The Vaccines – What Did You Expected From The Vaccines?

Depois de uma falação danada, finalmente o debut dos ingleses do The Vaccines é lançado. Após ser antecipado em uma semana para não bater de frente com o Angles, dos Strokes, o What Did You Expected From The Vaccines? chega às lojas.

Como sempre, o hype acaba jogando a favor e contra. A favor, certamente, é o fato de que mesmo com um primeiro álbum, a visibilidade da banda é enorme, talvez até desproporcional. Já os pontos contra são outros, como a falta de novidade no lançamento – grande parte do CD já havia rodado pela internet há tempos, algumas com detalhes diferentes, mas, essencialmente, as músicas eram as mesmas.

Para abrir o debut, nada mais apropriado do que “Wreckin’ Bar (Ra Ra Ra)”, que funciona como uma espécie de síntese da banda. Em menos de um minuto e meio é possível sacar tudo que vem pela frente, os vocais arrastados de Justin Young, as guitarras economizando nos acordes e abusando no reverb e bateria e baixo segurando a base com simplicidade e competência.

Ao longo do LP, em alguns momentos os londrinos quase deixam a peteca cair. O What Did You Expected From The Vaccines? repete um pouco demais a fórmula em seu tempo curto – o CD todo tem duração meia hora mais alguns minutos.

Apesar dos altos e baixos, a banda mescla as faixas mais fracas, como “Under You Thumb”, com outras ótimas, como “If You Wanna”, a animadinha “Norgaard” e a já clássica “Post Break-Up Sex”. Repito que, no entanto, os melhores temas não causam tanto impacto devido à falta de novidade.

Uma das grandes críticas à banda é que a sonoridade não é nova. De fato, milhares de banda já misturaram três acordes antes e outro milhar se utilizou do reverb para criar uma atmosfera musical, fatores que são os dois grandes pilares da estreia dos caras. Porém, a “salvação do rock” no ano não faz feio e entrega um álbum com alguns ótimos hits, que fazem com que a audição seja indispensável entre os lançamentos de 2011.

  • Não há falta de novidade se vc ainda não conhecia a banda! heheheheee…

  • Samuka

    Falta de novidade no gênero, ele quis dizer – e realmente há. O album é bom, mas nem tanto… Esse é o problema de bandas hypadas demais, cria-se uma expectativa desnecessária que nem sempre vai se confirmar.

  • O álbum é bom e eu tenho ouvido boa parte que baixei dele.
    O problema é que, de dez em dez anos querem um “messias” para salvar o rock; que pecado. The Vaccines não lançou o álbum na data planejada por causa de “Angles” do The Strokes? Isso mostra então, que não serão eles o “messias” deste ano de 2011. Quanta falta de ousadia, não? Não se deve temer os grandes se quiser ser grande.
    Grande abraço. =)

  • eu que nao tinha ouvido nada do vaccines, qse nao li nada sobre eles, gostei muito do album, as tres primeiras musicas sao muito boas, depois blow it up nao achei tao legal assim, a wetsuit é bonitinha mas ordinaria, fica na cabeca, mas o refrao é ridiculamente ridiculo, tao ridicula como a construcao da minha ultima frase, as outras sao melhores, menos a under you thumb eh fraca mesmo, mas as ultimas tres sao muito boas, pow, all in white e family friends sao boas de mais, e ate pelo cd ser pequeno, fica melhor pra vc ouvir, gostei muito desse cd deles. acho que gostei mais pelo fato de nem saber q eles tavam com tanto hype, se eu tivesse ouvido q eles eram o messias do rock, acharia esse cd mais fraco, mas mesmo assim, comparado com o angles, esse cd estupra o cd do strokes.

  • kylma

    Não cara esse álbum não foi comparado com o Angles e sim com o primeiro trabalho dos Strokes Is This It .

  • Pingback: Clipe: The Vaccines – All In White | Move That Jukebox!()