Os 17 anos de “Wonderwall”, do Oasis

Antes de qualquer coisa, aprendam: “Wonderwall” não foi composta para Meg Mathews, na época namorada e futura esposa de Noel Gallagher. O próprio músico declarou, alguns anos depois (já divorciado de Mathews) que essa ideia que todos tinham sobre o suposto significado da canção foi praticamente arrancada dele pela imprensa (“E como você vai contar à sua dona que [a música] não é sobre ela, uma vez que ela a leu? É sobre um amigo imaginário que virá salvá-lo de si mesmo”).

Miusicalmente falando (essa sempre é a melhor parte dos especiais), “Wonderwall” foi criada a partir do álbum Wonderwall Music, o primeiro trabalho solo de George Harrison (ainda integrante dos Beatles), totalmente voltado para o filme Wonderwall – from Psychedelia to Surrealism. O roteiro é tão maluco quanto a trilha sonora, e conta a história de uma garota (Jane Birkin) que tem um vizinho fascinado por ela, chegando a construir muros para poder espioná-la (daí o título Wonderwall).

Se você se considera uma pessoa paciente, aí vai o áudio completo de Wonderwall Music:

01. 00:00 “Microbes”
02. 03:43 “Red Lady Too”
03. 05:41 “Tabla and Pakavaj”
04. 06:47 “In the Park”
05. 10:56 “Drilling a Home”
06. 14:05 “Guru Vandana”
07. 15:11 “Greasy Legs”
08. 16:41 “Ski-ing”
09. 18:31 “Gat Kirwani”
10. 19:47 “Dream Scene”
11. 25:15 “Party Seacombe”
12. 29:51 “Love Scene”
13. 34:09 “Crying”
14. 35:28 “Cowboy Music”
15. 36:58 “Fantasy Sequins”
16. 38:50 “On the Bed”
17. 41:13 “Glass Box”
18. 42:20 “Wonderwall to Be Here”
19. 43:48 “Singing Om”

O que poucos sabem é que “Wonderwall”, o primeiro single do Oasis lançado nos EUA, inicialmente se chamava “Wishing Stone”. Só não me pergunte o porquê. A arte da capa do disquinho também é bem estilosa, com uma imagem inspirada no surrealista Rene Magritte e clicada em Primrose Hill, noroeste de Londres. A mão que segura a moldura é do diretor Brian Cannon e a garota (na época uma empregada da Creation Records) se chama Anita Heryet. Ela pode não ter dido a mesma sorte de Peter Rowen, mas entrou para a história mesmo assim, graças a um grande single.

Além de ser a terceira faixa do álbum (What’s the Story) Morning Glory, parte de “Wondewall” também abre o disco, com seu riff acústico sendo tocando antes da explosiva “Hello”.

“Wonderwall” completa 17 anos de lançamento hoje (30) e depois de toda essa historinha contada acima, o melhor a fazer é ouvir a música. Aumenta:

Fonte: Degenerando Neuronios

  • Guedes

    A letra dessa música arrepia…
    Parabéns pelo post!!

  • Jessica

    Simplesmente Wonderwall 🙂

  • Fernando

    Uma das maiores canções de todos os tempos. Seguramente.

  • Do Contra

    eisaí uma musica über radiofônica que peguei abuso!!!