Os 15 melhores álbuns internacionais de 2009, por Neto Rodrigues

Eu sei que todos já devem estar cansados dos zilhõõões de listas que apareceram por aí nos últimos dias, né? Muitas em virtude do fim da década, elegendo os melhores discos, os piores, as melhores músicas, as pessoas que arruinaram os últimos dez anos, os melhores clipes e por aí vai. E a contagem só aumenta quando você pensa que todos os exemplos, ou a grande maioria deles, podem ser feitos de forma “nacional” e “internacional”. Enfim, o que interessa é que, com a lista abaixo, procurei citar meus discos internacionais preferidos de 2009 – o que é sempre complicado porque é impossível agradar a todos e nem sempre as justificativas propostas são convincentes para alguns, que não aceitam que o disco X ou Y não tenha entrado na seleção final. Então, quando você se deparar com a listagem abaixo e não enxergar nada do Grizzly Bear ou do Animal Collective, lembre-se do seguinte comentário, postado pelo Eduardo Martinez num ótimo texto do Marcelo Costa: “E quem espera concordar com uma lista de cabo a rabo certamente acredita em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa”.

.

Lily_Allen-Its_Not_Me_Its_You_b

15: Lily Allen – It’s Not Me, It’s You
Muita gente não curtiu a mudada de rumo que Lily deu em seu segundo CD. Depois do “pop-ska” de Alright, Still, Lily trocou o ritmo jamaicano por batidinhas eletrônicas e se deu muito bem. Se não teve todo o impacto de seu debut, pelo menos a cantora-que-não-sabe-a-hora-de-ficar-calada mostrou que pode transitar bem por várias vertentes do pop e que deveria repensar sua decisão de se afastar da música por um tempo.
Escute: “Who’d Have Known” e “Not Fair“.

fever ray

14: Fever Ray – Fever Ray
Sombrio, sexy e instigante – são alguns dos adjetivos que podemos dar ao projeto solo da vocalista do The Knife, a sueca Karin Dreijer Andersson. Com uma sonoridade que nos remete desde Portishead até o som de sua banda principal, o disco do Fever Ray se consolida como um dos melhores debuts do ano, contanto com paredes de sintetizadores e climatizações muito bem arranjadas.
Escute: “Seven” e “Triangle Walks“.

passion pit

13: Passion Pit – Manners
Depois de um celebrado EP – Chunk of change – o Passion Pit lançou seu primeiro LP, intitulado Manners, e mostrou que o hype às vezes acerta. A voz fina de Michael Angelakos é um dos trunfos do grupo, que aposta muito em arranjos e ritmos comandados principalmente por sintetizadores e pianos, com eficientes guitarras ocasionais.
Escute: “Sleepyhead” e “Little Secrets“.

tmv

12: The Mars Volta – Octahedron
Com “apenas” 50 minutos – o que é pouco para os padrões da banda -, o The Mars Volta concebeu o que os próprios integrantes chamaram de “o mais próximo de um álbum acústico que podemos fazer”. Os resultados foram músicas com uma calmaria que impressionou muitos fãs xiitas das guitarras e percussões poderosas que Cedric e Omar normalmente costumam disparar contra os ouvidos alheios. Mas, obviamente, Octahedron também tem seus momentos mais pesados e característicos da banda.
Escute: “Cotopaxi” e “Since We’ve Been Wrong“.

the-xx

11: The XX – XX
O quarteto londrino – que virou um trio recentemente – foi, provavelmente, a banda mais hypada de 2009. Fato que não é injusto, visto que o grupo fez um dos discos mais redondos do ano – é muito improvável alguém gostar de uma música específica do debut e não gostar do trabalho por inteiro. A leveza dos sintetizadores de xx somada aos discretos riffs de guitarras e aos vocais femininos e masculinos se intercalando fizeram o primeiro disco do trio inglês ganhar o 11° lugar da lista.
Escute: “Heart Skipped a Beat” e “Crystalised“.

the-pains-of-being-pure-at-heart

10: The Pains Of Being Pure At Heart – The Pains Of Being Pure At Heart
A melhor (e única, talvez??) mistura de dream pop com shoegaze surgida nos últimos anos! A banda nova-iorquina formada dois anos atrás lançou seu debut em 2009 e conquistou vários fãs com uma sonoridade que pega influências desde The Cure até My Bloody Valentine e Jesus & Mary Chain. Alguns meses depois de ter lançado seu debut, o quarteto americano ainda teve fôlego pra lançar um EP, o ótimo Higher Than The Stars.
Escute: “Stay Alive” e “Young Adult Friction“.

gossip

09. Gossip – Music For Men
O trio que ficou conhecido pelos discos crus e energéticos resolveu lançar mão do pop nesse novo trabalho – e o fez com muita competência, diga-se de passagem! Beth Ditto, a cantora mais huuuuuuuge de que se tem notícia, teve a ideia de acalmar um pouco a sonoridade da banda e surgiu com um CD redondinho que mistura rock, pop, garage e uma atmosfera dance bem surpreendente e agradável.
Escute: “Heavy Cross” e “Four Letter Word“.

wolfmother

08. Wolfmother – Cosmic Egg
Apesar do título horrendo, Cosmic Egg é um dos melhores lançamentos do ano para quem é fã de hard rock misturado com muitas, mas muitas guitarras pesadas jimmypagianas. Mas, no meio de tanto barulho, ainda podem ser encontradas baladas interessantes. Enfim, um disco de rock basicamente completo, com instrumental bem executado e a voz de Andrew Stockdale soando mais impressionante do que nunca.
Escute: “New Moon Rising” e “10.000 Feet“.

koc

07. Kings of Convenience – Declaration of Dependence
Aqui a tranquilidade e a calmaria reinam de forma absoluta. O duo norueguês de indie folk crava 100% de acerto em sua carreira que conta com 3 maravilhosos discos. Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe se declaram dependentes (sacaram?) um do outro produzindo lindas melodias que soariam vazias e até mesmo sem sentido caso um não existisse na vida do outro. Que bonito, não?
Escute: “Boat Behind” e “Me In You“.

sy

06. Sonic Youth – The Eternal
Não dá pra fugir muito do clichê no caso do Sonic: décimo sexto disco na carreira dos cinquentões (a maioria da banda) e soa como se estivessem fazendo seu primeiro álbum, na longíqua década de 80, tentando experimentações não usuais e afinando suas guitarras da forma mais inusitada possível – isso tudo culminando em um dos melhores shows que o Brasil viu em 2009.
Escute: “No Way” e “What We Know“.

tcv

05. Them Crooked Vultures – Them Crooked Vultures
Reunir John Paul Jones, Dave Grohl e Josh Homme não poderia dar em outra, né? Discão pesado e consistente, como há tempos não se via. Mais de uma hora de muita porrada com as guitarras stoner de Homme, que canta em todas as 13 faixas. A cozinha do trio é de dispensar comentários – Grohl voltando aos seus áureos tempos de Nirvana e Paul Jones empunhando seu baixo que tanto barulho fez na década de 70.
Escute: “Mind Eraser, No Chaser” e “Gunman“.

phoenix

04. Phoenix – Wolfgang Amadeus Phoenix
Um CD que começa com o trio de músicas “Lisztomania”, “1901” e “Fences” deveria estar, automaticamente, em qualquer lista de melhores de 2009 que se preze. Em seu quarto trabalho, o Phoenix conquistou os ouvintes não familiarizados com sua música, foi em todos os talk-shows possíveis, gravaram para o Blogotheque e lotaram apresentações em todo o mundo – menos no Brasil, que esqueceu de trazer o grupo em seu melhor ano.
Escute: “1901” e “Lisztomania“.

Kasabian

03. Kasabian – The West Rider Pauper Lunatic Asylum
Depois de um razoável segundo disco, o Kasabian surpreendeu muita gente (eu, inclusive) com uma mistura muito convincente de britpop, psicodelia, Beatles, Stones e outros marcos da música inglesa. A faixa “Fast fuse” entrou até para a trilha sonora do game Fifa 09′, enquanto “Underdog” foi tema de uma propaganda da Sony que teve a participação de Kaká.
Escute: “Fire” e “Underdog“.

ff

02. Franz Ferdinand – Tonight
Um CD que começa com Alex Kapranos dizendo que está entediado e te chamando pra ficar chapado não tem como ser ruim. Aí vem uma dezena de músicas que mostram que o quarteto inglês quer te levar para a pista de dança a qualquer custo. Ou você acha que toda aquela viagem psicodélica de “Lucid Dreams” está ali à toa? E que venha março de 2010!
Escute: “Turn it on” e “Ulysses“.

AM

01. Arctic Monkeys – Humbug
Muita gente achou que Josh Homme foi o culpado pela “seriedade” que os Monkeys apresentaram em seu terceiro disco. Já eu prefiro dizer que ele foi UM dos responsáveis pela incrível evolução dos moleques de Sheffield. Humbug é visivelmente mais pensado e trabalhado do que os álbuns anteriores e mostrou que o quarteto conta com pelo menos dois grandes instrumentistas: o batera Matt Helders e, é claro, Alex Turner, que não só canta e toca com precisão exemplar, como também se mostra um dos bons letristas dos anos 00′.
Escute: “Crying lightning” e “Cornerstone“.

26 Comentários para "Os 15 melhores álbuns internacionais de 2009, por Neto Rodrigues"

  1. Os 5 primeiros + o debut do XX concordo PLENAMENTE, são discos fodas, nao canso de ouvir nunca, hahahaha.

    O Alex fez a dele também?

  2. Muito difícil discordar de Humbug em primeiríssimo, mas AM realmente merece um lugar em qualquer lista. Acho que o título dessas listas tem que ser “Os discos que mais gostei de ouvir em 2009″…

  3. Que beleza ver uma lista sem Grizzly Bear e Animal Collective.
    Eu até gosto do som e tal… mas um monte de gente coloca na lista pra soar cool.
    Ninguém entende aqueles sonzinhos lá… tá certo… PUTA LISTA!

  4. Justiça seja feita quando fala do The Pains com relação a fusão de dreampop com shoegaze, eles são ótimos mas não são os únicos – baita injustiça com o M83 que fez um dos melhores álbuns de 2008 nessa linha com o Saturdays = Youth.

    Enfim, como eu sou meio anti-hype (ainda nem escutei o Humbug inteiro, pasme) meus álbuns top são mais diferentes.

    Meu Top 5 teria o Love 2 do Air, West Ryder do Kasabian, Tertia do Caspian, The Resistance do Muse (pensei que essa ausência fosse gerar mais controvérsia) e o meu favorito – Hymn to the Immortal Wind do Mono.

  5. 1. Discordo totalmente da lista, parece até que a pessoa que fez ela só ouviu…sei lá, 15 discos o ano inteiro. CDs de bandas como Wolfmother estarem ai é tipo vergonhoso. Eu ouvi e digo que alem de serem meros plagiadores, não conseguiram nem manter a novidade do primeiro disco. Penso até ao contrario, acho que o Wolfmother é o pior disco do ano.

    2. The Pains Of Being Pure At Heart não é uma banda de shoegaze, tente se informar do que se trata o estilo ao invés de ficar copiando besteiras que você lê em outros blogs. E bandas de shoegaze/dream pop é o que mais tem por ai, é só você procurar realmente

    3. Eu sei que o MTJ é um blog de indie rock mas francamente, a pessoa que fez a lista poderia ouvir mais do que isso, né. Tem tantos discos melhores em 2009, de De La Soul até Wild Beasts, dá pra apontar dezenas de candidatos ao prêmio de melhor do ano

  6. Apesar de não concordar com a maior parte da lista (mesmo tendo amado a referência a The Gossip que anda esquecida) dou os parabéns ao autor. Até mesmo quando eu discordo de uma lista, acho um alívio saber que tem mais gente no mundo que não está preocupada em seguir as unanimidades anuais.

    Listas devem ser pessoais e se vivessemos apenas de unanimidades, não precisariamos fazer listas, não é mesmo?!

  7. Os Eduardo Azeredo / Gabriel Guerra: sao os mais pertinentes.

    E colocar Grizzly bear nas listas nao e parecer cool e ser sensato. Disco genial.
    Obvio que e bem estranho entrar um Sunn O))) ou um Isis(que fez o disco de rock instrumental melhor do ano.) aqui no MTJ.

  8. Faltou Animal Collective, Grizzly Bear, Dinosaur Jr. e ‘otras cositas más’, mas no todo a lista está muito boa. Tirando o do Wolfmother, que considero um disco facilmente dispensável. Parabens por ter lembrado do Them Crooked Vultures (o power-trio da década) e do Mars Volta (que sempre manda muito bem).

    Obs: por favor, esqueçam a p***a do The Resistance! ¬¬

  9. e ai galera : )
    como fãs de Mars ! vamos palpitar
    acho que o Xenophanes do Omar deveria estar no lugar do Octahedron !

    Octahedron é legal , mas Xenophanes é genial .

  10. Pingback: Move That Jukebox! » Os 15 melhores discos internacionais de 2009, por Alex Correa

  11. Pingback: Move That Jukebox! » Os 10 melhores discos nacionais de 2009

  12. Pingback: Move That Jukebox! » Vocalista do Flaming Lips fala sobre seus discos preferidos da década

  13. Pingback: Move That Jukebox! » Mix That Jukebox #8: As melhores músicas de 2009

  14. colocaria o cd do kasabian em primeiro, o do arctic monkeys ta bom, mas não é a cara deles.. mérito a Josh Homme.

  15. Pingback: Move That Jukebox! » Clipe: Wolfmother – White Feather

  16. Pingback: Move That Jukebox! » Josh Homme participa de show do Arctic Monkeys na Califórnia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *