentos pop e de melodias muito agradáveis aos ouvidos.

E pra quem acha que é exagero ou ainda não sabe do que eu tô falando, seja bem-vindo ao Jalva:

Existe 1 comentário sobre este post.

Comentários

Garibaldi Pinto 4 set 2011

Jovens com urgência de mostrar a-que-veio!
Ah…o frescor da juventude…sabe que gosto disso?
Tu já tinhas cantado essa bola antes e aprovei com louvor, sabe Netinho?! Comprarei!!