Como a página “Galãs Feios” mostra a nossa obsessão pela beleza

galãs feios

Estava de boas aqui dando uma voltinha pelo Facebook, quando caiu na minha timeline uma foto da página Galãs Feios, que fazia uma comparação com o vocalista da banda Cachorro Grande, Beto Bruno e ator (que fui pesquisar está em Walking Dead) Norman Reedus. A minha resposta ao amigo facebookiano foi: “Se cortar o cabelo do Norman, ele fica bem mais bonito”. (Dá uma olhada na internet).

Dias depois, apareceu uma comparação entre o ator Antonio Banderas e o ex-presidente Lula e daí, a coisa pesou. Entrei na página e fui tentar entender. É claro, que na verdade, ao que parece, é tudo uma gozação, mas para mim, ela acaba reforçando estereótipos e para entender um monte de coisas, sobre quem é bonito para a “sociedade” e quem é bonito para algumas pessoas, temos que responder e refletir sobre algumas coisas.

Primeiro. Beleza, uma construção social

300

Um dos conceitos de beleza mais antigos vem da Grécia e na Grécia lá pelo século 5 e 3 a.C se achava que a simetria era a coisa mais importante para ser considerado bonito. Quanto mais proporcional seu corpo era, mais bonito. O erro nisso daí, é que quase todo mundo não tem a parte do lado direito igual a do lado esquerdo. E o que já exclui uma caralhada de gente. Justo?

Bem, os homens gregos deveriam ser musculosos, porque eram guerreiros. Deem uma olhada nos mitos e vão entender bem. Alguém lembra do filme 300? Pois é, os espartanos viviam na academia da guerra e iam guerrear pelados. Já as mulheres eram consideradas bonitas se tivessem uma barriguinha.

Aaaahhh! Pois é, essa coisa de mulher raquítica ser bonita é bem novo, viu? Começou ali na década de 60, com a indústria da moda, perde força, e se estabeleceu mesmo na década de 90 com as revistas ganhando força.

Com o passar dos séculos e anos, os padrões de beleza foram mudando. Na Renascença, entre o século XIV e o fim do século XVII, o padrão era ser mais gordinho. E por quê? Porque, meu filho, era todo mundo pobre fodido lascado e quem tinha dinheiro para botar comida na mesa era rico, por isso, ser gordo era mostrar que você tinha posses.

Por que estou falando tudo isso? Simples, a beleza é uma construção social. Por isso, o que é bonito para mim, pode ser horrível para você e vice-versa. Tudopor conta do meu repertório. Imagina, como é bom ir na balada, ver um cara lindo e falar: “Olha, amiga, que gatinho!” e ela dizer: “Nheeemmm!”. Ou seja, é muito bom ser bonito para umas pessoas e outras não. Afinal, quem disse que a gente vem para esse mundão de meu Deus para ficar agradando a todo mundo, não é mesmo?

Já aqui no Brasil e em alguns outros países, principalmente na África, que foram colonizados por europeus, durante todos esses séculos e anos, mesmo passando por toda essa série de mudanças “padronais” de beleza, uma beleza nunca saiu de moda, da pessoa branca, olhos claros e cabelos loiros, mas principalmente, branca!

Segundo. O que é belo?

Segundo o dicionário Aurélio, um dos mais respeitados do país:

Belo é: 1. Ideal da beleza./2. Perfeitamente; muito bem! excelentemente!/3. belo sexo:  o sexo feminino./4. Em que há beleza./5. Aprazível, deleitoso, ameno./6. Que é perfeito para o fim a que se destina./7. Que satisfaz cabalmente os nossos desejos ou prazeres./8. Escolhido, distinto./9. Nobre, generoso./10. Certo.

Tirando a definição três – que merece ser contestada pelo feminismo, mas não vou fazer isso agora, – se nós colocarmos em termos práticos da vida, todo mundo pode se encaixar nas definições dadas pelo senhor Aurélio, não? Afinal, todo mundo pode ser aprazível, nobre, generoso e quem sabe, satisfazer os desejos cabais de alguém. Tô belo? Ou tô errado?

Terceiro. A construção de um galã

Muitos dos nossos galãs mais conhecidos vieram do cinema e das telenovelas, principalmente ali da TV Glóbulo. E digo a vocês, um cara ser considerado galã quando está na televisão é quase uma redundância, já que para muitos, estar ali, já é sinal de que você é mais do que a média. Mas não é. Assisti há pouco essa novela das sete, “Totalmente Demais” e me desculpem, mas vender aquele Felipe Simas como galã é demais para mim. E por quê?

Vamos lá. O galã é um cara que é muito charmoso, sabe falar, galantear, tratar bem uma mulher e a respeita. Sim, ele não precisa ser “bonito”. Para estar na televisão, ele tem que ser tudo isso e mais, ele geralmente convence se ele estiver dentro dos padrões de beleza já definidos pela cabeça do brasileiro. Exemplo, na nova das nove houve uma passagem de tempo. O personagem do Rodrigo Santoro virou o Antônio Fagundes e amigo… Foi uma falação dos diabos.

Eu também entrei nessa e fiquei me perguntando, como alguém poderia ter mudado tanto e mais alisado o cabelo e pintado daquela cor. Não me lembro de onde estava passando e subindo a escada rolante ao meu lado (eu descia), um senhor usava exatamente o mesmo cabelo do Fagundes. E a verdade é que a gente muda – e tem gente que muda muito – com o passar dos anos. É claro, que por se tratar de uma novela, eles deveriam ter tido um pouco mais de cuidado, mas se você assistir vai ver que a escolha pelo ator não foi aleatória e as mudanças também não, já que queriam alguém mais pitoresco.

Ou seja, é claro que o Antonio Banderas é considerado um galã. O cara fez o Zorro, por Deus! Ele está lá no cinema, com uma série de mulheres bonitas ao lado dele, dizendo que ele é um máximo! No imaginário de muitas mulheres que acompanharam sua carreira, ele é um cara super bonitão. E vamos combinar que ele tem mesmo um sex appeal. Agora, o Lula é um político, que não tem nada que vender sua imagem, como uma imagem de galã, até porque, vocês lembram onde esse país foi parar quando tivemos um presidente galã, né?

Quarto. Não é só embalagem

É claro, tem gente que a gente bate olho e dá vontade de chegar perto e dizer: “Oi, posso tocar no seu corpo? Eu não quero nada não. Só pegar em você e ir embora”. Hahahahahahahahaha! Porque a pessoa é tão bonita, né?

Mas a verdade verdadeira é: não adianta ser o cara mais bonito do mundo se você não sabe conversar, não tem conteúdo, não sabe rir de coisas, não sabe discutir e se você e o seu date não têm nada em comum. Como disse lá em cima, a beleza é uma construção. Então, pode ser que você não seja sei lá, um Brad Pitt, mas tem uma lábia, um chamego, um cheiro bom, saiba conversar com os amigos da pessoa e isso simplesmente te torne a pessoa mais bonita desse universo para a pessoa que está do seu lado. Não é o que está por fora que conta e sim a conjunção do que está por fora com o que está por dentro de você que vai te tornar bonito.

Conclusão

Existe um padrão de beleza vigente no imaginário da gente. E o galã ele existe na vida real e na TV, mas é claro, quem está nas massivas, cinema, TV e até teatro, tem mais facilidade em vender-se como galã. Isso sem contar, que algumas profissões ajudam e muito na construção de um galã, como ator, cantor, jogador de futebol… Mas vai dizer que a dona Mariza Letícia não acha o Lula bonito? Ou será que o Beto Bruno é até hoje virgem, porque ele não é galã? E o Banderas é feio, mas é galã? Ás vezes, queridos, a gente não precisa ser bonito para todo mundo, a gente só precisa mesmo é ser bonito para quem importa.

Bêêêêjo!