2010 em um disco e uma música, por Alexandre Inagaki

Disco: Arcade Fire – The Suburbs

Até os executivos gagás da indústria fonográfica reconheceram The Suburbs, indicando-o à categoria de Álbum do Ano nos Grammys. Pudera: trata-se de um baita disco, melancolicamente épico (ou epicamente melancólico) e bonito de doer. Eu, que normalmente preciso ouvir um álbum quatro ou cinco vezes antes de poder tecer uma opinião sobre ele, desta vez fui arrebatado logo na primeira audição. E estou mais do que certo de que, se eu pudesse voltar no tempo, todas as horas que eu não desperdicei neste ano de 2010 ouvindo The Suburbs em loop seriam gastas com o mesmo prazer de reconhecer novamente cada música de mais um belo trabalho do Arcade Fire.

Música: Adele – Rolling in the Deep

Clássico instantâneo, um soul hipnoticamente contagiante capaz de fazer Berry Gordy Jr. salivar de inveja e admiração, inclusive porque foi gravado por uma inglesa de 22 anos que canta com a autoridade das divas incontestáveis da Motown. A julgar por esse petardo e por “Someone Like You”, as duas únicas músicas disponibilizadas até agora de 21, seu novo álbum que será lançado só em janeiro de 2011, Adele enfrentou o desafio do segundo disco com um pé nas costas e o gogó mais afiado do que nunca. Sei não, mas tô achando que o melhor álbum de 2011 já apareceu na área.

.

Alexandre Inagaki (@inagaki) está à frente do ótimo Pensar Enlouquece, Pense Nisso.

  • Leiloca

    Só posso dizer que concordo em gênero, número e grau. E que coincidência! Enquanto eu leio e escrevo aqui, The Suburbs está rolando de novo no meu som…que maravilha o som dessa banda!

  • Essa banda é fantástica.
    Concordo com que está escrito.

  • Ainda (absurdo) não escutei o álbum do Arcade Fire, o que irei fazer o quanto antes. Mas quanto a Adele…
    Bom, essa menina tem um talento fora de série realmente e, por isso, devo concordar com o comentário a respeito de seu álbum 21. Há quase duas semanas não parou de ouví-lo e não me canso. Eis um bom exemplo para tantas cantoras novas e para algumas veteranas também, à exemplo da Christina (gritaria) Aguilera. Rsrs… À exemplo da Adele, a Aguilera possui ótima voz, boa extensão vocal e muitos recursos, porém as semelhanças param por aí. Ao contrário da Aguilera que quer mostrar todos os recursos que possui nos primeiros segundos da música e já nas primeiras frases, Adele tem a sensibilidade, a simplicidade e inteligência de usar seus dotes e técnicas no momentos certos, não deixando a emoção da melodia e da letra se perderem com tanta informação, que perturba nossos tímpanos, como no caso da Aguilera.
    Enfim, apenas um comparativo que julgo dar uma boa medida do talento dessa menina de 22 anos apenas. Talento aliado a simplicidade e inteligência. Taí um bom caminho a ser seguido por tantas e tantos.

  • Pingback: Adele e o dom de fazer homens crescidos chorarem | Pensar Enlouquece – Pense Nisso()

  • Pingback: Adele e o dom de fazer homens crescidos chorarem | Pensar Enlouquece, Pense Nisso()

  • Pingback: Dançando com lágrimas nos olhos | Pensar Enlouquece, Pense Nisso()